top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Seja um Patrono Livros Vikings

Por onde passaram os vikings? Conheça as principais rotas

No imaginário popular, os vikings são retratados como guerreiros sedentos por sangue, no entanto, a história complexa dos escandinavos da Era Viking oscilou entre momentos de violência e paz.


Por onde passaram os vikings?  Conheça as principais rotas
A batalha de Larges por William Hole, 1899. — Crédito da Imagem: Wikimedia Commons

Durante a Idade Média, a palavra "viking" despertava medo nos corações de quem a ouvia. Temidos guerreiros, saqueadores, mercadores e colonos, os nórdicos viajaram por centenas de anos e em diversas regiões. Saindo das costas da Escandinávia, navegaram para as Ilhas Britânicas, o norte da França, Bagdá, Rússia e muito mais.


Depois, direcionaram as suas atenções para oeste, colonizando a Islândia, a Groenlândia, chegando à América. Muitos equívocos ainda cercam a figura dos vikings, mas uma coisa é certa: eles nasceram para navegar.


Primeira investida fora da Escandinávia: saqueando as Ilhas Britânicas

As incursões vikings mudaram tudo na Europa medieval. Elas transformaram o cenário político e econômico das terras que pilhavam ou conquistavam. Esses ataques influenciaram a criação de rotas comerciais, que facilitaram o fluxo de moedas, prata e bens limitados. O estabelecimento de assentamentos nórdicos mudou irrevogavelmente o mapa político da Europa medieval. As incursões também incentivaram o desenvolvimento de lideranças políticas locais fortes para enfrentar os invasores vindos do mar.


Os primeiros ataques ocorreram no Mar Báltico, onde os saqueadores seguiram em direção à Rússia e à Ucrânia. No entanto, as incursões vikings tornaram-se mais famosas nas Ilhas Britânicas, algumas das regiões mais afetadas durante a Era Viking. Já em 750, registros britânicos mencionam pequenos ataques nessas terras. O primeiro ataque significativo foi a investida ao mosteiro irlandês de Lindisfarne, em 8 de junho de 793. Os invasores massacraram os monges e saquearam o mosteiro. A era das incursões vikings havia começado oficialmente na região.


Após o massacre em Lindisfarne, a presença nórdica nas Ilhas Britânicas continuou por muitos anos. Os escandinavos se estabeleceram em Dublin e fundaram assentamentos na Irlanda e no País de Gales. Enquanto as lideranças locais resistiam, a influência política dos vikings nas Ilhas Britânicas perdurou por séculos, incluindo a invasão dinamarquesa no Século IX e o controle de Canuto, o Grande, sobre o território inglês no Século XI.


Detalhe da Tapeçaria de Bayeux mostrando o Bispo Odo reunindo as tropas de Guilherme, o Conquistador, na Batalha de Hastings em 1066. — Crédito da Imagem: Wikimedia Commons.
Detalhe da Tapeçaria de Bayeux mostrando o Bispo Odo reunindo as tropas de Guilherme, o Conquistador, na Batalha de Hastings em 1066. — Crédito da Imagem: Wikimedia Commons.

Os Normandos

Os ataques Vikings se espalharam pela França, conhecida como Francia durante esse período, saqueando o reino por onde passavam. Após a morte do Imperador Romano Santo Carlos Magno, nenhum líder político era suficientemente forte para resistir aos Nórdicos que invadiram seu antigo território.


Os Vikings atacaram Paris várias vezes. Reginherus organizou um cerco à cidade em 845, e Rollo fez o mesmo em 885-886. Após o Cerco de Paris, Rollo continuou seus ataques ao interior do país até que Carlos III lhe concedeu a região que eventualmente se tornaria a Normandia em troca da paz na cidade. Conforme prometido, enquanto os ataques Viking continuaram na Francia, Rollo protegeu Paris após 911.


Após “adquirir” a Normandia, Rollo estabeleceu um governo pacífico que influenciaria o reinado de seus descendentes. Ricardo I e Ricardo II foram líderes não violentos que viveram longas vidas e governaram por muitos anos. Essa paz durou até o tempo de Guilherme, o Conquistador, que eventualmente atravessou o Canal da Mancha e mudou o cenário político da Grã-Bretanha para sempre. À medida que a aristocracia Nórdica governava os camponeses franceses, outros europeus passaram a se referir ao povo da Normandia como Normandos.


