• Livros Vikings

OS VIKINGS NA GRÃ-BRETANHA: COMO OS INVASORES SE TORNARAM REIS

Atualizado: Abr 30

O historiador medieval Ryan Lavelle estudou a história dos vikings na Grã-Bretanha, desde as primeiras incursões dos invasores marítimos que desembarcaram em Lindisfarne em 793 até a sua luta contra Alfredo, o Grande, além da conquista da coroa inglesa pelo guerreiro dinamarquês Cnut — e sua deposição abrupta na conquista normanda de 1066.

Imagem do Rei Cnut no vitral da Catedral de Canterbury (Foto por CM Dixon/Print Collector/Getty Images)

Há pouco mais de um milênio, um príncipe da Dinamarca foi aclamado rei da Inglaterra. Vencedor de uma longa e sangrenta campanha, Cnut se casou com a viúva de seu antecessor, conquistando e assumindo o controle de um dos reinos mais poderosos da Europa do Século XI. Lembrado como Knud den Store (Cnut the Great ou Cnut, o Grande) na Dinamarca e em grande parte da Escandinávia, curiosamente não recebeu a mesma atenção na Inglaterra, onde como um rei anglo-dinamarquês exerceu seu poder por duas décadas até sua morte em 1035. A transformação de Cnut de senhor dos mares viking em rei cristão é um exemplo perfeito da maneira pela qual os próprios vikings haviam mudado. A jornada de assaltantes e piratas sazonais a governantes altamente respeitados levou pouco mais de dois séculos, mas foi um dos desenvolvimentos mais importantes da Europa Ocidental. Não apenas a Dinamarca, a Noruega, a Islândia e a Suécia atingiram a maioridade, mas os reinos inglês e escocês surgiram no calor das guerras vikings. Quando os vikings chegaram pela primeira vez à Inglaterra? Na Grã-Bretanha e na Irlanda, a era dos nórdicos começou gradualmente. As primeiras atividades vikings eram surpreendentemente pequenas, mas eram mortais e tiveram um impacto muito além do seu tamanho. As flotilhas atravessaram o Mar do Norte para invadir locais costeiros e estuarinos, particularmente mosteiros, repletos de tesouros como resultado de um “boom” econômico do Século VIII. Aqueles que iniciaram os ataques foram os felizes beneficiários do desenvolvimento da tecnologia marítima, o que lhes permitiu partir da Escandinávia confiantes de poderem voltar em segurança. Embora, como outros navios da época, eles pudessem ser remados, os navios vikings desfrutavam de velas quadradas lindamente equipadas; eles tinham quilhas fortes e cascos bem projetados. Até se argumentava que os vikings haviam desenvolvido suas habilidades de navegação muito antes de outros povos europeus. Enquanto muitos navios medievais antigos usavam rotas costeiras para viajar entre as terras, as novas embarcações podiam dominar os caminhos marítimos por águas abertas, talvez até nos anos 780 e 790. Ao escrever sobre o mais antigo ataque viking (registrado) ao famoso mosteiro de Lindisfarne em junho de 793, um membro da igreja escreveu surpreso "que tal invasão do mar poderia ser feita". Apoie a Livros Vikings, saiba como... O escritor era Alcuin, ex-diácono de York Minster, que se tornara o braço direito de Carlos Magno. Embora ele estivesse a cerca de 800 quilômetros de distância na corte franca, Alcuin transmitiu parte do sentimento de choque ao ouvir as notícias das ações dos invasores pagãos. Para muitos cristãos, os vikings anunciavam o apocalipse. A Crônica Anglo-Saxônica, um registro ano a ano dos eventos associados ao reino de Wessex, relatou que a chegada dos vikings foi precedida por condições atmosféricas terríveis — "dragões" foram vistos voando pelo céu — e, de fato, uma lápide encontrada em Lindisfarne mostra bárbaros pagãos em termos apocalípticos: o Sol e a Lua, presságios do fim dos dias em que o Sol se transformaria em trevas e a Lua ficaria vermelha de sangue, são