• Livros Vikings

UM TESOURO VIKING ENCONTRADO NA POLÔNIA TERIA SIDO UM PAGAMENTO PARA LIVRAR PARIS DA RUÍNA

Poderia o butim encontrado por um caçador de tesouros ter sido extorquido pelos vikings para poupar Paris da ruína? Uma grande escavação poderá dizer.


Um tesouro viking encontrado na Polônia teria sido um pagamento para livrar Paris da ruína
Przemyslaw Witkowski, um caçador de tesouros, descobriu, na Polônia, moedas de prata cunhadas durante o Império Carolíngio. — Crédito: Maciek Nabrdalik para The New York Times
Apoie a Livros Vikings...

Biskupiec, Polônia — Durante mais de 10 anos vagando por campos e florestas com um detector de metais, um caçador de tesouros polonês encontrou os destroços de um tanque Sherman de fabricação americana, a bainha de uma espada francesa usada por um soldado do exército de Napoleão, um capacete prussiano e muitas outras relíquias do passado sangrento da Europa.


Em novembro, no entanto, ele fez uma descoberta que surpreendeu até mesmo os estudiosos mergulhados no fluxo e refluxo das guerras europeias, deixando-os lutando contra uma tentadora pergunta: como um milharal no nordeste da Polônia passou a conter moedas de prata cunhadas há mais de 1.100 anos e a quase 1.600 quilômetros de distância dos governantes medievais do que hoje é a França?


Uma teoria, promovida por um arqueólogo polonês que lidera a busca por uma explicação, é que as moedas de prata datam de um dos episódios mais antigos e traumáticos de extorsão armada da Europa — quando um exército invasor viking sitiou Paris em 845 d.C., e mais de duas toneladas de prata tiveram que ser pagas para evitar que destruíssem a cidade.


Os vikings — guerreiros escandinavos muito temidos por causa de seus hábitos indisciplinados e destreza militar — sistematizaram mais tarde o que se tornou um elaborado esquema de proteção durante o Século XI, impondo impostos na Inglaterra, conhecidos como Danegeld, pagamentos de tributos em troca de segurança.


O que aconteceu com o enorme resgate que receberam por poupar Paris em 845, no entanto, sempre foi um mistério.


Os vikings tinham um importante entreposto comercial chamado Truso, a apenas 30 milhas de Biskupiec, a vila polonesa onde as moedas foram encontradas. Isso levou alguns especialistas a especular que a prata extorquida em Paris chegou lá e depois se espalhou pelas áreas próximas, como parte de um florescente comércio da região do Báltico, cuja principal mercadoria eram escravos.


Algumas das moedas de prata descobertas perto de Biskupiec. — Crédito: Maciek Nabrdalik para The New York Times

“Esta é uma descoberta extremamente rara e surpreendente”, disse Lukasz Szczepanski, chefe de arqueologia de um museu de história regional na cidade polonesa de Ostroda. “Anteriormente, só sabíamos o que acontecia em Paris por meio de fontes escritas, mas agora, de repente, temos na forma física.”


Publique seu livro pela Livros Vikings Editora

Outros são céticos. Simon Coupland, um especialista britânico, observou que as moedas encontradas em Biskupiec pareciam datar de vários anos antes do cerco de 845.


Mas, ele acrescentou, elas podem ser parte do butim extraído pelos vikings durante os ataques anteriores na parte ocidental do império estabelecido por Carlos Magno, ou simplesmente o produto do comércio regular e dos ataques dos vikings.


O Sr. Szczepanski reconheceu que sua teoria de que as moedas faziam parte do resgate extorquido pelos vikings para poupar Paris era apenas uma "hipótese de trabalho".


Uma imagem mais clara, disse ele, surgiria após uma análise química das moedas e uma escavação completa do local onde foram descobertas pelo caçador de tesouro local, Przemyslaw Witkowski e por Maciej Malewicz.


Mas, não importa o que aconteça, disse Szczepanski, a descoberta de moedas antigas de prata em um vilarejo polonês é emocionante e inquietante.


Em um país cuja capital, Varsóvia, foi ocupada e depois destruída pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e a sobrevivência de Paris, mais de um milênio antes, graças a um pagamento feito aos vikings, têm uma ressonância dolorosa.


Apesar de sua reputação de violência, os vikings, disse Szczepanski, se comportavam muito melhor do que os alemães do Século XX, cujas ações durante a guerra "são incomparáveis ​​com qualquer coisa da história mundial".


“Este é um achado extremamente raro e surpreendente”, disse Lukasz Szczepanski, chefe de arqueologia em um museu de história regional em Ostroda, Polônia. —Crédito: Maciek Nabrdalik para The New York Times

O trauma da Segunda Guerra Mundial, acrescentou ele, prejudicou severamente o trabalho arqueológico no norte da Polônia. Grande parte da área costumava ser parte da Alemanha, e os arqueólogos poloneses do pós-guerra, focados em descobrir e celebrar o passado de seu próprio país, tiveram pouco interesse em desenterrar lembretes da hegemonia alemã.