Convite dos Varangianos por Viktor Mikhailovitch Vasnetsov, antes de 1913. — Crédito da imagem: Wikimedia Commons.
Convite dos Varangianos por Viktor Mikhailovitch Vasnetsov, antes de 1913. — Crédito da imagem: Wikimedia Commons.

Os vikings de Kievan Rus': de saqueadores a comerciantes

Contrariando a crença popular, nem todos os Nórdicos estavam interessados em saquear. Na verdade, nem todos os escandinavos eram vikings. O termo "Viking" só pode ser associado àqueles que navegavam pelos mares para saquear outras terras, e "fazer uma viagem viking" significava empreender expedições de saque.


Muitos escandinavos não eram nem marinheiros, nem saqueadores. Muitos eram agricultores, ferreiros, tecelões e músicos, entre outras ocupações. Aqueles que vieram para negociar eram chamados de nórdicos.


Os nórdicos, aqueles que atravessaram o mar para comercializar e não saquear, chegaram aos rios orientais em uma terra que ainda não tinha recebido seu nome. De fato, o nome Rússia veio dos Rus, ou Kievan Rus', que se estabeleceram nessas regiões, assim como os nórdicos que fundaram Dublin e se estabeleceram em partes da Irlanda e do País de Gales.


Assim como todos os colonizadores nórdicos, os Rus' negociavam com seus vizinhos. No meio do caminho entre a Escandinávia e o Império Bizantino, suas novas terras eram um local privilegiado para o comércio.


Os nórdicos comercializavam "peles, roupas e objetos de arte" em troca de bens como prata islâmica ou budas dourados indianos. Muitos escandinavos também se tornaram soldados e mercenários. Eles se juntaram à Guarda Varangiana e se tornaram os guardas pessoais dos imperadores bizantinos.


 Enterro de um antigo nobre russo por Henryk Siemiradzki, 1883. — Crédito da Imagem: Wikiart
Enterro de um antigo nobre russo por Henryk Siemiradzki, 1883. — Crédito da Imagem: Wikiart

Os nórdicos em Bagdá

Os nórdicos que chegaram às regiões que hoje são Rússia, Ucrânia e Bielorrússia não pararam por aí. Enquanto alguns rus' seguiram pelo Mar Negro em direção ao Império Bizantino, outros navegaram pelo rio Volga e cruzaram o Mar Cáspio em direção a Bagdá.


Lá, eles comercializavam peles, escravos, "mel, cera e madeira" em troca de "moedas de prata árabes e seda, especiarias, vinho, joias, vidro e livros". Os comerciantes escandinavos foram fundamentais na Rota da Seda medieval, que ia de Constantinopla a Kiev e chegava até a Inglaterra.


Informações fascinantes sobre os rus’ vêm dos escritos de Ahmad ibn Fadlan. Al-Muqtadir, o Califa de Bagdá, enviou-o em uma missão para se encontrar com o Rei dos Búlgaros em 922. Ele descreveu suas características: desde o cabelo loiro até as roupas e armas.


Ele também descreveu suas moradias, desde as casas até os trabalhadores escravizados. Também escreveu sobre os rituais funerários dos rus'. Ele testemunhou os nórdicos colocando um chefe falecido em um pequeno barco junto com seus pertences e uma das mulheres escravizadas que ele possuía. Arqueiros então atearam fogo no barco.


Ahmad ibn Fadlan provavelmente exagerou em algumas de suas descrições. Um exemplo seria a suposta falta de higiene dos rus'. Ainda assim, as informações que ele registrou têm sido extremamente úteis para nossa compreensão do estilo de vida dos nórdicos durante a Idade Média.


Os noruegueses desembarcam na Islândia em 872, por Oscar Wergeland, 1877. — Crédito da imagem: Wikimedia Commons
Os noruegueses desembarcam na Islândia em 872, por Oscar Wergeland, 1877. — Crédito da imagem: Wikimedia Commons

Os nórdicos que se estabeleceram na Islândia

Os noruegueses foram para o oeste, primeiro para as Ilhas Britânicas e depois para o Atlântico. Os ventos e as correntes levaram os primeiros nórdicos que chegaram às costas da Islândia, Naddodd o Viking em 830 e Gardar o Sueco em 860, para longe de seu curso em direção às Ilhas Faroé.


