• Livros Vikings

UM RESGATE HISTÓRICO: AS ROTAS COMERCIAIS, DE PILHAGEM E OS ASSENTAMENTOS DOS VIKINGS

Erguendo-se da Escandinávia no Século VIII d.C., os vikings dominaram o norte da Europa, mas sua influência se estendeu pela Rússia, Ásia, pelo norte da África, América e pelo Oriente Médio. Em relato à BBC History Revealed, Pat Kinsella explana sobre o alcance dos Vikings…


Estatua em honra a Leif, Eriksson — o descobridor da América

Embora eles possam ter a reputação de pagãos bárbaros, os vikings eram o povo mais ambicioso e avançado da Idade das Trevas na Europa. Como mestres do mar, exploradores destemidos, invasores cruéis e comerciantes bem-sucedidos, eles rasgaram o mapa do mundo antigo e desenharam um novo — muitos dos quais permanecem familiares aos atlas modernos.


Eles descobriram as principais ilhas do Atlântico Norte e estabeleceram uma colônia na América cinco séculos antes de Colombo...


Vikings no norte da Europa

De assaltantes a reis poderosos, os vikings floresceram no norte da Europa


A primeira aparição dos “Nórdicos da Terra dos Ladrões”, de acordo com as Crônicas Anglo-Saxônicas, veio na forma de três navios de aparência alienígena que espreitavam às margens de Wessex em 787 d.C. Quando uma legião foi encontrá-los, ela foi morta. Esses estrangeiros não vieram em paz. Seis anos depois, eles reapareceram e saquearam impiedosamente o mosteiro Lindisfarne da Nortúmbria em um ataque de choque e pavor que horrorizou a Inglaterra cristã. A Era Viking havia começado.


Nas décadas que se seguiram, os navios pareciam repentinamente e praticavam ataques violentos contra os mosteiros, monastérios e assentamentos vulneráveis ao redor da costa da Grã-Bretanha. Quando a notícia se espalhou, os monges reuniram suas relíquias sagradas e fugiram para um esconderijo. Muitos registros foram perdidos em meio à destruição. Os dinamarqueses começaram a hibernar na Inglaterra em meados do século IX d.C. e, em 866, o "Grande Exército Pagão" capturou a cidade de York. Liderando o ataque contra os quatro reinos da Inglaterra anglo-saxônica - Mércia, Nortúmbria, Anglia Oriental e Wessex - estavam Ívarr, o Desossado, e seu irmão Hálfdan Ragnarsson, que se tornou o primeiro rei de Jórvík (York escandinavo) e conquistou a coroa de Dublin.


Somente Wessex, sob o comando do Rei Æthelred e seu irmão, Alfred, o Grande, evitou a conquista completa. Na batalha de Edington, em 878 d.C. - quando Alfred foi vitorioso e o rei viking Guthrum se converteu ao cristianismo e se retirou de Wessex, o território de 'Danelaw' se estendeu de Yorkshire à Anglia Oriental. O poder dinamarquês declinou, no entanto, até que, em 927 d.C., o neto de Alfred Æthelstan recuperou York e se tornou o primeiro rei de toda a Inglaterra anglo-saxônica.


Em 1013, após o massacre de 1002 em St. Brice, quando o rei Æthelred, o Indisponível, ordenou a matança em massa do povo dinamarquês na Inglaterra, Sweyn Forkbeard invadiu e se tornou o primeiro rei da Dinamarca e da Inglaterra. Ele foi sucedido por seu filho, Cnut, o Grande, que adicionou a Noruega ao seu reino em 1028.


A coroa inglesa acabou voltando para a Casa de Wessex, passando de Harthacnut, filho de Cnut, para seu meio-irmão Edward, o Confessor, e depois Harold Godwinson, o último rei anglo-saxão. Em 1066, a era viking terminou violentamente, quando Harold reprimiu um ataque do viking norueguês Harald Hardrada, mas foi derrotado e morto durante a invasão dos normandos (descendentes diretos dos vikings).


No século IX d.C., os vikings noruegueses invadiram e se estabeleceram na Ilha de Man e nas ilhas escocesas de Orkneys e Shetlands. Eles mataram poderosos líderes pictos, como Eóganan mac Óengusa, que acarretou na ascensão do sagaz Rei Cináed mac Ailpín (Kenneth MacAlpine). Ele pode não ter sido realmente o primeiro rei dos escoceses, mas a chegada dos vikings gradualmente forçou uma aliança entre Pictos e Gauleses, levando à formação do Reino de Alba em 900 d.C., o qual se tornou a Escócia.