justapostas por uma imagem de sete guerreiros, a maioria dos quais brandindo surpreendentemente armas contemporâneas realistas. Quem quer que tenha enterrado aquele membro da comunidade de Lindisfarne, evidentemente, pensou que uma mensagem havia sido enviada e tinha que ser atendida. Nesses primeiros ataques, foram a velocidade e a surpresa que trouxeram sucesso. Onde os vikings são conhecidos por terem enfrentado oposição, como Lindisfarne, no litoral, talvez depois de uma invasão ao mosteiro de Jarrow em 794, as forças locais podessem enfrentá-los efetivamente. Os próprios reinos anglo-saxões tinham sua própria parcela de guerreiros endurecidos, cujo estilo de vida inteiro foi organizado para a derrota de seus inimigos e, portanto, não eram nada fáceis. Mas, com exércitos organizados para batalhas travadas de acordo com rituais e expectativas (em determinados lugares e talvez até em determinadas épocas do ano), eles raramente conseguiriam capturar inimigos que de movessem. Como um historiador colocou apropriadamente, os vikings não “seguiam as regras”. Quando os vikings se estabeleceram na Inglaterra? Na Grã-Bretanha, tudo mudou quando os vikings deixaram de serem invasores de verão e passaram a permanecer por mais tempo, uma estratégia que eles já adotavam na Irlanda. Até por volta dos anos 850, uma população local podia esperar que as bandas de guerra vikings desaparecessem no final do verão, uma vez terminada a invasão; agora, o povo estava preso ao inimigo em geral. A Crônica Anglo-Saxônica se refere a um "Grande Exército Viking". Os vikings estavam mostrando que eram mais do que grupos de saqueadores barbudos. Eles podiam se adaptar para aprender lições. As forças vikings se uniram, ancoraram os seus navios e cavaram valas e até construíram muralhas para se proteger. Dessa forma, eles iriam mais longe e poderiam dominar territórios. A defesa do reino de Wessex por Alfredo, o Grande é talvez o momento mais lembrado e celebrado deste período. Os outros três reinos anglo-saxões, Nortúmbria, Mércia e Anglia Oriental, perderam seus governantes nativos, apenas para serem substituídos por governantes marionetes ou pelos próprios vikings, mas Wessex permaneceu sem ser conquistada. O tratado de paz que Alfredo negociara em 871 foi trocado por prata, sugerindo que Alfredo sobreviveu aos anos 870. Em 878, o reino foi brevemente tomado pelos vikings, mas o retorno de Alfredo ao poder mostrou uma vontade de ferro. Havia senhores suficientes na Inglaterra dispostos a escolhê-lo, em vez de um escandinavo, e Alfredo evidentemente trabalhou duro para manter seu apoio. Mas isso não foi tarefa fácil. A presença de poderosos senhores de guerra escandinavos no sul da Inglaterra aprofundou as fissuras das rivalidades políticas. Uma carta da época registrava o confisco das terras de um ealdorman (governador) de Wiltshire, que havia “abandonado” tanto “seu senhor Rei Alfredo” quanto o seu “país”, enquanto o sobrinho de Alfredo, filho de seu predecessor Rei Æthelred (morto em 871), fazia causa comum com os vikings após a morte do rei. O que aconteceu após a morte de Alfredo, o Grande? Alfredo mantivera Wessex como descendente direto para garantir que este seria o coração do reino inglês que se desenvolveria durante o Século X. Na Escócia, surgia um padrão semelhante para os descendentes do famoso Kenneth MacAlpin (Cináed mac Alpín), cujo reino de Alba foi estabelecido no vácuo criado pela destruição da base de poder do reino ocidental de Strathclyde em um ataque viking particularmente cruel em 870. Mas, se os reinos mais poderosos se desenvolvessem, eles teriam que enfrentar os vikings como força política na Grã-Bretanha e na Irlanda. Grande parte do que é hoje a