Eles desembarcaram na Islândia em vez disso. Esses exploradores não ficaram por muito tempo, e apenas um punhado de colonos permanentes viviam na ilha até que Flóki Vilgerðarson chegou em 868. Ele deu o nome de "Islândia" à terra e retornou à sua terra natal, onde seus tripulantes falaram sobre a beleza dessa nova terra vazia. Os relatos dos tripulantes atraíram a atenção de muitos noruegueses.


Harald Finehair governava a Noruega nessa época, e seu reinado poderia ter sido "tirânico" devido aos impostos e à alocação de terras. Esse governo norueguês com mão de ferro tornou a Islândia ainda mais atraente. Muitos deixaram a Noruega e viajaram pelo mar para se estabelecer na Islândia.


Agricultores e alguns membros da elite emigraram para a ilha. Lá, a hierarquia social era menos profunda do que em sua terra natal, a Noruega. Assim que os agricultores estabeleceram assentamentos em maior escala, criaram um código de leis. Um novo sistema político chamado Alþingi nasceu na Islândia, onde uma assembleia democrática prototípica se reunia em Þingvellir para votar em leis.


Esse sistema político durou desde a Era de Colonização, de 870 a 930, até a Era da Commonwealth, de 930 a 1200, e até que alguns clãs familiares distintos ganharam poder político durante a Era de Sturlungs, de 1200 a 1262. Eventualmente, o Rei da Noruega incentivou os chefes que vieram desses clãs e estabeleceram seu poder e riqueza financeira para estabelecer a soberania norueguesa sobre a ilha. A Noruega se tornou soberana sobre a Islândia a partir desse momento. Essa soberania durou aproximadamente de 1262 a 1944, quando a Islândia se tornou independente.


Da Islândia à Groenlândia

Da Islândia, os nórdicos viajaram ainda mais a oeste. Lá, encontraram a Groenlândia, três quartos de gelo em vez de terra. O primeiro viking a chegar foi Erik, o Vermelho, exilado da Islândia por assassinato. Assim que seu exílio terminou, ele voltou para a Islândia e incentivou outros a segui-lo para se estabelecer nessas terras. Os colonos sobreviveram ao clima gelado da Groenlândia criando seus assentamentos em "bolsões verdejantes ao longo da costa sudoeste", onde a vida era hospitaleira.


Os nórdicos da Groenlândia caçavam animais, como morsas, focas e caribus, e criavam gado, como bovinos, ovinos e caprinos. Eles vendiam peles e marfim de narval em troca de luxos e ferro do exterior. Embora a maioria dos colonos fosse agricultores, assim como na Islândia, eles não estabeleceram nenhum tipo de governo como o Alþingi na Groenlândia.


Assim como na Islândia, o território passou para o domínio norueguês por volta de 1261. A comunicação constante entre Noruega e Groenlândia durou até o Século XV, quando o silêncio se instalou entre os dois. As temperaturas ficaram mais frias durante a Pequena Era do Gelo, e os noruegueses temiam o pior. Quando conseguiram enviar Hans Egede, um missionário, para as costas da Groenlândia, não havia mais nórdicos para serem encontrados.


Enquanto o estilo de vida dos nórdicos na Groenlândia dependia muito da agricultura e da criação de gado, há indícios de que, com as mudanças de temperatura da Pequena Era do Gelo, muitos morreram de fome em seus assentamentos. Outros podem ter emigrado. Uma combinação de fatores levou ao fim da presença nórdica na Groenlândia.


É claro que os nórdicos não foram os únicos colonizadores na Groenlândia. Eles compartilhavam essas terras com o povo Thule, os ancestrais dos inuítes, e há evidências arqueológicas de que eles trocavam marfim e produtos de caça em troca de metal.


Quando Hans Egede chegou à Groenlândia em busca dos assentamentos nórdicos, ele encontrou os inuítes. Ele acusou erroneamente os inuítes de entrarem em conflito com os nórdicos da Groenlândia, mas, como mencionado acima, foi uma combinação de fatores e não uma guerra que pôs fim aos assentamentos nórdicos na Groenlândia. Hoje, a Groenlândia, chamada Kalaallit Nunaat em groenlandês, está sob soberania dinamarquesa.


