• Livros Vikings

VIKINGS: INVASÕES AO DUCADO DA NORMANDIA

Em 911, o rei franco Carlos, o Simples, negociou com o chefe dos Vikings, Rollo, um tratado chamado Saint-Clair-sur-Epte. Assim, pôs-se fim a várias décadas de agitação violenta e constituiu-se o ato fundador do futuro ducado da Normandia.

FONTE: National Geographic France

Este artigo foi publicado originalmente na revista National Geographic: History and Civilizations. O ducado da Normandia não nasceu, como é tradição, em 911, data do tratado de Saint-Clairsur-Epte. Sua fundação resulta de um processo longo e complexo, conhecido graças a Dudon, um cânone de Saint-Quentin que compôs a História Normannorum entre 994 e 1015. Desse testemunho histórico, emerge uma personagem central e ainda enigmática: o chefe viking Rollo. Diz-se que Rollo foi da atual Escandinávia. De acordo com as sagas islandesas, escritas no final do Século XIII por Snorri Sturluson, notadamente a saga do Rei Harald, Cabelos Bonitos, Rollo é Rolf Ganger, filho de Rögnvald, Jarl da região de Möre; Segundo informações, Rolf foi banido da Noruega por saquear o coração do reino, transgredindo as ordens do Rei Harald. Dudon e as sagas, portanto, fazem de Rollo uma figura de alto escalão, que teria se recusado a submeter-se à autoridade de seu rei, quem na época tentava estabelecer um poder centralizado na Noruega. Diz-se que Rollo permaneceu nas ilhas ao norte da Escócia (Shetland, Orkney ou Hebrides). Então, depois de tentar se estabelecer no norte da Inglaterra, ele decidiu atravessar rapidamente o continente, no país de Walgres, localizado na foz dos rios Reno e Meuse. Ele teria chegado à baía do Sena por volta de 876 — data dada por Dudon — ou mais provavelmente por volta de 885-886, talvez, na ocasião do grande cerco de Paris, no qual, ainda segundo Dudon, ele teria participado sob a autoridade de Godfried, outro chefe viking. Ele já estava estabelecido em torno de Rouen quando lançou suas duas expedições contra a cidade de Bayeux em 889, depois em 890; foi durante esse segundo cerco que ele capturou e pilhou a cidade. Ele até se apropriou de uma jovem chamada Popa, filha do conde Bérenger II da Neustria, e fez dela sua concubina. Desta união nasceu um filho, Guillaume "Longue Épée", e uma filha, Gerloc, que se casou com Guillaume III Tête d'Étoupe, futuro duque da Aquitânia. Em Rouen, diz-se que Rollo conheceu o arcebispo da cidade, um certo Francon. Diz-se que o último veio ao encontro do chefe viking para lhe dizer que a cidade havia sofrido muitos desastres e que todos os líderes militares, administrativos e religiosos haviam fugido há muito tempo. Ele foi deixado sozinho para proteger um povo indefeso e desamparado. O arcebispo teve, então, a ideia de pedi-lo que garantisse a segurança de Rouen, e Rollo aceitou. Mas, mesmo em um território tranquilo para se estabelecer, com numerosas tropas, ele não desistiu de realizar ataques com pilhagem e destruição do coração da França até Auvergne — toda a Áustria, entre Loire e Seine, sofreu com essas visitas prematuras. De 885 a 911, no entanto, Rollo parece ter percebido que os vikings estavam em uma situação muito diferente da das gerações anteriores. Eles poderiam facilmente ter coletado pilhagem considerável ao saquear ouro e prata dos mosteiros e dos palácios principescos. Porém, depois de um século de tumulto, havia pouco ouro, prata e dinheiro sobrando. Rollo, como os outros líderes de piratas escandinavos da época, pensou em estabelecer-se definitivamente em uma parte dos territórios que controlava, principalmente, porque era impossível retornar ao seu país, de onde havia sido expulso.