Os reis galeses eram fortes e sobreviveram amplamente aos ataques dos Vikings. Os nórdicos se aproveitaram e exploraram uma inimizade milenar, formando uma aliança com os galeses em 878 d.C. para derrotar o reino anglo-saxão da Mércia. No entanto, em 893 d.C., os galeses trocaram de lado, alinhando-se aos anglo-saxões de Wessex para perseguir uma força viking ao longo do rio Severn e derrotá-los na batalha de Buttington.


Embora os vikings não fossem tão dominantes no País de Gales como eram em outros lugares e mesmo nunca tendo controlado totalmente a região, eles encontraram e nomearam algumas cidades características, incluindo Swansea (do Nórdico Sweyns Ey, que significa 'ilha de Sweyn', depois de Sweyn Forkbeard).


Em 795 d.C., uma igreja em Rathlin Island, na costa de Antrim, foi invadida e mosteiros em Inismurray e Inishbofin foram saqueados. Os vikings descobriam a Irlanda.


Após um período de invasões oportunistas, a Irlanda experimentou duas invasões vikings importantes. Em meados dos Século IX e X d.C., os vikings provocaram batalhas e alianças entre os reis celtas locais. Como foi o caso na Inglaterra, os conflitos causados pela chegada dos vikings eventualmente (embora temporariamente) unificaram o país sob o comando de um rei, Brian Boru. A Irlanda nunca foi totalmente conquistada pelos vikings, no entanto.


Os escandinavos foram assimilados à população e se tornaram hiberno-nórdicos. Os noruegueses passaram o inverno pela primeira vez no que hoje é Dublin entre 841-42 d.C., e 'Dyflin' logo se tornou um assentamento viking extremamente importante, lar de um grande mercado de escravos. Embora as alianças nórdicas-irlandesas fossem comuns durante disputas regionais, a resistência coordenada de muitos reis da Irlanda medieval também era forte, e os vikings foram derrotados e expulsos de Dublin em 902 d.C. Eles estariam de volta em 914 d.C., quando o a segunda invasão viking começou.


O fim da era viking na Irlanda é marcada pela épica Batalha de Clontarf, em 1014, entre Brian Boru, Alto Rei da Irlanda e uma aliança Hiberno-Nórdica. Boru venceu, mas foi morto no conflito.


Como o nome sugere, a Normandia - "Terra dos Noruegueses", tem fortes conexões com os vikings. Depois que o líder viking Rollo atacou Paris e sitiou Chartres, o Rei Carlos III negociou o Tratado de Saint-Clair-sur-Epte, no ano de 911 d.C., que concedia terras aos invasores. Em 996 d.C., esse se tornaria o ducado da Normandia. Casamentos, uma fusão de culturas e idiomas entre os escandinavos, os francos e os gauleses levaram ao nascimento das pessoas que conhecemos hoje como normandos. Foi um descendente direto de Rollo, William Duke da Normandia, que conquistou as forças do rei anglo-saxão Harold na Batalha de Hastings em 1066, inaugurando uma nova era do domínio Viking na Inglaterra, embora com um nome diferente.


Vikings no Mediterrâneo

Enquanto os exploradores escandinavos avançavam para o sul, encontraram guerra e riqueza.


Os califados muçulmanos tinham a boca do Mediterrâneo bem defendida no início do século IX d.C., por isso era arriscado para os vikings tentarem invadir pelo mar. Há relatos de vikings tenazes que traficavam escravos por terra, mas, eventualmente, os possíveis despojos de expedições das invasões ao sul se mostravam irresistíveis.


A primeira tentativa dos vikings de avançar para o Mediterrâneo ocorreu em 844 d.C. Uma frota de até 100 navios deixou a Aquitânia (França) para atacar Gijon e Corunha (norte da Espanha). Eles enfrentaram forte resistência dos cristãos asturianos e continuaram pela Península Ibérica, realizando um ataque de 13 dias à Lisboa (hoje em Portugal), atacando Cádiz (Espanha) e avançando para o interior para capturar Sevilha e ameaçar Córdoba.


O califado muçulmano de Abd al-Rahman II reagiu com força. Eles emboscaram os vikings, enforcando e decapitando muitos deles. Os nórdicos tiveram que sair e voltar para a Aquitânia.