 Leif Eriksson Descobre a América por Hans Dahl. — Crédito da Imagem: Wikimedia Commons.
Leif Eriksson Descobre a América por Hans Dahl. — Crédito da Imagem: Wikimedia Commons.

Escandinavos na América do Norte

Depois que os nórdicos se estabeleceram na Groenlândia e na Islândia, eles seguiram para o oeste, onde chegaram às costas da América do Norte centenas de anos antes de Cristóvão Colombo declarar que havia "descoberto" essas terras.


Da mesma forma que nas descobertas acidentais da Islândia e da Groenlândia pelos nórdicos, quando um norueguês chamado Bjarni Herjolfsson se perdeu ao tentar encontrar a Islândia, ele acabou chegando ao que é hojeLabrador, no Canadá. Embora ele não tenha desembarcado nessas terras, ele voltou para o leste para a Islândia, onde contou sua história.


Leif Eriksson estava particularmente interessado na história de Bjarni Herjolfsson sobre essa terra. Ele era filho de Erik, o Vermelho, que havia chegado primeiro à Groenlândia, e como seu pai antes dele, ele partiu para o oeste.


Ele e sua tripulação montaram acampamento nas terras que exploraram, que chamaram de Vinland, provavelmente partes da costa de Newfoundland hoje em dia. Eles retornaram à Groenlândia após o inverno. O irmão de Leif Eriksson, Thorvald, liderou uma expedição mais tarde, mas ela terminou em derramamento de sangue quando eles encontraram os povos das Primeiras Nações, e ele e sua tripulação não permaneceram por muito tempo.


Os nórdicos levavam "'produtos', madeira e peles" da América do Norte de volta para a Groenlândia e a Islândia, mas as relações um tanto tensas com os povos das Primeiras Nações e a longa distância entre Newfoundland e a Groenlândia dificultaram a permanência. Existem evidências de que eles tentaram.


Arqueólogos descobriram um sítio nórdico em L'Anse aux Meadows, no extremo norte de Newfoundland, durante os anos 1960. No entanto, os nórdicos podem ter habitado o assentamento por apenas cerca de uma década antes de abandoná-lo. Esse foi o fim da presença nórdica na América do Norte.


Ainda assim, um fato interessante sobre as relações dos nórdicos com os povos das Primeiras Nações foi descoberto em um estudo de DNA realizado na Islândia em 2010.


De acordo com esse estudo, oitenta islandeses de quatro famílias eram descendentes de um ancestral das Primeiras Nações que possivelmente havia seguido os nórdicos de L'Anse aux Meadows de volta para a Islândia. Embora não se saiba mais sobre o relacionamento desses ancestrais, é um incidente histórico interessante que destaca as relações entre os nórdicos e os povos das Primeiras Nações, tensas ou não.


Extensão Global da Exploração Viking por Simeon Netchev, 2021. — Crédito da Imagem:  World History
Extensão Global da Exploração Viking por Simeon Netchev, 2021. — Crédito da Imagem: World History

Conclusão

Pode-se dizer que propriamente os vikings viajaram apenas da Escandinávia às Ilhas Britânicas, França e à Alemanha, pois o termo "viking" só pode ser usado, historicamente falando, para descrever aqueles que pilharam e saquearam pela Europa.


Mas, os nórdicos de outrora, especialmente os escandinavos, viajaram muito mais longe para negociar suas mercadorias e estabelecer novas fronteiras. Do Norte da Europa às costas da América do Norte, de Bagdá a Reykjavik, os nórdicos influenciaram as culturas que encontraram por meio de suas viagens, de maneiras menores ou maiores.


FONTE: The Collector

PLASSE, Marianne. Where Did the Vikings Travel? A Legacy of Raids, Voyages, and Trade. The Collector. Montreal, 01 de jul. de 2023. Disponível em: <https://www.thecollector.com/where-did-the-vikings-travel/>. Acesso em: 03 de jul. de 2023. (Livremente adaptado pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
Livros Vikings na Google News
bottom of page