• Livros Vikings

OS NOMES DOS LUGARES DESCREVEM A ESCANDINÁVIA DA IDADE DO FERRO E DA ERA VIKING

De vez em quando, os pesquisadores têm a sorte de experimentar um momento Eureka — quando uma série de fatos de repente se cristaliza em um padrão totalmente novo.



Foi exatamente o que aconteceu com Birgit Maixner, do Museu da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), quando ela começou a examinar artefatos e nomes de lugares.


Maixner estava catalogando os achados do detector de metais no sudeste da Noruega quando teve esse momento "ah-ha".


"A ideia veio à minha mente, enquanto eu trabalhava com os achados arqueológicos de três lugares diferentes com o mesmo nome: Sem em Hokksund, Sem em Tønsberg e Sem em Nøtterøy", disse Maixner, professora associada do Departamento de Arqueologia do museu e história cultural.


“Nomes de lugares são como fósseis na paisagem. Eles nos contam as histórias sobre o passado — se soubermos interpretá-los”.


Sem é uma variação modernizada do antigo nome de lugar nórdico Sæheimr. Fragmentos desse tradicional nome de local podem ser encontrados em toda a Escandinávia: Særheim, Sæheim, Säm, Semb, Sem, Seim, Seime, Seem, Siem, Siim, Sim, Seam e Säm são nomes derivados de Sæheimr.


Tradicionalmente, esses nomes foram interpretados para significar simplesmente “o assentamento à beira-mar” - = mar + -heim = assentamento por. No entanto, quando Maixner olhou para os achados do detector de metais de três locais diferentes chamados Sem, ela ficou convencida de que o nome continha muito mais do que apenas uma descrição geográfica da paisagem.


Apoie a Livros Vikings, saiba como...


"Não eram apenas os nomes que eram semelhantes, as descobertas do detector de metais também eram do mesmo tipo. Todos os locais tiveram descobertas que indicavam comércio e produção — por exemplo, moedas, pesos e resíduos de produção”, disse Maixner.


“De repente, me ocorreu que Sæheimr pode ter sido um nome de lugar estereotipado, referente aos mercados marítimos da Idade do Ferro. Depois disso, eu tive que fazer uma tremenda quantidade de trabalhos para provar que a minha teoria tinha algo ao seu favor”, disse Maixner.


Perto de centros de poder

Os linguistas acreditam que os nomes dos lugares que terminam em -heim ou -hem estão entre os mais antigos da Escandinávia e datam principalmente da Idade do Ferro Romana (de 0 a 400 d.C.) e do Período de Migração (cerca de 400-550 d.C.).


Os pesquisadores sabiam que o nome Sæheimr estava ligado aos centros de poder. As sagas falam de duas mansões reais norueguesas chamadas Sæheimr. Uma estava em Alver, no oeste da Noruega — hoje conhecida como Seim — e o outra em Sem, em Tønsberg, no leste da Noruega.


“Ainda assim, ninguém havia feito uma pesquisa mais detalhada dos lugares com nomes derivados de Sæheimr, para ver se o nome tinha um significado além da geografia”, explica Maixners.


Para testar sua teoria, Maixner reuniu variantes de Sæheimr de toda a Escandinávia. Ela encontrou 54 nomes no total — de Ribe, no sul da Dinamarca, a Grong, no centro da Noruega. O nome foi o mais prevalente na Noruega, e todos os nomes — exceto um — estão em uso hoje. Maixner então verificou se havia registros arqueológicos desses lugares.


"Descobri que muitos locais de Sæheimr estavam localizados perto de regiões centrais conhecidos da Idade do Ferro, ou centros com funções políticas, administrativas e religiosas", disse Maixner.


Faça parte do livro Mitologia Nórdica: uma coletânea de contos contemporâneos, saiba mais...


Topografia semelhante

A elevação da terra e o impacto humano mudaram bastante o cenário da Escandinávia nos últimos 2000 anos. No entanto, quando Maixner se atentou a essas mudanças, ela descobriu que os 54 sites tinham uma topografia surpreendentemente semelhante.


“Nenhum dos lugares está localizado na costa aberta. Em vez disso, eles estão situados em posições abrigadas perto de sistemas fluviais de grande importância estratégica —

geralmente em uma colina e na saída de um lago. Se o nome tivesse acabado de se referir a um acordo arbitrário por qualquer mar, eu esperaria que o uso fosse mais difundido, com maior variação geográfica”, diz Maixner.


De acordo com Maixner, isso dá suporte à teoria que ela desenvolveu quando catalogou as descobertas de detectores de metais de Sem, Sem e Sem.