FONTE: National Geographic France

Apoie a Livros Vikings, saiba como... Pagãos e cristãos vivendo juntos Esses 25 anos não foram dedicados apenas às operações de pilhagem; seus homens haviam se estabelecido em aldeias e em terras desocupadas, cujos ex-habitantes morreram ou fugiram para lugares mais seguros. Eles, sem dúvida, como seu chefe, encontraram concubinas ou companheiras. Certamente, os vikings estabeleceram relações pacíficas com os nativos e se comprometeram a negociar com eles, em particular, o produto de seus espólios. Assim, durante uma das tréguas do cerco de Paris, descritas por Abbon de Saint-Germain, “os pagãos e os cristãos compartilharam tudo: casa, pão, bebida, estradas, camas; cada um dos dois povos maravilhava-se de misturar-se com o outro. "Além dessa visão poética das coisas, é provável que um tipo de modus vivendi tivesse sido estabelecido entre "pagãos" e "cristãos": a rápida integração dos vikings não pode ser explicada sem um longo período de osmose, durante o qual esses recém-chegados foram capazes de descobrir os costumes dos nativos e entender o funcionamento das instituições francas. Rollo viveu ao lado da cristã Popa, que criou seu herdeiro de acordo com os preceitos da fé católica; essa mulher deve ter sido, para Rollo, uma informante da cultura e civilização carolíngia. O tratado de paz de Saint-Clair-sur-Epte, concluído em 911, só pode ser explicado por um sentimento de exaustão mútua entre os vikings e os francos. Segundo Dudon, os francos, cansados de tantos anos de lutas sem vitórias, teriam incitado o Rei Carlos, o Simples, a conceder um território aos vikings. Além disso, diz-se que os próprios vikings forçaram o seu chefe Rollo a aceitar os termos do tratado. Em louvor à terra da Normandia, destacaram as múltiplas vantagens deste país fértil e arborizado, cheio de animais: "Esta terra, completamente abandonada, desprovida de guerreiros e cujo solo não foi trabalhado pelo arado, há muito tempo oferece árvores de qualidade, é fragmentada pelo curso de rios repletos de várias espécies de peixes, cheia de caça, não ignorando a videira, prova da fertilidade, desde que o solo seja lavrado pela relha do arado . É delimitada, por um lado, pelo mar que provavelmente trará abundância de mercadorias diversas e, por outro, é separada do reino da França por rios que transportam todo tipo de barco de produtos; será de grande fertilidade e vida, desde que muitas pessoas cuidem dela: esta terra nos convirá e ficaremos satisfeitos com ela para torná-la nosso local de estadia". A derrota sofrida por Rollo antes da cidade de Chartres, em 20 de julho de 911, durante a qual ele perdeu várias centenas de homens, foi sem dúvida o elemento que levou à conclusão de um processo já em andamento há muito tempo. O tratado de Saint-Clair-sur-Epte é de fato apresentado como o resultado de uma longa palaver entre o campo dos francos e o dos vikings, de modo que, de acordo com essas trocas, as disposições finais do tratado diferem em muitos pontos das primeiras propostas. Rollo tem um conselheiro de escolha nessa delicada negociação: o arcebispo de Rouen, Francon. É ele quem é o pivô das negociações: ele se reporta ao Rei Charles em suas reuniões com Rollo e dá suas opiniões; ainda é ele quem reporta a Rollo as propostas reais e quem lhe dá preciosas recomendações. Mesmo que esse ponto não faça parte das negociações ou do tratado, a conversão é expressamente aconselhada a Rollo por Francon; poderia ser visto como um incentivo consistente com a vocação missionária de um arcebispo. Todavia, as palavras de Francon são bem diferentes: ele explica que, se Rollo converter-se à fé cristã, "ele poderá viver definitivamente em paz" com os francos e, sobretudo, possuir uma terra "que ninguém ousará tirar dele"; ele pode legitimamente se casar com a filha do rei ou até mesmo fazer amizade com Charles. UM