top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Seja um Patrono Livros Vikings

A auto-imagem dos vikings foi influenciada pela Roma antiga

Atualizado: 14 de mar. de 2023

No final da Era Viking foi construído um túmulo que se parece muito com um dos mais espetaculares da Era Romana da Noruega.


A auto-imagem dos vikings foi influenciada pela Roma Antiga
Os vikings usavam a cultura material do passado para mostrar o quanto eles gostavam das pessoas daquele tempo e com quem gostariam de parecer. Os vikings copiaram as esporas dos tempos romanos e achados como estes foram feitos apenas na Europa Central. (Imagem: Mårten Teigen/Museum of Cultural History, University of Oslo/CC-BY-SA 4.0)

O cemitério de Hunn em Østfold é uma rica paisagem cultural com mais de 145 túmulos visíveis, os quais abrangem um período de quase dois mil anos, que vão desde o final da Idade do Bronze, 1100 a.C., até o final da Era Viking, 1050 d.C.


Publique seu livro pela Livros Vikings Editora

O Sítio Ocidental contém sepulturas que datam da Época Romana, do Período das Migrações, da Idade do Ferro e da Era Viking. Neste local, os pesquisadores encontraram semelhanças detalhadas entre duas sepulturas que foram construídas com centenas de anos de diferença.


O túmulo mais antigo remonta aos tempos romanos e foi nomeado Stubhøj, enquanto o mais recente — parecido com o Stubhøj — é da Era Viking e se chama de Store Vikingegrav (o Grande Túmulo Viking).


Distinção entre passados

Julie Lund é professora associada do Departamento de Arqueologia, Conservação e História da Universidade de Oslo. Ela investiga em várias sepulturas e depósitos como os vikings faziam conexões com o passado.


Através de sua pesquisa, ela descobriu que diferentes grupos da Era Viking faziam referência a diferentes passados e segundo ela:


Os vikings faziam uso do passado de uma maneira mais sutil do que se acreditava. Por exemplo, eles distinguiam entre um passado próximo e um distante. Isso pode ser visto em sepulturas femininas, onde pertences como joias eram depositados, enquanto em outras sepulturas, como a Store Vikingegrav, eram incluídos itens que copiavam objetos do período romano — 700 anos antes.

Distinguir entre passados ​​próximos e distantes provavelmente não é algo que consideramos particularmente especial. No entanto, o que podemos ver é que eles faziam conexões com uma parte específica do passado em um momento em que não tinham muita ideia do passado.

Não há muitos túmulos vikings que copiam túmulos da era romana. Os pesquisadores estão cientes apenas de dois outros locais de sepultamento na Noruega que são semelhantes aos túmulos encontrados em Hunn, portanto, a professora Lund pensou que as semelhanças entre as sepulturas romanas e vikings em Hunn eram dignas de uma investigação mais aprofundada e, segundo ela:


Hunn é um local de sepultamento especial porque todos os períodos da pré-história estão representados lá. É um lugar que está em uso contínuo há milhares de anos. Há muitas camadas de história lá, mas os vikings escolheram copiar um túmulo em particular, ou seja, o túmulo da era romana mais espetacular da paisagem. Isso não é coincidência e indica que a Era Romana era um passado com qual os vikings particularmente desejavam fazer conexões.

A área em lilás mostra a região tradicional e o antigo condado de Østfold. (Photo: Olli Turho/Shutterstock/NTB)
A área em lilás mostra a região tradicional e o antigo condado de Østfold. (Photo: Olli Turho/Shutterstock/NTB)

A sepultura viking tinha que parecer velha

Lund olhou para todas as semelhanças entre os dois túmulos, tanto externas quanto internas, conforme explicou:


Externamente, uma característica comum das sepulturas é que ambas foram construídas nas melhores partes do local. A sepultura romana foi construída em cima de uma cordilheira, enquanto a sepultura viking foi construída em uma encosta na mesma cordilheira.

Além disso, ambas as sepulturas são marcadas por pedras de tamanho uniforme que circundam as sepulturas, as chamadas lancis. Essas pedras do meio-fio despertaram a curiosidade da arqueóloga.


