Modelo Design - Escola de Arte
Modelo Design - Escola de Arte

ROBERT D'AGUILÓ, O PRÍNCIPE VIKING DE TARRAGONA, CATALUNHA

Tarragona, 14 de maio de 1129 d.C. Fazia apenas treze anos (1116) desde que Ramon Berenguer III — um conde independente de Barcelona —, recuperou o controle de uma cidade que, desde a conquista árabe (716 d.C.), estava "deserta e sem inquilinos".


Robert d'Aguiló, o príncipe viking de Tarragona, Catalunha

A antiga Tarraco romana e a Tarracona visigótica (que fora a grande cidade do quadrante nordeste da península) era, naquela época, uma acumulação caótica de edifícios monumentais em ruínas. E o bispo Oleguer de Barcelona, nomeado arcebispo de Tarragona, se sentiu incapaz de garantir a segurança mínima necessária para estimular o repovoamento da cidade e a efetiva restauração da sede arquidiocesana.


Apoie a Livros Vikings

Oleguer de Barcelona

A luta pela independência eclesiástica (ter seu próprio arcebispado) pode parecer um pouco assustadora para nós hoje. Mas, naquela época, foi muito importante. A Igreja era o terceiro pilar do poder. E, nesse contexto, depender eclesiasticamente da sé francesa de Narbonne, significava que uma parte muito importante dos recursos fiscais catalães seriam administrados no exterior e destinados, em muitas ocasiões, aos interesses totalmente contrários ao poder autônomo do país. Portanto, a recuperação de Tarragona e a restauração da antiga sé arquidiocesana representavam um grande triunfo político para Ramon Berenguer III e um desafio impressionante para Dom Oleguer.


Ramon Berenguer III. Fonte: Poblet Roll

Quem foi Robert d'Aguiló?

Robert d'Aguiló (originalmente Robert d'Aculley) era um senhor da guerra (chefe de uma hoste que lutava pelo patamar mais alto); nascido no ducado da Normandia (noroeste do reino da França). Aguiló era um descendente da conquista viking da Normandia (Século IX); os lendários Ragnar Lodbrok e Rollo Ganger; e era um produto daquela sociedade de tradição e cultura escandinavas; porém, depois de dois longos séculos, na órbita política do reino da França, os Aculleys (pais e avós de Robert) não tinham grandes recursos financeiros, mas exibiam um pedigree viking inquestionável e mantinham boas relações com os parentes bem-sucedidos.


Mapa dos condados independentes da Catalunha na época de Robert d'Aguiló. Fonte: Enciclopédia

Ramon Berenguer III e Robert d'Aguiló

Um desses parentes era o Hautevilles, normando de origem viking que conseguiu a “ponta da bota” italiana. Precisamente, Mafalda de Pulla, de linhagem viking calabresa, ela era a esposa de Ramon Berenguer II e mãe de Ramon Berenguer III. Portanto, Aguiló e o conde independente de Barcelona eram parentes. Um detalhe muito importante para explicar tanto a aparição de Robert em Tarragona, quanto o desfecho dessa história. Fontes documentais confirmam que Aguiló e seu anfitrião participaram ativamente, como mercenários, do empreendimento conquistador da cidade e do campo de Tarragona em 1116.


Mapa das possessões normandas por volta de 1130. Fonte: Wikipedia França

Oleguer e Robert d'Aguiló

A experiência que ele valorizava, a relação de parentesco com a família do conde; e a força expedita de seu anfitrião; foram as virtudes que Oleguer viu em Robert d'Aguiló ao confiar-lhe a missão de organizar e controlar o repovoamento da cidade e do campo de Tarragona. Oleguer e Aguiló concordaram com o domínio direto dos vikings sobre praticamente toda Tarragona e sobre as declarações de impostos que a cidade e a região deveriam gerar. Oleguer e Ramon Berenguer III “inventaram” o Viking Aguiló, Príncipe de Tarragona; com alta autonomia política e militar; mas sujeito (reconhecimento de autoridade) aos condes independentes de Barcelona.


O Viking Aguiló, dono e Senhor de Tarragona

Durante o governo pastoral do Arcebispo Oleguer (1118-1137 d.C.) e seus sucessores Gregório (1143-1146) e Bernat (1146-1163); o Viking Aguiló mais do que cumpriu a tarefa que lhe foi confiada: promoveu com estímulos generosos o repovoamento de Tarragona; e ele organizou e dirigiu com punho de ferro o estabelecimento daquela primeira sociedade. Por trinta e quatro anos (1129-1163), Robert foi a primeira autoridade da cidade e do território; e pode-se mesmo dizer que foi o único, graças ao prolongado absenteísmo dos três primeiros arcebispos. Mas, com a nomeação do quarto, Hugo de Cervelló, o reinado do viking terminou. Cervelló declarou guerra ao controle de Tarragona.


Fragmento do Tapete Bayeaux. Fazendeiros trabalhando. Fonte: Centre Guillaume le Conquerant. Museu Bayeaux

A guerra de Tarragona