Uma excursão viking de maior sucesso na região ocorreu 15 anos depois. Foi liderada por Hastein e Björn Ironside, filhos do lendário viking Ragnar (algumas fontes sugerem que Hastein foi adotado). Em 859 d.C., eles deixaram o Loire da França para navegar pela Península Ibérica com uma expedição de 62 navios. Novamente, eles lutaram contra os asturianos e, na Espanha, foram derrotados pelo exército muçulmano do califado omíada de Córdoba.


Em vez de fugir para o norte, os vikings escaparam pelo estreito, passaram pelos Pilares de Hércules e entraram no Mediterrâneo, pegando Algeciras (sul da Espanha) de surpresa, saqueando a cidade e incendiando a mesquita. Mais ataques ocorreram nas costas do norte da África, onde saquearam Nekor (no Marrocos moderno) e atacaram assentamentos em Orihuela (sudeste da Espanha) e nas Ilhas Baleares.


Depois de passar o inverno em Camargue, na foz do rio Ródano, Hastein e Björn renovaram sua ofensiva no vale do Ródano. Saquearam Narbonne, Nîmes e Arles, subindo o rio até o norte, em Valence, antes de voltar suas atenções para a Itália. Pelo menos parte da frota viking viajou ao longo da costa da Toscana, subiu o rio Arno e atacou Pisa e Fiesole.


A cidade italiana de Luna sofreu o ataque mais infame da campanha. Pensando que eles haviam chegado a Roma, Hastein supostamente fingiu estar mortalmente ferido e pediu para ter acesso à cidade para que pudesse se converter ao cristianismo e receber os sacramentos antes de morrer. O bispo consentiu e, uma vez lá dentro, Hastein fingiu a morte. Um grupo de enlutados também teve acesso, e Hastein voltou à vida e liderou um ataque assassino a Luna por dentro. Foi só quando se retiraram que perceberam que não haviam realmente derrubado Roma.


Segundo alguns relatos, os vikings continuaram invadindo assentamentos do Império Bizantino no Mediterrâneo oriental.


Quando eles finalmente resolveram voltar para casa, parando brevemente para pegar alguns escravos (possivelmente africanos ocidentais ou tuaregues, conhecidos pelos vikings como blámenn - 'homens azuis'), mais uma vez lutaram contra uma forte força muçulmana na boca do Mediterrâneo. A última ação da campanha foi em Pamplona (norte da Espanha) e Hastein e Björn chegarem ao Loire com 20 navios sobreviventes em 862 d.C.


Vikings na Rússia e além

Os vikings que se dirigiram para o leste tiveram, talvez, o maior impacto de todos.


Para os povos eslavos, esses recém-chegados nórdicos eram conhecidos como varangianos ou russos e dominaram a região entre os séculos IX ao XI, deixando um legado visto nos próprios nomes da Rússia e da Bielorrússia.


Eles viajaram profundamente no continente ao longo dos rios Volga e Dnieper, assumindo o controle de rotas comerciais antigas e estabelecendo a principal cidade Kiev. Eles até venderam suas habilidades letais ao Império Romano do Oriente, para quem trabalhavam como a Guarda Varangiana Bizantina Mercenária. As fontes primárias são escassas, e o debate continua em torno das origens dos principais protagonistas deste período, mas é comumente aceito que os russos chegaram pela primeira vez à região em meados do Século IX d.C. Eles começaram a extrair dinheiro da população local, tribos eslavas que viviam ao redor do povoado de Novgorod, que os nórdicos chamavam de Holmgård.


Em 862 d.C., essas tribos levaram os invasores de volta ao mar. Mas o caos e as lutas se seguiram entre grupos rivais e os russos foram supostamente convidados a voltar para restaurar a ordem, o que fizeram sob a liderança de Rurik. A dinastia que Rurik estabeleceu durou sete séculos, até o tsardom da Rússia.


Desde os tempos de Rurik, os russos fizeram vários ataques à capital bizantina, Constantinopla (hoje Istambul). O sucessor de Rurik, Oleg, mudou sua capital para Kiev e criou o estado de Kievan Rus. No auge, o estado controlava o comércio ao longo dos rios Dvina, Dnieper e Volga, que fluem respectivamente nos mares Báltico, Negro e Cáspio, formando assim uma rede comercial que ligava a Europa Central Medieval e o Império Bizantino a ricos califados árabes que se estendiam até como Bagdá, tornando os russos ricos e inchando o seu território rapidamente.