Na verdade, elas datam da Idade Neolítica e foram usadas ​​em sepulturas durante a Idade do Bronze. No entanto, naquela época, os lancis eram incorporados ao túmulo e faziam parte da estrutura. Eles não eram visíveis durante a Idade do Bronze, mas gradualmente se tornaram, à medida que os montes começaram a se desgastar.


Os túmulos Stubhøj da Era Romana e Store Vikingegrav marcados com pedras no cemitério de Hunn em Østfold. (Imagem: Julie Lub)
Os túmulos Stubhøj da Era Romana e Store Vikingegrav marcados com pedras no cemitério de Hunn em Østfold. (Imagem: Julie Lub)

Dessa forma, túmulos com pedras de meio-fio adquiriam uma aparência antiga, e era isso que eles tentaram reproduzir na sepultura viking. Era para dar ao túmulo um aspecto antigo.


O que é interessante sobre o Store Vikingegrav é que ele foi construído como uma réplica. Era para parecer que estava lá há muito tempo.

Relatos verbais que viveram

Os vikings também copiaram o interior do túmulo da era romana. Ambas as sepulturas têm uma gama completa de armas, escudos, chifres para beber raros e esporas.


Aprenda sobre os vikings lendo uma das obras da Livraria Especializada Livros Vikings

Outra característica comum é que ambas são sepulturas esqueléticas com câmaras funerárias mobiliadas.


Stubhøj é a primeira sepultura de inumação que conhecemos. Entre a Idade do Bronze e a época desta sepultura romana, as pessoas costumavam queimar os seus mortos. Portanto, este é um afastamento de uma tradição milenar de cremação.

A semelhança do interior das sepulturas deixou os pesquisadores se perguntando, porque a sepultura romana só foi aberta no início de 1900. Em outras palavras, novecentos anos depois que os vikings a copiaram. Segundo a arqueóloga:


Não podemos dizer que os vikings copiaram algo que viram. É mais provável que tenham reproduzido algo que ouviram em suas histórias. A ruptura de Stubhøj com uma tradição de cremação milenar foi muito significativa na época se sua construção. Portanto, não é improvável que se contassem histórias sobre os ritos fúnebres, sobre a pessoa enterrada ou sobre as relações que eram criadas através dos itens deixados na sepultura.

Relações sociais, autoimagem e identidade

Ao investigar a Store Vikingegrav, Lund se concentrou no impacto da cultura material nas pessoas.


Quando você usa elementos do passado, você faz com que eles existam ou sejam relevantes no presente. É assim que a cultura material afeta as pessoas e vice-versa. Usar o passado e copiar um túmulo da era romana indica que eles não estavam apenas tentando criar algo que parecia antigo. O passado também lhes forneceu uma narrativa sobre quem eles eram. Consequentemente, o uso do passado pelos vikings preocupou-se com as relações sociais, a autoconsciência e a identidade.

Heranças, como joias encontradas em sepulturas femininas eram reservadas para um certo tipo de elite feminina e manifestavam relações próximas, enquanto em outras sepulturas, com configurações de navios — onde as pedras ao redor formavam um navio —, as relações são criadas com tempos e lugares mais distantes.


Na Store Vikingegrav, lembranças de uma era romana distante foram re-forjadas na Era Viking. Esta interpretação da sepultura romana revela o que os vikings gostavam e nos diz como eles se percebiam e queriam ser.

֎֎֎


Referências

Julie Lund. Kerbing Relations through Time: Reuse, Connectivity and Folded Time in the Viking Age, Cambridge Archaeological Journal, 2021. DOI: 10.1017/S0959774321000445


Lund et ai. Reavaliando o poder no discurso arqueológico. Como as perspectivas coletivas, cooperativas e afetivas podem impactar nossa compreensão das relações e organização sociais na pré-história, Diálogos Arqueológicos, 2022. DOI: 10.1017/S1380203822000162

֎֎֎


FONTE: Science Norway

LILJEROTH, Julie. The Vikings’ self-image was influenced by Ancient Rome. Science Norway. Oslo, 20 de out. de 2022. Disponível em: <https://partner.sciencenorway.no/archaeology-bronze-age-cultural-history/the-vikings-self-image-was-influenced-by-ancient-rome/2095344>. Acesso em: 20 de out de 2022. (Livremente traduzido e adaptado pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Livros Vikings na Google News
bottom of page