JURAMENTO FEITO SOB AS RELÍQUIAS Os dois exércitos se encontraram nas margens do Epte. Mas, no último momento, houve um golpe dramático: Rollo estabeleceu duas novas condições que o Rei e os francos tiveram que aceitar. Rollo exigiu pela primeira vez terra para saquear, já que o território concedido havia sido devastado e saqueado por muitos anos. Rollo recusou Flandres, que o rei lhe concedeu pela primeira vez, mas aceitou a segunda proposta real: terra britannica, ou seja, as dioceses de Coutances e Avranches, bem como a região de Bessin, localizada a oeste da concessão. Segundo, ele exigiu um juramento de todos os francos (rei, abades, bispos e contadores) sobre relíquias ou objetos sagrados, porque sabia que os francos respeitariam esse juramento melhor do que um simples compromisso com um pagão: "Obrigados por esse juramento, ele e seus sucessores, sustentariam a terra do Epte no mar, em crédito e em plena posse, por todo sempre". Cumpriram-se os novos requisitos do chefe viking, mas não sabe-se se o episódio durante o qual Rollo recusou-se a beijar o pé do rei para agradecê-lo e enviou um de seus homens para realizar esse rito, pertence à lenda ou ao povo. O certo é que não podemos duvidar da realidade desse tratado: hoje mantemos uma carta de março de 918, na qual o rei dos francos reconhece que não pode dar ao Abadia de Saint-Germain-des-Prés, a parte das terras da abadia de Croix-Saint-Leufroy", que concedeu aos normandos do Sena, ou seja, Rollo e seus homens, por salvaguardarem o reino”. Esse dever de Rollo de proteger o reino, bloqueando o caminho para outras hordas vikings, não é expressamente mencionado no tratado, entretanto, Rollo foi obrigado a responder aos chamados do rei, se necessários. Como conde de Rouen, Rollo não é, portanto, nem pirata nem fora da lei; ele agora é reconhecido como um lorde do reino da França. Ele detém todos os poderes soberanos: o Rei da França não tem mais direitos sobre suas terras e a proteção da Igreja está sob sua única autoridade. O território normando, cujas fronteiras coincidem aproximadamente com o curso de Bresle ao norte, Epte ao leste e Avre ao sul, é constituído pelas dioceses de Rouen, Évreux e Lisieux. Para o oeste, a fronteira ocidental é menos marcada; Dudon indica apenas que o poder de Rollo inicia-se onde a Terra Britannica começa. Após o tratado, Rollo enfrentou vários desafios. O primeiro foi a integração de seus vikings na civilização ocidental. Embora essa mudança não tenha sido tão fácil e rápida como sugere Dudon, permaneceu o fato de que em uma única geração, os vikings adotaram a linguagem e os costumes dos francos, assim como a fé cristã. Já em 912, Rollo foi batizado pelo arcebispo de Rouen e, ao deixar as águas batismais, chamou a si mesmo de "Robert", em homenagem a seu padrinho, o duque da Neustria. O texto de Dudon sugere ainda, que foi por um ato de autoridade de seu líder que seus companheiros foram batizados por sua vez e depois concordaram em ser instruídos na fé cristã. Nos dias seguintes, Rollo fez doações consideráveis para as catedrais e mosteiros localizados no território concedido (catedrais de Rouen e Évreux, mosteiros de Jumièges e Saint-Ouen de Rouen) e em terras onde não o fez nenhuma autoridade (catedral de Bayeux, mosteiro Mont-Saint-Michel, abadia de Saint-Denis). Para fazer essas escolhas, Rollo seguiu fielmente o conselho do arcebispo de Rouen. Se o abandono dos ritos pagãos foi difícil, a adoção da língua e dos costumes dos francos era mais fácil. Vários fatores favoreceram essa integração. Os vikings viveram por quase 30 anos em solo neustriano e necessariamente adquiriram as bases linguísticas essenciais para uma vida em sociedade com os nativos: a grande maioria deles abandonou a língua nórdica, falada na Escandinávia, para se expressar em Norman-Picard, um dos dialetos da língua francesa falados ao norte do