Modelo Design - Escola de Arte
Modelo Design - Escola de Arte

AS 5 PRINCIPAIS DESCOBERTAS VIKINGS DA GRÃ-BRETANHA

Os berserkir brutais, ataques respingados de sangue e os atos bárbaros de guerra são os aspectos da cultura e da mitologia viking, que dominaram a nossa imaginação coletiva por séculos. Mas, focar apenas nesses tropos, não retrata o quadro completo de como era realmente a vida dessas pessoas que vieram da Escandinávia no início da Idade Média. Há muito mais para entender sobre os vikings do que violência e a pilhagem — tal qual as descobertas e os projetos de pesquisa realizados em toda a Grã-Bretanha e ao redor do mundo.


As 5 principais descobertas vikings da Grã-Bretanha

Apoie a Livros Vikings..

Com a aparência assustadora e a reputações ainda mais feroz, é fácil ver o porquê de os vikings intrigarem o público e o mundo acadêmico ao longo dos anos. Na última década, a popularidade de séries de TV como a de Michael Hirst, Vikings, impulsionou esses navegantes escandinavos ainda mais à vanguarda de nossa imaginação coletiva — atraindo adultos e jovens. Seu traje distinto é um favorito contínuo de cosplayers e fanáticos por fantasias (embora um verdadeiro recriador que se preze, saiba que adicionar chifres a uma fantasia de viking é historicamente impreciso!)


É claro que os vikings ocupam um lugar especial em nossos corações. Mas, o que realmente sabemos sobre as suas vidas? Essas cinco descobertas vikings notáveis ​​da Grã-Bretanha oferecerão algumas dicas:


1) A escavação de Coppergate (1976 a 1981) em York

Uma evidência sugere que os vikings poderiam ter se convertido ao cristianismo muito antes do que se pensava.


Poucos dias depois do trabalho de reconstrução de Coppergate, raros vestígios de construções viking foram descobertos. (Imagem cortesia do Jorvik Viking Center)

A descoberta de uma 'cidade viking perdida' sob as ruas de York ganhou as manchetes de todo o mundo na década de 1970. Achados arqueológicos da Era Viking já haviam sido descobertos e, em grande parte, por acaso — mas, tudo isso mudou quando o conselho municipal propôs a reconstrução de Coppergate, uma das ruas medievais da cidade. Uma pequena escavação liderada pelo York Archaeological Trust havia destacado que a área tinha um potencial arqueológico notável — e eles não estavam errados. Poucos dias depois do trabalho de reconstrução de Coppergate, raros vestígios de construções vikings foram descobertos.


Uma escavação de grande porte foi organizada. Entre 1976 e 1981, uma equipe de 12 escavadores profissionais e dezenas de arqueólogos amadores desenterraram 40.000 artefatos no local. Entre as descobertas estavam cinco toneladas de ossos de animais, milhares de telhas romanas e medievais, além 250.000 peças de cerâmica.


O que as descobertas nos dizem sobre os vikings de York?


Publique seu livro pela Livros Vikings Editora

Uma descoberta fascinante sugeriu que os vikings se converteram ao cristianismo relativamente cedo em sua colonização na Grã-Bretanha. Sabemos que os primeiros vikings a chegarem à Grã-Bretanha adoravam os antigos Deuses Nórdicos, no entanto, os restos de uma igreja medieval da Era Viking em Coppergate sugerem que eles poderiam ter adotado o cristianismo bem cedo.


Outros achados notáveis ​​das escavações de Coppergate destacam a influência verdadeiramente global dos vikings, com objetos vindos da Noruega, da Renânia, do Báltico, do Uzbequistão e do Mar Vermelho.


Embora a escavação de Coppergate já tenha sido concluída há muito tempo, seus artefatos estão disponíveis para visualização em uma experiência histórica que visa replicar a aparência do assentamento viking original — Jorvik.


2) O tesouro Cuerdale de Lancashire

Um tesouro que sugere as atividades globais dos vikings.


Moedas do tesouro de Cuerdale, principalmente inglesas, com algumas do continente. Encontradas perto de Rebbes, Lancashire em 1840. (Foto de CM Dixon / Print Collector / Getty Images)

O tesouro de prata Cuerdale foi descoberto há mais de 150 anos, sendo considerado o maior tesouro viking já encontrado na Inglaterra. Foi descoberto em 1840, quando trabalhadores de Lancashire encontraram um baú de chumbo, enquanto trabalhavam para consertar a barragem do rio Ribble em Cuerdale, perto de Preston.


Contendo mais de 30 kg de ouro e impressionantes 7.000 moedas, o tesouro é notável por destacar a escala internacional da atividade viking. Acredita-se que tenha sido depositado por volta de 905 d.C., e seu conteúdo pode ser rastreado até lugares como a Irlanda, o Oriente Médio e o reino franco (a França moderna).


A prata era uma moeda comum no mundo viking — e o tesouro de Cuerdale representa uma riqueza surpreendente (mesmo para os padrões modernos). Existem várias teorias sobre o seu propósito; um notável sugere que era um baú de guerra coletado por vikings que haviam sido expulsos de Dublin. O Vale do Ribble era uma rota principal entre York e o Mar da Irlanda, e alguns especialistas acreditam que o tesouro pode ter sido parte de um plano para reocupar Dublin.


3) O tesouro Watlington de Oxfordshire

Onde uma moeda rara destaca a aliança entre dois governantes.


Itens do tesouro de Watlington descobertos pelo entusiasta em de