top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Seja um Patrono Livros Vikings

A GUARDA VARANGIANA, OS VIKINGS QUE SERVIRAM COMO O EXÉRCITO PESSOAL DO IMPERADOR BIZANTINO

Atualizado: 24 de mar. de 2022

Durante séculos, os vikings viajaram de toda a Escandinávia para se juntar à elite da Guarda Varangiana que protegia o imperador romano oriental e a cidade de Constantinopla.


A Guarda Varangiana, os vikings que serviram como o exército pessoal do Imperador Bizantino
Uma ilustração do Século XII da Guarda Varangiana defendendo Constantinopla. — Biblioteca Nacional da Espanha

Os vikings são talvez mais conhecidos por saquear a Europa Ocidental e serem os primeiros europeus a pisar na América. Mas, eles também desempenharam um papel crucial no Império Bizantino, onde um seleto grupo de guerreiros chamado de Guarda Varangiana protegeu o Imperador de Constantinopla por centenas de anos.


Aprenda sobre os vikings lendo uma das obras da Livraria Especializada Livros Vikings

Leais, ferozes e armados com um machado, esses guerreiros patrulhavam os salões do Grande Palácio, acompanhavam o imperador à guerra e mantinham a ordem nas ruas. Eles eram recompensados ​​de forma extravagante por seus serviços, e um deles até se tornou o Rei da Noruega.


Como muitos soldados de elite, a Guarda Varangiana acabou sendo uma vítima das mudanças de poder. Mas, por centenas de anos, eles reinaram como alguns dos peleadores mais temíveis do mundo.


A formação da guarda varangiana

No início da era viking, por volta de 800 d.C., a maioria dos vikings — um grupo díspar de guerreiros nórdicos — invadiu as costas da Inglaterra. Porém, alguns deles foram para o leste. Atraídos pela prata árabe, eles navegaram pelos rios da Europa Oriental, saqueando à medida que avançavam.


Alguns desses vikings se estabeleceram na Europa Oriental. Eles eram chamados de Rus, cuja a tradução aproximada do nórdico antigo é “aqueles que remam”. Eles cresceram no poder e seus líderes começaram a assumir nomes eslavos.


Por volta de 978-980, surgiu uma disputa entre os filhos do príncipe Sviatoslav I de Kiev. Para lutar contra seus irmãos, Vladimir I de Kiev convocou 6.000 guerreiros da vizinha Suécia. Esses soldados não apenas o ajudaram a conquistar a região, mas também lançaram as bases para a Guarda Varangiana.


Vladimir de Kiev converteu-se ao cristianismo e emprestou sua poderosa Guarda Varangiana ao imperador bizantino. — Дар Ветер/Wikimedia Commons

Menos de uma década depois, Basílio II do Império Bizantino procurou Vladimir em busca de ajuda militar. Ele precisava de ajuda para derrotar dois pretensos usurpadores de seu trono. Basil ofereceu a mão de sua irmã em casamento para adoçar o pote – desde que Vladimir estivesse disposto a se converter ao cristianismo.


Vladimir concordou em enviar seus guerreiros. Quanto ao cristianismo, ele há muito procurava uma religião para “modernizar” seu povo e decidiu contra o islamismo por causa de suas restrições ao álcool.


“Beber é a alegria dos Rus, não podemos existir sem esse prazer”, teria dito Vladimir.

Ele se tornou cristão e despachou seus 6.000 guerreiros nórdicos para Constantinopla, onde seu temível exército logo ficou conhecido como a Guarda Varangiana.


Como os vikings protegeram o Império Bizantino

A Guarda Varangiana causou impacto assim que chegou. De acordo com o historiador JJ Norwich: “No final de dezembro de 988, os vigias do Mar Negro avistaram o primeiro de uma grande frota de navios vikings no horizonte… e 6.000 homens corpulentos desembarcaram. Algumas semanas depois, os nórdicos, liderados pelo próprio Basílio, cruzaram o estreito sob o manto da escuridão.


Uma representação de Basílio II do Império Bizantino. — Domínio público
“À primeira luz eles atacaram… [balançando] suas espadas e machados de batalha sem piedade até que os seus tornozelos ficassem cobertos de sangue. Poucas das vítimas escaparam com vida.”

Outro relato do ataque da Guarda Varangiana observou que os vikings “alegremente cortaram [seus inimigos] em pedaços”.


Depois que Basílio esmagou seus inimigos, ele decidiu manter os vikings por perto. Logo, eles estavam sendo chamados de varangianos, provavelmente da palavra nórdica antiga vár, que significava “confiança (in)”, “fé (in)” ou “voto de fidelidade”. Traduz-se livremente como “homens da promessa”.