Várias vezes a Rússia travou guerras contra Constantinopla, principalmente para garantir melhores termos comerciais, em conflitos que às vezes envolviam até 10.000 embarcações, fazendo a Rússia chamar reforços de varangianos (além do mar), ou seja, da Escandinávia.


Em 980 d.C., Vladimir, o Grande (descendente de Rurik e Oleg) havia consolidado a região da Ucrânia moderna até o Mar Báltico, depois de contar com a ajuda de seu parente Jarl Håkon Sigurdsson, governante da Noruega, para retomar Novgorod e Kiev de seu irmão. Vladimir converteu o império ao cristianismo durante o seu governo, que durou até 1015.


Enquanto isso, todas as gerações de russos estavam ocupadas casando-se com vários povos eslavos e, até o final do século XII, um novo grupo étnico havia surgido: os russos modernos.


Vikings no norte

As colônias da Islândia e da Groenlândia revelam o lado pacífico dos nórdicos.


Por uma série de razões, incluindo brigas violentas, distúrbios civis na Noruega sob o comando do Rei Harald I, o desejo de encontrar boas terras e o inerente de explorar — vários vikings atravessaram o Mar do Norte durante o século IX d.C.


Os noruegueses estavam ocupando as Ilhas Faroé em 800 d.C. e, na segunda metade do século, estavam enfrentando climas mais frios perto do Círculo Polar Ártico. Os primeiros visitantes vikings na Islândia chegaram às margens da ilha por engano.


Entre eles, Naddodd, que se perdeu enquanto navegava da Noruega para as Ilhas Faroé, e se encontrou na costa leste da Islândia. Naddodd chamou o país de Snæland (Snowland – Terra da Neve), mas foi renomeado pelo viking sueco Garðar Svavarsson, que também lá chegou por engano, mas ficou tempo suficiente para circunavegar a ilha e a renomear: Garðarshólmi. O nome atual, Ísland (Islândia), originou-se com Flóki Vilgerðarson, o primeiro viking a visita-la deliberadamente e passar o inverno lá.


Os invernos eram escuros e rigorosos, mas pelo menos a Islândia não tinha uma população indígena indignada. Além de um escravo solitário deixado por Garðar e, possivelmente, um monge irlandês super-recluso que habitava as cavernas, a Islândia estava desabitada. Isso combinava com Ingólfur Arnarson, um chefe viking que chegou com seu irmão adotivo Hjörleifur em 874 d.C., fugindo de uma briga de sangue na Noruega.


Os irmãos desembarcaram na península sudoeste da Islândia, em um lugar que Arnarson chamou Reykjavík (que significa 'Baía de Fumaça', refletindo a atividade geotérmica da área). Hjörleifur foi assassinado por seus escravos maltratados, mas Arnarson não ficou sozinho por muito tempo; entre 874 e 930 d.C., cerca de 20.000 colonos chegaram à Islândia. Um parlamento (Alþingi) foi formado e as leis foram estabelecidas.


Depois de ter infringido essas leis matando vários homens durante uma disputa, um viking chamado Erik, o Vermelho foi banido da Islândia por três anos em 982 d.C. Partindo com 25 navios, Erik descobriu a Groenlândia e passou seu exílio explorando a costa sul. Após exilar-se, retornou à Islândia, mas voltou à Groenlândia em 986 d.C., levando consigo um grupo de colonos.


Eles chegaram em um período quente, mas a vida se mostrou difícil. A terra era dura, não havia árvores e o clima piorou, resultando em uma mini era glacial.


O povo Thule, ancestrais dos Inuit, a quem os nórdicos chamavam de 'Skrælings', tornou a vida ainda mais complicada. Eles estavam se expandindo por toda a região e, no último estágio da ocupação viking, o assentamento sofreu um ataque Skræling.


Numa época, havia cerca de 5.000 pessoas nos assentamentos nórdicos da Groenlândia, os quais duraram quase cinco séculos antes de se isolarem e perderem o contato com a Islândia e a Escandinávia.


Os gronelandeses desapareceram nas brumas da mitologia. Todos os registros desapareceram após o Século XV, e uma expedição dano-norueguesa à Groenlândia em 1721 não encontrou europeus sobreviventes.


No entanto, muito antes de seu declínio, a Nórdica Groenlândia produziu provavelmente o explorador viking mais conhecido: Leif Eriksson, filho de Erik, o vermelho, que estabeleceu um assentamento na América 500 anos antes de Columbo.


Vikings na América

Os vikings foram os primeiros europeus a pisar em solo americano.