Loire. Além disso, a maioria deles vivia na companhia de concubinas nativas, que criavam em seu idioma, tradições e crenças aos filhos nascidos dessas uniões. A paz estabelecida pelo tratado 911 reforçou essas tendências naturais de integração. O antigo fora da lei defendendo a ordem Ao assumir o poder, Rollo, que era um causador de problemas e inseguro por muitos anos, teve que impor a paz pública em assuntos de diversas origens e culturas. Os vikings que eram companheiros de Rollo agora se enfrentavam, mas também outros vikings estabelecidos antes de sua chegada, os ingleses que alistaram-se voluntariamente ou à força de Rollo durante sua passagem na Inglaterra para poderem ter um exército grande o suficiente, os francos nativos (camponeses, artesãos, marinheiros, comerciantes) que sobreviveram aoestabelecerem contatos mais ou menos efêmeros com os vikings, estrangeiros atraídos pela paz finalmente restaurada em uma rica região agrícola. Entre as grandes famílias normandas dos Séculos X e XI, há muitas pessoas da Bretanha, Anjou, Flandres, França e Borgonha. A primeira tarefa de Rollo foi doar terras das quais todos pudessem ganhar a vida. Segundo Dudon, ele "mediu a terra e a distribuiu entre seus fiéis, marcando-as com uma linha". Esta operação cadastral só poderia dizer respeito a terras desocupadas, devido ao “voo” dos aristocratas francos e da maioria dos monges, geralmente dotados de imensos domínios. Essa distribuição com o cordão é um costume nórdico que distingue o terreno construído e as terras a serem cultivadas. Dudon discutiu mais detalhadamente as leis e os direitos que Rollo impôs com o consentimento dos grandes nomes de seu condado. Os exemplos que Dudon retém, dizem respeito a roubos e brigadas: como um príncipe carolíngio, Rollo proclamara a proibição de todo o território sujeito à sua autoridade. Proíbe notavelmente o retorno dos elementos de ferro do arado, bem como dos animais de tração, para suas casas: sua segurança é garantida pela "paz do duque", frequentemente descrita como "paz do arado". Qualquer infrator pode ser punido com a morte. De 911 a 927, Rollo exerceu seus poderes como um conde franco, continuando, ao que parece, suas atividades como chefe de clã. Em 922, quando os grandes territórios do reino franco substituíram Carlos, o Simples, por Robert de Neustrie, o mesmo homem que havia sido o padrinho de Rollo em 912, Rollo se recusou a participar da trama e permaneceu leal a Carlos, com quem ele havia concluído o Tratado de Saint-Clair-sur-Epte. Robert morreu no ano seguinte e foi substituído por Raoul, conde da Borgonha, que ameaçou a Normandia; é, ao que parece, por ele ter se juntado ao novo Rei que Rollo recebeu, em 924, as duas dioceses de Bayeux e Sées. Tendo envelhecido, incapaz de andar a cavalo, Rollo fez do filho de Popa seu herdeiro e o reconheceu por todos os grandes homens do condado: Guillaume Longue Épée sucedeu seu pai por volta de 927. Rollo morreu por volta de 932; ele foi enterrado na catedral de Rouen. Durante a dedicação da catedral românica em 1063 pelo arcebispo Maurille, a tumba foi movida e, nessa ocasião, o arcebispo tinha uma epita phe gravada em letras douradas começando da seguinte forma: "Duque dos normandos, terror de seus inimigos, escudo de seu povo, Rollo está dentro deste túmulo sob esta inscrição". FONTE: National Geographic France BOUET, Pierre. Vikings: des raids au duché de Normandie. National Geographic France. Paris, 24 de mar. de 2020. Disponível em: <https://www.nationalgeographic.fr/histoire/2020/03/vikings-des-raids-au-duche-de-normandie>. Acesso em: 24 de mar. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings) Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais. #viking #vikings #eraviking #medieval #normandia #normandos #frança #vikingsnafrança #livrosvikings

114 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0