Avisado por Witkowski sobre a descoberta de novembro no milharal, Szczepanski juntou forças em março com caçadores de tesouro amadores. Usando detectores de metal, eles descobriram mais de 100 moedas de prata cunhadas durante o Império Carolíngio, que foi fundado no início do Século IX pelo Imperador Carlos Magno. Seu império já cobriu a maior parte do território que hoje compõe a França, Itália e Alemanha.


Szczepanski faz planos para uma escavação de grande escala no campo este ano, assim que o fazendeiro que possui a terra terminar de colher sua safra. A descoberta de ainda mais moedas carolíngias, disse o arqueólogo, fortaleceria sua crença de que a área contém parte da vasta horda de prata paga aos vikings.


Witkowski disse que inicialmente prestou pouca atenção à sua descoberta, porque as moedas enterradas geralmente são apenas zlotys poloneses. — Crédito: Maciek Nabrdalik para The New York Times

Todas, exceto uma das moedas encontradas até agora datam do governo de Luís, o Piedoso, filho de Carlos Magno, com o resto cunhado por seu neto Carlos, o Calvo, que governou a parte ocidental do Império Carolíngio e estava no poder durante o cerco Viking de Paris.


Isso, de acordo com Stéphane Lebecq, um professor emérito da Universidade de Lille, na França e um dos principais especialistas em história medieval francesa, sugere que o estoque havia sido "coletado no início do reinado de Carlos, por volta de 840-850, no coração de seu reino, situado na bacia de Paris”.


Até agora, no entanto, os arqueólogos encontraram apenas moedas, não os lingotes de prata que quase certamente figuravam no pagamento extorquido pelos vikings de Carlos, o Calvo. A descoberta de lingotes, disse o professor Lebecq, fortaleceria a teoria do resgate.


As moedas de prata até agora descobertas, muitas delas intactas, mas outras quebradas — aparentemente pelo arado do fazendeiro — foram enviadas a Varsóvia para serem analisadas por especialistas em um laboratório de arqueologia administrado pela Academia Polonesa de Ciências.


Mateusz Bogucki, o chefe do laboratório, disse que estava cético sobre a teoria do pagamento de resgate a Paris, mas disse que as moedas ainda eram uma descoberta muito significativa, indicando o alcance do Império Carolíngio muito além de seu coração na Europa Ocidental.


As moedas, disse ele, têm pouco valor financeiro e provavelmente custariam menos de US$ 200 cada no mercado aberto, “mas seu valor como fonte de informação é absolutamente imensurável”.


Particularmente importante, disse Bogucki, é a luz que elas lançam sobre as rotas de comércio medievais, muitas das quais giravam em torno da compra e venda de habitantes locais que haviam sido capturados em batalha e vendidos ou forçados à escravidão por mercadores de escravos.


Os vikings desempenhavam um papel importante como intermediários em um negócio brutal, alimentado pelo apetite voraz por escravos da Europa entre muçulmanos ricos no Oriente Médio e mais tarde da Ásia Central. As moedas de prata encontradas anteriormente na área eram em sua maioria dirhams árabes, usadas por mercadores muçulmanos para pagar por bens móveis humanos.


Witkowski, o caçador de tesouros, disse que inicialmente prestou pouca atenção à sua descoberta, porque as moedas enterradas costumam ser apenas um aborrecimento —geralmente zlotys poloneses descartados.


“Geralmente não gosto de moedas”, disse ele.


As autoridades isolaram o local próximo de Biskupiec e declararam a sua localização exata um segredo de estado. — Crédito: Maciek Nabrdalik para The New York Times

Mas, depois de lavar seu achado para casa e perceber que não era apenas um troco comum, ele enviou fotos para Szczepanski do museu de história em Ostroda. O arqueólogo rapidamente ligou de volta e “estava tão animado que não conseguia entender o que ele estava dizendo”, lembra Witkowski.


Aprenda sobre os vikings, lendo uma das obras da Livraria Livros Vikings

“Percebi que havia encontrado algo importante”, acrescentou.


Com medo de que caçadores de tesouros inescrupulosos comecem a procurar e roubar as moedas de prata, as autoridades isolaram o local perto de Biskupiec e declararam a sua localização exata como um segredo de estado.


Ao mesmo tempo, eles recentemente rejeitaram o pedido do Sr. Witkowski para uma licença de busca, pois os mapas que ele enviou detalhando as áreas que ele e seus associados gostariam de pesquisar estavam no formato errado.


“Haveria muito mais coisas em nossos museus se eles não complicassem tudo”, disse Witkowski. Com exceção do arqueólogo do museu de história, ele acrescentou, “ninguém nem mesmo agradeceu por encontrar essas moedas”.


FONTE: The New York Times

HIGGINS, Andrew. Medieval French Coins Unearthed in Poland? A Mystery Begins. The New York Times. Nova Iorque, 12 de jul. de 2021. Disponível em: <https://www.nytimes.com/2021/07/12/world/europe/medieval-french-coins-poland.html>. Acesso em: 12 de jul. de 2021. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #moedas #moedasvikings #frança #paris #vikingsnafrança #noruega #vikingsnoruegueses #livrosvikings

37 visualizações0 comentário