É creditado a Leif Eriksson o estabelecimento de uma colônia no Canadá atual, mas ele não foi o primeiro europeu a observar o continente norte-americano. Essa honra pertence ao norueguês Bjarni Herjólfsson que, como diz a saga Groenlendinga, avistou uma costa bem a oeste da Groenlândia em 986 d.C., depois de se perder profundamente ao tentar encontrar seu pai, que emigrou com Erik, o Vermelho.


Herjólfsson acabou localizando a Groenlândia, onde contou a experiência e foi muito ridicularizado por não ter conseguido pousar e explorar as novas margens, especialmente por Erik, que adorava uma aventura. Por volta de 1000 d.C., o filho de Erik, Leif Eriksson, comprou o knörr (barco) de Herjólfsson e refez sua rota com uma tripulação de 35 pessoas, seguindo marcos, correntes e ventos durante uma viagem de 1.800 milhas para um novo mundo totalmente desconhecido. O próprio Erik teria liderado a expedição, mas ele caiu do cavalo e sofreu uma lesão pouco antes da partida.


As sagas, incluindo a saga Eiríks rauða ('saga Erik, o Vermlho'), Hauksbók e o Flatey Book, fornecem relatos de três áreas descobertas durante as aventuras norte-americanas de Leif: Helluland, que significa a 'terra das pedras chatas' (agora Baffin Island) ; 'Terra das florestas' da Markland (Labrador e Terra Nova); bem como Vinland, "terra do vinho", (Newfoundland Island). Leif acampou em Leifsbúðir (perto de Cape Bauld, perto da atual L'Anse aux Meadows, no extremo norte da Terra Nova) em 1001. Ele passou dois invernos lá, descobrindo “bagas de vinho” (provavelmente fermentando squashberries, groselhas ou cranberries) no processo, antes de retornar à Groenlândia.


O novo país tinha tudo o que a Groenlândia não tinha, incluindo árvores (necessárias para a construção de barcos e casas), bom solo, clima menos brutal e abundância de presas. No entanto, também tinha uma população indígena de tribos inuits e da primeira nação Thule, todas chamadas de 'Skrælings' pelos nórdicos, que não ficaram emocionadas com a súbita chegada desses pales de pele de linho.


O irmão de Leif, Thorvald Eriksson, visitou em 1004, levando consigo 30 homens e passando o inverno em Leifsbúðir. Thorvald aparentemente instigou o conflito com os Skrælings, atacando um grupo, enquanto eles dormiam embaixo de canoas. Isso provocou uma resposta violenta da tribo, que levou ao assassinato de Thorvald.


Outro viking, Thorfinn Karlsefni, fez um esforço conjunto para colonizar adequadamente o novo mundo em 1009, chegando com três navios, gado e 160-250 pessoas, incluindo a irmã de Leif, Freydís Eiríksdóttir. O grupo tentou viver em Straumfford e Straumsöy, e conseguiu estabelecer um comércio com Skrælings.


No entanto, surgiram conflitos entre os recém-chegados e o povo Thule, que usava uma grande catapulta em batalha. Um incidente infame descrito na saga de Erik, o Vermelho, mostra uma Freydís grávida, mantendo-se firme durante um ataque, enquanto todos os homens corriam, assustando os Skrælings ao descobrir seu peito e golpeá-lo com uma espada.


Por fim, esses ataques e o afastamento da colônia os condenaram ao fracasso. Como o contato foi perdido com a Groenlândia, os detalhes são escassos, mas é possível que as coletas de madeira e as viagens comerciais a Markland tenham continuado por mais 350 anos.


Os Anais da Islândia falam de um navio com 18 homens, carregado com madeira, que chegou à Islândia em 1347, enquanto tentava retornar à Groenlândia a partir de Markland.


FONTE: History Extra

KINSELLA, Pat. Russia, North America and the Middle East: where did the Vikings visit to trade and raid? History Extra, Londres, 2 de dez. de 2019. Disponível em: <https://www.historyextra.com/period/viking/vikings-norse-raiders-where-countries-visit-impact-travell-russia-greenland-america-england/>. Acesso em: 02 de dez. de 2019. (Livremente traduzido pela Livros Vikings).


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#Viking #Vikings #EraViking #MundoViking #Russia #Normandia #OrienteMédio #África #Ásia #Escandinávia #VikingSuécos #VikingsDinamarqueses #VikingsNoruegueses #VikingsNaIrlanda #VikingsNaEscócia #VikingsNaInglaterra #VikingsNaAmérica #LivrosVikings

70 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0