top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Seja um Patrono Livros Vikings

Os vikings e a “construção” da Inglaterra: uma narrativa de integração e negociação

A história da formação da Inglaterra frequentemente é pintada como um campo de batalha entre ingleses e vikings, marcado por saques, combates e conquistas

 

Livros Vikings | Os vikings e a “construção” da Inglaterra: uma narrativa de integração e negociação
Rei Alfredo, o Grande, instigando os anglo-saxões a repelirem a invasão dos vikings (dinamarqueses). Biblioteca de Imagens Niday/Alamy.

Dentre os diversos reinos ingleses, somente Wessex, situado no sudoeste da Inglaterra e liderado por Ælfrēd þæt Grēate (Alfredo, o Grande), conseguiu deter um grande exército viking nos anos 870 d.C.

 

O neto de Alfred, Æþelstan (Athelstan), assegurou o destino da Inglaterra ao vencer a Batalha de Brunanburh contra uma coalizão de vikings e escoceses em 937.

 

Embora a narrativa de "reis e batalhas" seja comum, ela é distorcida pela propaganda medieval, pois as histórias moldam percepções de conflitos modernos e identidades.


Realize o seu sonho e publique seu livro de graça pela Livros Vikings Editora.

 

Uma parte menos conhecida da formação da Inglaterra é que isso exigiu a supressão de reinos independentes anteriores à Era Viking.

 

Uma leitura atenta da Crônica Anglo-Saxônica — principal fonte da história inglesa nesse período —, por exemplo, sugere que integração e negociação foram mais relevantes na formação da Inglaterra do que batalhas e derramamento de sangue.

 

A criação da Inglaterra pode ser vista não apenas como um simples conflito étnico entre ingleses e vikings, mas como uma busca de poder por Wessex, disfarçada de esforço para salvar as pessoas da opressão "estrangeira".

 

Há evidências de que as pessoas na época viam os eventos mais em termos de identidades regionais do que binários étnicos. No entanto, as principais fontes escritas sobreviventes, como a Crônica Anglo-Saxônica, foram compostas sob a influência de Wessex, proporcionando uma visão unilateral.

 

A “colonização” viking e as complexas identidades étnicas

Do reinado de Ælfrēd a Æþelstan, o poder de Wessex gradualmente se estendeu sobre os antigos reinos de Mércia (aproximadamente os atuais Midlands), Ânglia Oriental e Nortúmbria, colonizados por vikings a partir da década de 860.

 

Os nomes regionais "Nortúmbria" e "Ânglia Oriental" são usados na Crônica Anglo-Saxônica para descrever exércitos liderados por vikings desde a década de 890.

 

Isso sugere que, algumas décadas após a colonização viking, eles eram identificados pelas áreas inglesas em que viviam.


 

Esses exércitos regionais presumivelmente reuniam locais e recém-chegados, indicando uma assimilação e o surgimento de uma nova cultura anglo-escandinava nas áreas sob seu controle.

 

A identidade inglesa não era uma barreira para liderar vikings e vice-versa. Isso é ilustrado após a morte de Alfred, quando o domínio de seu filho Edward foi contestado por um primo, Æthelwold, que liderou exércitos combinados, incluindo vikings, mas teve sua rebelião esmagada.

 

Em 918, o Registro de Mércia relata que os líderes vikings de Iorque estavam dispostos a prestar obediência a Æthelflæd, líder da Mércia inglesa, pouco antes de sua morte.

 

Quando Edward assumiu o controle da Mércia da filha de Æthelflæd, pode ter provocado descontentamento, com uma rebelião contra ele relatada no final de seu reinado.

 

Isso não era tanto um conflito étnico quanto a relutância de reinos independentes em se unir sob a linhagem masculina de Ælfrēd þæt Grēate.

 

No Século IX, a palavra "Angelcynn" (literalmente "parentes anglos") aparece em documentos como equivalente a "gens Anglorum" (em latim, "povo que fala inglês").

 

O nome foi promovido durante a Era Viking como um rótulo unificador para os povos de Wessex e Mércia.

 

A rotulação étnica era importante para legitimar novas estruturas de poder e gerar um senso de lealdade. A "inglêsidade" era uma identidade na qual as pessoas podiam se inserir, mesmo com herança escandinava.

 

A Crônica Anglo-Saxônica vinculou a genealogia dos governantes de Wessex à linhagem real dinamarquesa, legitimando o domínio inglês sobre áreas vikings e desenvolvendo um senso de história compartilhada.