Publique seu livros pela Livros Vikings Editora

Os varangianos tornaram-se guarda-costas de Basílio, atuaram como policiais, carcereiros e acompanharam o imperador à guerra. E a temível Guarda Varangiana deixou sua impressão em todos os lugares por onde passou. O viajante árabe Ahmad Ibn Fadlan ficou maravilhado por “nunca ter visto corpos tão perfeitos quanto os deles”.


Fadlan escreveu que os guerreiros eram “altos como palmeiras, louros e avermelhados, não usavam túnicas nem kaftans. Todo homem usa um manto com o qual cobre metade do corpo, de modo que um braço fica descoberto. Eles carregam machados, espadas, punhais e sempre os tinham à mão.”


E um cronista bizantino os caracterizou como “assustadores tanto na aparência quanto no equipamento”, acrescentando que “atacavam com raiva imprudente e não se importavam em perder sangue ou se ferirem”.


Às vezes, o trabalho deles não era tão empolgante. Os vikings montavam guarda na majestosa Hagia Sophia, onde um guerreiro ficou tão entediado que esculpiu seu nome no mármore.


Inscrições deixadas por um provável membro da Guarda Varangiana, onde se lê “Halfdan”, provavelmente seu nome. — Wikimedia Commons

Mas para outros, servir na força de elite do imperador abriu o caminho para a riqueza e o poder. Harald Hardrada, que fugiu da Noruega para Kiev após a tentativa fracassada de usurpar o trono de seu meio-irmão, serviu na Guarda Varangiana de 1034 a 1043. Ele acumulou tanta riqueza como guerreiro que retornou à Noruega e se tornou rei.


Da mesma forma, um guerreiro chamado Bolli Bollason terminou seu ciclo como um guarda sendo homem rico. De acordo com a Saga Laxdaela, Bollason voltou para casa envolto em mantos roxos bordados com ouro. Seus compatriotas admirados se referiam a ele como “Bolli, o Elegante”.


De fato, de acordo com as sagas nórdicas antigas, muitos guerreiros voltaram para casa pingando de joias e sedas caras. Em parte, porque uma estranha lei permitia que eles saqueassem o tesouro do imperador sempre que eles morressem.


“Na noite da morte de seu soberano, eles tinham o curioso direito de correr para o tesouro imperial e pegar tanto ouro quanto pudessem carregar”, explicou o historiador L. Brownworth. “Esse costume permitiu que a maioria dos varangianos se aposentasse como homens ricos.”


Servir na Guarda Varangiana — se você sobrevivesse — parecia um caminho certo à riqueza.


No entanto, os dias da Guarda Varangiana estavam contados. Embora lutassem brava e ferozmente, seu poder começou a declinar no Século XI.


Transformação e queda da guarda bizantina varangiana

O mundo da Guarda Varangiana passou por mudanças radicais e dramáticas ao longo dos séculos. Após a conquista normanda em 1066, na qual Guilherme, o Conquistador, ultrapassou a Inglaterra, guerreiros anglo-saxões exilados foram em massa para Constantinopla. A presença deles mudou a composição de guerreiros.


Um panorama da queda de Constantinopla, 1453, no Museu de História em Istambul. — Vivaystn/Wikimedia Commons

E os novos membros inexperientes da guarda enfrentaram novos e ferozes inimigos. Eles foram derrotados enquanto defendiam Dirráquio na Dalmácia em 1081, e não foram capazes de suprimir as forças da Quarta Cruzada em 1204. Então, os guerreiros cansados ​​podem ter abandonado as suas armas quando viram que os bizantinos foram derrotados.


Daquele ponto em diante, os guardas varangianos passaram a maior parte do tempo vigiando palácios ou prisões, não lutando em conflitos reais. Seus números diminuíram. E eles se tornaram obsoletos quando o Sultanato Otomano conquistou Constantinopla em 1453, anunciando o fim do Império Bizantino.


A essa altura, a maior parte da Guarda Varangiana era anglo-saxônica, de qualquer forma, não nórdica.


Mas por centenas de anos, eles brilharam como uma presença estranha e assustadora nas ruas de Constantinopla. Altos, justos e armados até os dentes, esses guerreiros vikings mudavam o curso da história quando pegavam em armas, especialmente para o Império Bizantino.


Embora seus dias de glória possam ter desaparecido dos livros de história, vestígios desses guerreiros permanecem na própria Constantinopla. O grafite rabiscado na Hagia Sophia, apenas algumas runas simples, funciona como um lembrete ecoante da presença outrora onipresente da Guarda Varangiana na cidade.


FONTE: All That Interesting/ATI

FRAGA, K; KUROSKI, J. The Varangian Guard, The Bloodthirsty Viking Warriors Who Served As The Byzantine Emperor’s Personal Army. ATI. Nova Iorque, 21 de mar. de 2022. Disponível em: <https://allthatsinteresting.com/varangian-guard>. Acesso em: 23 de mar. de 2022. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Livros Vikings na Google News
bottom of page