“Tudo sugere que Sæheimr foi um conceito pan-escandinavo específico que se refere a um local comercial acessível por barco. A distância entre um local de Sæheimr e seu centro assumido é normalmente de 1 a 5 km. A necessidade de proteção foi grande na Idade do Ferro, razão pela qual o centro geralmente estava localizado em uma posição protegida no interior”, diz Maixner.


“Sabemos que tem havido muitos pontos em comum na sociedade da Escandinávia, por exemplo, religião e cultura material. Ainda assim, considerando as distâncias, é muito fascinante que as pessoas em toda a Escandinávia tenham atribuído o mesmo nome aos locais de desembarque com funções de mercado, com base em um conjunto de critérios. Por todas as contas, esse era um conceito amplamente conhecido. Isso mostra que a comunicação na Escandinávia era boa, mesmo em uma sociedade que na maioria das vezes não escrevia as coisas”, disse Maixner.


Esse raro anel dos tempos romanos foi encontrado em Sem, fora de Verdal. Foto: NTNU University Museum

Nomes de lugares são como fósseis

O material arqueológico que Maixner examinou sugere que Sæheimr surgiu como um nome de lugar no início da Idade do Ferro, que corresponde à datação do nome pelos linguistas. Não parece que o novo Sæheimr tenha surgido após esse período. Ainda assim, vários lugares mantiveram sua função como local de comércio durante toda a Era Viking e, em parte, até mesmo no início da Idade Média.


“Esse namoro é extremamente empolgante, já que, há alguns anos, mal conhecíamos os mercados do início da Idade do Ferro na Noruega. Nomes como Kaupang, Lahelle e Laberg são usados em associação com locais comerciais da Era Viking e da Idade Média, mas perdemos a mesma informação nos períodos anteriores. Isso significa que o nome do local pode ser uma ferramenta importante à arqueologia”, diz Maixner.


Maixner diz que gostaria de testar sua teoria através de investigações arqueológicas.


“Temos vários candidatos promissores no centro da Noruega que eu gostaria de examinar mais de perto. É fácil imaginar que Sem em Verdal e Sem por Leksdalsvatnet, por exemplo, poderiam estar negociando locais associados à rica sociedade da Idade do Ferro que já existia nessa região”, disse ela.


Ela acrescenta que isso também demonstra que existe um grande potencial inexplorado para pesquisas interdisciplinares entre arqueologia, linguística e o estudo de nomes de lugares.


“Infelizmente, houve uma queda dramática nos últimos anos no número de ambientes acadêmicos estudando nomes de lugares, e apenas alguns pesquisadores permanecem neste campo na Noruega. É uma pena ver a quantidade de informações que os nomes dos locais contêm. De muitas maneiras, são como fósseis na paisagem. Eles nos contam as histórias sobre o passado — se soubermos interpretá-las”, diz Maixner.


Há muitos lugares chamados Sem… ou Seim ou Seem ou Siem. O mapa mostra os nomes dos lugares * Sæheimr, Sätuna e Simtuna na Escandinávia (Dados básicos: Birgit Maixner, ilustração: Magnar Mojaren Gran)

Resultados convincentes

“O que Maixner fez aqui é interessante. Ela estudou se é possível encontrar características arqueológicas comuns por trás da criação dos nomes de lugares. Isso nunca foi feito dessa maneira antes e os resultados são bastante surpreendentes”, diz Peder Gammeltoft, da Universidade de Bergen.


Gammeltoft é bibliotecário acadêmico sênior e gerente científico das coleções de idiomas norueguesas da universidade e estudou nomes de lugares nas colônias vikings.


"O uso do nome Sæheimr pode aparentemente estar conectado a um centro de poder, sem o próprio nome se referir a poder, hierarquia ou algo semelhante", disse Gammeltoft.


Isso significa que Maixner encontrou evidências de que certas funções sociais da sociedade da Idade do Ferro foram nomeadas com base em um modelo não explícito, e não no nome diretamente referente à função do site, disse ele.


“Isso é muito emocionante. Ainda assim, precisamos estar cientes de que essa é uma reconstrução teórica do passado. Não podemos ter certeza de que foi exatamente assim, mas os resultados parecem convincentes”, afirmou.


FONTE: Heritage Daily

PLACE names describe Scandinavia in the Iron and Viking Ages. Heritage Daily. Londres, 19 de mar. de 2020. Disponível em: < https://www.heritagedaily.com/2020/03/place-names-describe-scandinavia-in-the-iron-and-viking-ages/126610 >. Acesso em: 19 de mar. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #escandinávia #noruega #suécia #dinamarca #livrosvikings

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0