Livros Vikings | Alfredo, o Grande, apoiando Gunnar e alguns de seus seguidores em seus batismos como cristãos após a derrota na Batalha de Edington. Coleção de Arte Topográfica do Conselho Municipal de Winchester.
Alfredo, o Grande, apoiando Gunnar e alguns de seus seguidores em seus batismos como cristãos após a derrota na Batalha de Edington. Coleção de Arte Topográfica do Conselho Municipal de Winchester.

Forjando uma nova identidade inglesa

Tradicionalmente, a história é vista como moldada por conflitos decisivos. No entanto, a Inglaterra foi forjada mais na mesa de negociações do que no campo de batalha.


Livros Vikings | Alfredo, o Grande. National Trust Images, CC BY-NC
Alfredo, o Grande. National Trust Images, CC BY-NC

Em relação a Ælfrēd þæt Grēate, de Wessex, e seus sucessores na criação de um reino inglês, os conflitos mais críticos são vistos como Edington (878) e Brunanburh (937).

 

Edington foi uma vitória significativa para Ælfrēd, pois trouxe o líder viking Gunnar para um acordo que incluía seu batismo.

 

Em vez de ser forçado, o batismo de Gunnar pode ter servido a uma agenda de construir laços com a igreja em seu novo reino. Gunnar continuou a governar Ânglia Oriental até sua morte em 890.

 

Brunanburh é às vezes aclamada como uma das maiores vitórias inglesas, já que Æþelstan liderou os homens de Wessex e Mércia à vitória contra uma coalizão de vikings, escoceses e britânicos.

 

No entanto, a batalha está longe de ser decisiva. Dois anos após a morte de Æþelstan, a Nortúmbria voltou ao controle viking. Foi a expulsão do último rei viking, Erik, pelos nortumbrianos em 954 e a aceitação do rei de Wessex, Ēadrǣd, que marcou um capítulo final na unificação da Inglaterra.

 

De 878 a 954, a Crônica Anglo-Saxônica registrou muitas batalhas, mas também muitos tratados de paz e submissões.


 

Os tratados de paz eram frequentemente efêmeros, mas eram importantes para limitar o derramamento de sangue e manter linhas de comunicação entre grupos rivais.

 

Somente quando as fronteiras do reino inglês foram ampliadas com sucesso (um processo não linear que ocorreu de 927 a 954) é que diplomas reais começaram a usar termos pejorativos, como "bárbaro", para descrever não-ingleses, incluindo costumes vikings, para promover a conformidade.

 

A partir de 980, uma nova onda de ataques escandinavos abalou a Inglaterra, culminando no reinado de um rei escandinavo, Knútr (Cnut ou Canuto).

 

Isso ameaçou a linhagem de Wessex sob o Rei Æþelrǣd, e, à medida que ele começava a perder o controle, o bode expiatório étnico dos dinamarqueses se tornou uma nova tática na tentativa de unir seus súditos. Em 1002...

 

O rei ordenou que fossem mortos todos os homens dinamarqueses que estavam na Inglaterra... No Dia de São Brício (13 de novembro) porque foi revelado ao rei que eles traiçoeiramente queriam privá-lo e depois a todos os seus conselheiros de vida e possuir este reino depois disso.

 

Exceto por alguns exemplos notáveis, como um massacre registrado em Oxford, a ordem não parece ter sido entusiasticamente seguida. O uso da perseguição como arma política falhou.

 

Enquanto os historiadores costumam elogiar as façanhas dos reis e batalhas vitoriosas, o trabalho de criar a Inglaterra foi realizado por meio de décadas de integração e negociação, absorvendo reinos anteriormente independentes em uma nova realidade política.

 

Foi apenas no final desse processo que a narrativa de conflito étnico entre ingleses e vikings se tornou parte da história inglesa.

 

Este texto foi parcialmente criado com Inteligência Artificial. Para mais notícias sobre achados arqueológicos e história, continue acompanhando a Livros Vikings. Somos um site dedicado a trazer informações históricas e curiosidades sobre a Era Viking. Se você gostou deste artigo, compartilhe-o em suas redes sociais!

 

Referência

BAIMA, César. It’s a myth that England was created on the battlefield – most of it happened at the negotiating table. The Conversation. Londres, 25 de jan. de 2024. Disponível em: <https://theconversation.com/its-a-myth-that-england-was-created-on-the-battlefield-most-of-it-happened-at-the-negotiating-table-206882>. Acesso em: 30 de jan. de 2024. (Livremente adaptado pela Livros Vikings)

 

Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp...

 

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Livros Vikings na Google News
bottom of page