Inglaterra e do norte e oeste da Escócia, bem como a Ilha de Man e as terras ao redor da costa da Irlanda (Dublin é um dos exemplos principais), tornaram-se o lar de colonos escandinavos, com senhores vikings, levando os recursos da população local, que já haviam sido apreciados por anglo-saxões, pictos e outros governantes nativos. O controle político era o nome do jogo e, embora Wessex tivesse sobrevivido com uma dinastia nativa, os interesses escandinavos forneciam uma rivalidade feroz. O reino de York, controlado por gerações em meados do Século X pelas dinastias concorrentes com links para a Noruega, Dinamarca e Irlanda, é o melhor exemplo da mudança, e a importância do reino no Século X determinou a maneira pela qual o reino da Inglaterra se desenvolveu ao longo desse século. Até que York e seu interior foram finalmente puxados para a órbita do domínio de Wessex, após a morte do infame Erik 'Bloodaxe' em 954, Dublin, York e a Escandinávia faziam parte de um arquipélago de conexões comerciais e culturais que se estendiam do Mar da Irlanda ao Mar do Norte e além, com as conexões dos vikings com o Báltico, o Leste Europeu e a Rússia. Algum viking se converteu ao cristianismo? Durante esse período, muitos vikings se converteram ao cristianismo. Embora as crenças pagãs permanecessem, e de fato em alguns lugares Cristo se tornasse apenas uma das muitas divindades a quem alguém poderia se voltar, a adoção do cristianismo em todo o mundo viking foi o que abriu o caminho para a mudança política e social. A mudança não foi instantânea, mas, principalmente, a conversão foi o que permitiu que um rei cristão da Inglaterra casasse sua irmã com um governante viking. Æthelstan, governante de Wessex e Mércia, fez exatamente isso em 926, enquanto suas irmãs eram casadas com governantes de toda a Europa. Os vikings estavam se conectando ao mundo cristão. Dessa maneira, novas invasões à Inglaterra, lideradas pelo rei dinamarquês Sweyn 'Forkbeard', que atuara na Inglaterra nos anos 990 e nos primeiros anos do Século XI, foram obra de um príncipe cristão — mais como a invasão de William, o Conquistador em 1066 do que as depredações do Grande Exército Viking em 866. Sweyn era rei na Dinamarca, com uma frota de navios reais e um exército que ele podia chamar como exércitos "feudais" das gerações posteriores. Mas algo de viking permaneceu. Guilherme da Normandia tinha uma reivindicação legítima do reino inglês, ainda que instável. Se Sweyn tinha alguma reclamação sobre a Inglaterra, era pobre e nenhum contemporâneo fez nada disso, mesmo que apenas para negá-la. Aqueles que vieram para a Inglaterra com Sweyn podism responder a um chamado real, mas também vieram como vikings por causa das oportunidades oferecidas por pertencerem a uma enorme frota viking. Æthelred estava taxando pesadamente seus súditos em resposta a novos ataques vikings. A Crônica Anglo-Saxônica registrou os valores aumentando em resposta a cada novo ultraje, de £ 10.000 libras (uma quantia enorme para 991) para £ 16.000, para £ 24.000 e depois para £ 36.000. Parte do dinheiro foi dada aos vikings para que fossem embora; outras somas foram pagas a grupos de mercenários para prestarem serviços ao rei inglês. Tais quantias eram insustentáveis. Em 1013, Æthelred foi expulso de seu reino e foi Sweyn aclamado rei por seus homens. Parecia que ele seria o primeiro rei viking da Inglaterra, já que muitos no sul da Inglaterra já haviam se rendido a ele, entregando reféns que depois foram confiados a seu filho Cnut, que acompanhara Sweyn da Dinamarca. A coroação não era para ser. Sweyn morreu em fevereiro de 1014. Æthelred foi retirado do exílio por seus nobres e Cnut partiu para a Dinamarca, parando apenas