top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Seja um Patrono Livros Vikings

Quem eram os normandos? Os descendentes dos vikings?

Atualizado: 27 de mar. de 2023

Como um grupo de escandinavos itinerantes conseguiu dominar áreas da Europa por mais de dois séculos? Neste artigo, abordaremos os principais aspectos sobre as origens dos normandos e a sua influência duradoura.


Quem eram os Normandos? Os descendentes dos vikings?
Batalha de Hastings. — Crédito da Imagem: Historic England Archive/Getty Images

Os normandos eram os mais violentos arrivistas oportunistas de sua época: vikings que se estabeleceram na Normandia e se tornaram franceses antes de conquistar a Inglaterra e depois virarem ingleses.


De origens escandinavas obscuras, os normandos confiaram em sua proficiência militar — e crueldade — para dominar as instituições e as elites europeias, assimilando culturas, ideias e sistemas políticos inteiros em busca de sua glória. Cavaleiros e generais normandos ocuparam áreas desde as planícies da Escócia até os desertos do Oriente, mergulhando no meio de conflitos e aproveitando as oportunidades que surgiam. Eles também deixaram algumas das mais notáveis ​​arquiteturas eclesiásticas e militares do período, um relato de sua “autopiedade” e importância.


Indice:


De onde vieram os normandos?

As pessoas que se tornaram normandas irromperam na cena histórica no violento e tempestuoso final do Século IX. Naquela época, o Norte da Europa estava cercado por um ‘Grande Exército’ de dinamarqueses, cujas várias divisões chegaram perto de conquistar toda a Inglaterra, além de causar estragos no norte da França.


Publique seu livro pela Livros Vikings Editora

Mais ou menos na mesma época, um grupo de ‘Northmen’ começou a se estabelecer em torno da foz do Rio Sena. De onde eles vieram não é claro. As fontes do período são pobres e os historiadores medievais posteriores tinham opiniões diferentes — alguns pensavam que Rollo (também conhecido como Hrólf), seu líder, era dinamarquês, outros que era norueguês. Ele está cercado por várias lendas, incluindo a declaração espetacular encontrada em sagas islandesas posteriores de que ele era conhecido como 'Hrólf, o Andarilho' (Ganger-Hrólf) porque era tão grande que nenhum cavalo poderia carregá-lo.


Por volta de 911, o Rei Carlos III ("o Simples") da Frância Ocidental (um dos primeiros precursores da França) assinou um tratado com Rollo: Carlos reconheceu o direito dos nórdicos de permanecerem em seu reino, e como contrapartida, eles reconheceram seu direito de ser rei. É provável que Carlos não tivesse muita escolha e que distúrbios em outras partes de seu reino significassem que ele precisava comprar um pouco de paz. No entanto, o que Carlos conseguiu extrair da situação foi a aceitação dos normandos de que — embora nominalmente — este era seu território e que, se quisessem viver em paz, teriam que se tornar cristãos.


Leia também o artigo "Vikings: invasões ao ducado da Normandia" para saber mais sobre o assunto.


Um século depois, o historiador normando Dudo de Saint-Quentin escreveu que quando Rollo foi convidado a beijar o pé do Rei Carlos em sujeição, ele recusou e, em vez disso, disse a um de seus homens que o fizesse por ele. “O homem imediatamente agarrou o pé do rei e levou-o à boca, beijando-o, enquanto ele permanecia de pé, deitando o rei de costas”, relatou Dudo. Esta pode muito bem ser uma história apócrifa — mas, mesmo que seja, ela nos conta algo sobre como os normandos viam o tratado e seu lugar dentro do reino francês. Eles eram vassalos apenas no nome.


No entanto, ao aceitar as condições do rei e permanecer na França, os normandos se permitiram mudar. Como disse o historiador Simon Coupland: “Os vikings se tornaram normandos, os pagãos se tornaram cristãos e, assim, aos olhos de seus contemporâneos, os bárbaros se juntaram à civilização”. Os normandos haviam chegado.


Por que os normandos invadiram a Inglaterra?

É improvável que Carlos, o Simples, previsse que os normandos estivessem atacando as regiões setentrionais do seu reino 150 anos depois de tê-los comprado.


Ele quase certamente viu seu tratado como uma chance de ganhar tempo, enquanto apagava incêndios em outros lugares. Como ele estava errado. Em 1066, o tataraneto de Rollo, o duque Guilherme ('o Bastardo'), se tornaria um dos homens mais famosos dos tempos medievais, na verdade, um dos homens mais famosos de toda a história, ao lançar uma invasão bem-sucedida à Inglaterra.