para mutilar brutalmente os reféns cujos cuidados a ele haviam sido atribídos. Essa era a política viking em seu estado mais selvagem. Quando Cnut se tornou rei da Inglaterra? Também era típico da política medieval antiga que um ato brutal era exigido em circunstâncias difíceis. Cnut estava em uma situação difícil, e ele teve que responder de uma maneira que mandasse uma mensagem para aqueles que ele via como traidores. Quando Cnut retornou à Inglaterra para vingar-se em 1015, ele aproveitou ao máximo a política bagunçada da Inglaterra da Era Viking. Ele tinha uma frota, mas também estava vinculado pelo casamento à uma poderosa família da região central, Ælfgifu de Northampton. Para esses grupos, o Rei Cnut teria sido mais um senhor nativo do que um recém-chegado invasor. Quando Cnut foi coroado em 1017, ele deve ter parecido a única opção sensata para a nobreza inglesa. Havia uma ironia aqui, pois seu pai causara grande parte da revolta e Cnut não desempenhou um papel pequeno, mas isso não era estranho ao jogo dos tronos do Século XI. Cnut não era um pagão recém-chegado ao cristianismo, recém-convertido. Ele fazia parte de uma família real que era cristã há três gerações. Após a morte do filho guerreiro de Æthelred, Edmund 'Ironside', e o exílio na Normandia de outros filhos de Æthelred, Cnut conseguiu se apresentar como um legítimo rei inglês. Casou-se com a rainha Emma, viúva de Æthelred e irmã do duque normando, o que deu a Cnut a oportunidade de se purificar com um senso de legitimidade, mantendo sob controle as ambições dos príncipes exilados. Por trás disso, porém, estava a realidade nua do poder e do pragmatismo, não apenas da parte de Cnut, mas daqueles que o aceitaram como rei, como o poderoso arcebispo de York, o Wulfstan, que, como Alcuin, vira o fim dos dias que vinham com os ataques Vikings renovados. Ao contrário de Alcuin, o Wulfstan estava agora se acomodando à nova ordem. Podemos apenas imaginar as sobrancelhas levantadas com a notícia de que, embora Cnut tivesse se casado com a rainha Emma, ele não havia desistido de seu relacionamento com Ælfgifu. Mas se Ælfgifu estivesse na Escandinávia e ajudasse Cnut a manter conexões por lá, de onde poderiam surgir novas ameaças viking, um público inglês estaria disposto a ignorar algumas transgressões. O reino da Dinamarca de Sweyn estava nas mãos do irmão de Cnut, Harald, mas Cnut ainda tinha uma frota atrás dele, que ele manteve na Inglaterra por dois anos após a morte de Edmund. Grande parte da frota foi demitida em 1018, novamente com um pagamento massivo de dinheiro, mas Cnut manteve os serviços de 40 navios. Após a morte de Harald, por volta de 1018, o reino era agora de Cnut, e esses navios parecem ter sido importantes na campanha. As mesas viraram. Como rei da Inglaterra, Cnut agora podia ser um rei dinamarquês. A partir dessa base dinamarquesa, Cnut recuperou o território norueguês que fora sujeito ao pai. Embora o controle da Noruega continuasse sendo um problema para Cnut, assim como havia sido para Sweyn, Cnut conseguiu justificar sua reivindicação, governando a Noruega através de sua esposa Ælfgifu e seu filho até 1034. O império escandinavo se separou, mas o controle desse império deveria desempenhar um papel fundamental na queda do reino inglês em 1066. Quando o domínio Viking na Inglaterra terminou? Harald Hardrada ('governante duro') da Noruega apresentou-se como o herdeiro dos bens dinamarqueses do filho de Cnut, Harthacnut, reivindicando a Inglaterra após a morte de Eduardo, o Confessor, com uma invasão do norte da Inglaterra em setembro de 1066. Após uma vitória inicial nos portões da grande cidade viking de York, a estratégia viking de Harald foi decisivamente derrotada