Aprenda sobre os vikings, lendo uma das obras da Livraria Especializada Livros Vikings

As causas da conquista normanda não são fáceis de decifrar. William era parente do Rei Eduardo, o Confessor (cuja morte precipitou a invasão), embora não da maneira mais direta. A mãe de Eduardo, Emma, ​​era filha do duque Ricardo da Normandia ("o Destemido"), bisavô de Guilherme. O rei Æthelred, o despreparado da Inglaterra, casou-se com Emma na tentativa de impedir que a Normandia fosse usada como base para os exércitos vikings que atacavam a Inglaterra — mas, embora seu filho, Eduardo, tivesse sangue normando em suas veias, nenhum sangue inglês corria através de William.


William argumentaria que Eduardo, o Confessor, havia prometido a ele o trono e que Harold Godwinson (o contendor inglês) havia feito o mesmo enquanto estava na Normandia em 1064; de fato, uma cena famosa na Tapeçaria de Bayeux mostra Harold jurando sobre relíquias sagradas que apoiaria a reivindicação de William. Por outro lado, Harold diria que Edward, em seu leito de morte, deu seu reino ao inglês.


O problema com essas histórias é que a coroa inglesa não era algo que o titular pudesse simplesmente conceder ao seu favorito. Os direitos sobre a Inglaterra, desde o surgimento do Reino Unido no Século X, passavam para os parentes imediatos do rei falecido — exceto apenas quando era conquistado pelos dinamarqueses. Eduardo pode não ter tido filhos, mas havia um herdeiro legítimo: Edgar, o Ætheling, neto do Rei Edmund II, para quem a coroa deveria ter passado. No entanto, a pouca idade de Edgar — ele provavelmente tinha 15 anos — provavelmente encorajou nobres ambiciosos a rondá-lo.


Independentemente das promessas feitas, William viu sua oportunidade de progredir de duque de um mero promontório no norte da França para rei de um dos reinos mais ricos do norte da Europa. Inspirado, sem dúvida, pelo sucesso do Rei Cnut apenas 50 anos antes, ele reuniu um grande exército de nobres e mercenários e montou uma invasão que acabaria por ter enormes ramificações na história mundial.


Que impacto os normandos tiveram nas outras partes das Ilhas Britânicas?

A batalha de Hastings é um dos divisores de águas históricos mais dramáticos. O regime anglo-saxão foi totalmente derrotado, grande parte de sua nobreza foi morta e seus sobreviventes deslocados pelas maquinações do Conquistador. Ao longo do próximo século e mais, os tremores secundários de sua vitória se espalharam muito além da Inglaterra para a Escócia, País de Gales e Irlanda.


A Escócia nunca foi conquistada, mas a influência normanda foi sentida de forma profunda. Os filhos mais novos das famílias anglo-normandas encontraram na Escócia um lugar onde suas habilidades eram apreciadas. David I da Escócia (1124–1153), que passou a juventude na Inglaterra e tinha o título de Conde de Huntingdon por meio do casamento, levou consigo as experiências inglesas para o norte quando se tornou rei. Ele criou senhorios devido aos serviços feudais fora do domínio real, que ele então deu aos anglo-normandos ansiosos para cumprir suas ordens. Sua influência efetuou mudanças profundas na natureza e no caráter da política escocesa e do governo.


Os galeses e os ingleses mantiveram um relacionamento turbulento por mais de 600 anos antes da conquista; embora o País de Gales mantivesse seus próprios príncipes e reis, eles frequentemente aceitavam a soberania dos reis ingleses. Nos anos difíceis que se seguiram a Hastings, William precisou proteger seu flanco ocidental e impedir o tipo de incursões pelas quais os galeses eram famosos.


Para fazer isso, ele estabeleceu senhores marchadores em Chester, Shrewsbury e Hereford, que agiam quase como pequenos reis, com seus próprios tribunais e chancelarias, bem como sua própria licença para guerrear contra os galeses. Aos poucos, os reis normandos e seus subordinados subjugaram o País de Gales, construindo castelos, permitindo que seu próprio povo estabelecesse as terras baixas do Sul e colocando-o sob o domínio dos reis da Inglaterra. No entanto, o fato de que essa conquista levou 200 anos é uma prova da resistência que eles enfrentaram.


O envolvimento normando na Irlanda começou com esses mesmos guerreiros de agente livre. Em 1166 Dermot MacMurrough, Rei de Leinster, foi privado de seu trono e procurou a ajuda do rei anglo-normando Henrique II . Henrique estava muito ocupado para ajudar, mas Dermot finalmente encontrou o apoio do conde de Pembroke, conhecido como 'Strongbow'. Strongbow capturou Wexford, Waterford e Dublin; quando Dermot morreu em 1171, Strongbow tentou reivindicar a realeza para si mesmo. Henrique II, preocupado com o crescimento do poder de Strongbow, levou uma enorme força para a Irlanda, obrigando os senhores da guerra normandos a entregarem a ele seus territórios conquistados. Ao fazer isso, ele se tornou o primeiro Rei da Inglaterra a pisar em solo irlandês, e assim começaram as reivindicações do reino inglês por terras na Irlanda.