por seu homônimo, Harold II da Inglaterra. A última grande batalha da era viking havia sido vencida por um reino inglês que havia passado tanto tempo lutando contra a ameaça viking, mas era um reino muito diferente do de Alfred, já que o rei que travou essa batalha fazia parte da família de Cnut. através do casamento. Uma reviravolta final do destino foi que o reino se perdeu como resultado, com a conquista normanda alguns dias depois. Embora ninguém soubesse disso na época, a Era Viking da Grã-Bretanha havia terminado. Quanto da Grã-Bretanha era governada pelos vikings? A divisão mais clara de 'Viking' na Grã-Bretanha fica ao longo de uma linha do norte de Londres, seguindo para noroeste ao longo da Watling Street através da Inglaterra, seguindo um tratado feito entre Alfred, o Grande, e o líder viking King Guthrum, após a Batalha de Edington, em 878. Ao norte e leste dessa linha, nomes de lugares viking (terminando em '-por' e '-pepe') aparecem a cada poucos quilômetros, sugerindo que alguns assentamentos eram dominados por senhores de língua nórdica e talvez até resolvidos por migrantes da Escandinávia, que se estabeleceram após as campanhas do Grande Exército em meados do século IX. York, que foi adquirida pelo Grande Exército em 866, foi um antigo centro de poder, cujo interior parece ter sido resolvido rapidamente por novos senhores vikings que assumiram (e podem ter renomeado) propriedades anglo-saxônicas. Em outras partes da Inglaterra, Lincolnshire e East Anglia - cujas conexões através do Mar do Norte tiveram um papel importante em sua prosperidade - eram áreas-chave do assentamento viking. No noroeste, particularmente na Cúmbria, argumenta-se que os assentamentos dos vikings eram da Noruega e da Irlanda. Ao longo da costa de Gales do Sul, alguns nomes de lugares escandinavos podem ser encontrados (o melhor exemplo é Swansea, 'Ilha de Sweyn') sugerindo que os assentamentos ali, no mundo do Mar da Irlanda, dominados pelos Vikings de Dublin, estejam associados à navegação costeira, embora não exista evidência clara de assentamento permanente nessa área. Escavações na ilha de Anglesey, na costa do norte do País de Gales, revelaram o que foi sugerido como um acampamento Viking fortificado em Llanbedrgoch, completo com os esqueletos de vítimas de alguma atividade violenta (talvez até os próprios Vikings). Mais ao norte, no mar da Irlanda, a ilha de Man parece ter sido total e permanentemente tomada pelos vikings, talvez no início do Século X; lá o legado viking está profundamente enraizado. O parlamento anual, o Tynwald, tem suas origens na coisa dos Vikings (assembleia), e sua reivindicação de ser a assembleia parlamentar contínua mais longa do mundo é boa. No norte da Escócia, uma área sujeita aos reis da Noruega (Orkney e Shetland foram cedidas apenas à coroa escocesa em 1468 e 1469, respectivamente), os enterros em barcos sugerem ligações culturais com o mundo escandinavo. FONTE: History Extra LAVELLE, Ryan. Vikings in Britain: how did raiders and marauders become lords and kings? History Extra. Londres, 21 de abr. de 2020. Disponível em: <https://www.historyextra.com/period/viking/viking-britain-facts-timeline-lindisfarne-alfred-great-cnut-canute/>. Acesso em: 28 de abr. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings) Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp. Siga-nos nas Redes Sociais. #viking #vikings #eraviking #medieval #reiviking #vikingking #inglaterra #vikingsnainglaterra #livrosvikings

71 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasil é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

PUBLIQUE

EDITAL

BIOGRAFIA

BLOG VIKING

CONTATO

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0