Como os normandos se envolveram no Mediterrâneo?

Os escandinavos do início da Idade Média eram nada menos que aventureiros. Seus caminhos marítimos os levaram à Islândia, Groenlândia e América do Norte, e sua busca por ouro e emoção os levoram pelos grandes rios do oeste da Rússia até o Mar Negro e Constantinopla. Mesmo depois de se tornarem afrancesados, os normandos mantiveram algo desse espírito.


No início do Século XI, os exilados normandos ficaram presos nas complexidades da política do sul da Itália. No Mezzogiorno (aproximadamente, em todos os lugares ao sul de Nápoles), os lombardos e os bizantinos travavam duras batalhas entre si, enquanto os sarracenos, fortemente divididos entre si, ocupavam a Sicília. Era, em suma, uma terra de oportunidades sangrentas.


Uma família que se saiu muito bem nesse clima político foi a de Tancred de Hauteville (980–1041), um senhor normando menor, cujas propriedades eram muito modestas para sustentar as necessidades de seus 12 filhos. Vários de seus descendentes alcançaram sucesso no sul, notadamente Roberto Guiscardo ('o Astuto'), que se tornou Duque da Apúlia, Calábria e, finalmente, através da conquista, da Sicília. A princesa bizantina e historiadora Anna Comnena lembrava-se dele como tendo:


Um caráter autoritário e uma mente completamente vil... Ele era um homem de imensa estatura... tez avermelhada, cabelos claros, ombros largos, olhos que quase lançavam fogo.

As escapadas de Guiscard, por mais impressionantes que fossem, empalideciam em comparação com as grandes empreitadas da Primeira Cruzada, na qual os normandos eram as estrelas principais. Diz-se que Robert Curthose, filho mais velho de Guilherme, o Conquistador, recebeu (mas recusou) a coroa de Jerusalém após sua captura. Arnulf de Chocques, ex-capelão do duque normando, se viu responsável pela reconstrução das estruturas da igreja cristã na Terra Santa. As crônicas enfatizam repetidamente a importância da contribuição normanda; a Primeira Cruzada claramente tinha uma espinha dorsal normanda.


Clique aqui e conheça história de Robert D'aguiló, o Príncipe Viking de Tarragona e Catalunha.


Talvez a maior de todas as imagens da ascendência normanda, no entanto, veio com a Terceira Cruzada. Ricardo Coração de Leão – Rei da Inglaterra, Duque da Normandia e Aquitânia, Conde de Poitiers, Anjou, Maine, Nantes e Bretanha — ocupou a Sicília, conquistou Chipre e, como líder da cruzada, negociou com Saladino. O descendente de um pequeno ducado no norte da França tornou-se o igual negociador do grande sultão da Síria e do Egito.


Cena dos cavaleiros em batalha, detalhe da tapeçaria de Bayeux ou a Tapeçaria da Rainha Matilda, França, Século XI.
Cena dos cavaleiros em batalha, detalhe da tapeçaria de Bayeux ou a Tapeçaria da Rainha Matilda, França, Século XI

Qual foi o legado dos normandos?

Ainda vivemos com o legado da Conquista — principalmente na forma como falamos. A fusão do inglês antigo e do francês normando no inglês médio e moderno é um lembrete contínuo de como duas culturas se casaram, nas décadas que se seguiram à Conquista. A distinção entre a linguagem senhorial do castelo e a linguagem terrena do campo pode ser ouvida na diferença entre ‘pork’ e ‘pig’, ‘mutton’ e ‘sheep’, ‘beef’ e ‘cow’ — os primeiros todos derivados do francês antigo, este último do inglês antigo.


No entanto, talvez o legado visual mais óbvio que os normandos deixaram tenha sido sua arquitetura. Sua marca particular de românico, com seus arcos e arcadas semicirculares sólidas, mas graciosas, que são encontradas não apenas na Normandia, mas também em toda a Inglaterra — graças ao abrangente programa pós-conquista dos normandos de reconstrução de igrejas — também em seus territórios no Mediterrâneo.


Onde quer que eles se estabelecessem, os normandos presenteavam com a sua arquitetura à posteridade — e é assim que ainda se pode ver algo de suas realizações e ambições em edifícios tão distantes quanto a grande catedral de Durham, a abadia de Saint-Étienne em Caen, a basílica de São Nicolau em Bari e a Catedral de Cefalù na Sicília. “Olhe para minhas obras, poderosos”, eles parecem dizer, “e desesperem-se”.


FONTE: History Extra

BURGHART, Alex. Who were the Normans? History Extra. Londres, 12 de dez. de 2022. Disponível em: <https://www.historyextra.com/period/norman/who-normans-origins-why-invade-england-legacy/>. Acesso em: 12 de dez. de 2022. (Livremente traduzido e adaptado em 2022)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Livros Vikings na Google News
bottom of page