• Livros Vikings

OS VIKINGS ERAM MUITO SEMELHANTES ÀS SOCIEDADES MULTIRRACIAIS CONTEMPORÂNEAS DO NORTE DA EUROPA

Os estudiosos há muito são fascinados pelo período anglo-saxão da história britânica, que se estende por aproximadamente 600 anos, desde o fim do domínio romano por volta de 410 d.C. até o início da conquista normanda em 1066. Infelizmente, poucos documentos contemporâneos estão disponíveis e, portanto, uma série de questões importantes sobre a primeira parte do período permanecem sem resposta. Uma delas é: "Quem eram os anglo-saxões?"


Os vikings eram muito semelhantes às sociedades multirraciais contemporâneas do norte da Europa
Um túmulo anglo-saxão em Taplow Court, Inglaterra. (Shutterstock)

Há um consenso de que as suas origens sejam atribuídas a uma migração de pessoas de língua germânica oriundas do noroeste da Europa continental, que começou no início do Século V. Mas, o número de indivíduos que se estabeleceram nas Ilhas Britânicas e a natureza de seu relacionamento com os habitantes pré-existentes, especialmente os Romano-Britânicos, ainda não está claro.


Apoie a Livros Vikings...

Provas conflitantes

A incerteza persiste porque duas das principais linhas de evidência se contradizem. Documentos históricos como “The Ruin of Britain” de Gildas, “The Ecclesiastical History of the English People” e “The Anglo-Saxon Chronicle” de Bede, sugerem não apenas que os recém-chegados eram numerosos, mas que substituíram completamente os romano-britânicos, matando alguns e empurrando o resto às periferias.


Esta imagem não é suportada pelos resultados das análises isotópicas. Os isótopos são diferentes formas de um elemento químico que podem ser distinguidos por suas massas atômicas e propriedades físicas. A análise isotópica pode ajudar a determinar onde um indivíduo cresceu.


Quando os isótopos de estrôncio e oxigênio extraídos de esqueletos anglo-saxões foram comparados, eles apontaram que apenas alguns dos indivíduos cresceram na Europa continental. Isso foi interpretado como evidência de que os Romano-Britânicos não foram substituídos. Em vez disso, eles adotaram uma nova linguagem e um conjunto de valores, crenças e práticas culturais de um número relativamente pequeno de recém-chegados.


Frustrantemente, os estudos genéticos não foram capazes de esclarecer o debate. Eles retornaram com uma gama tão ampla de estimativas da porcentagem de ancestrais europeus continentais na Inglaterra, que poderiam apoiar qualquer uma das hipóteses.


Uma nova linha de evidência

Recentemente, publicamos um estudo no qual usamos uma nova linha de evidências para investigar o problema: a forma tridimensional (3D) da base do crânio, que os bioarqueólogos costumam chamar de base craniana ou basicrânio.


Pesquisas anteriores mostraram que, quando o crânio básico é analisado em 3D, sua forma pode ser usada para rastrear as relações entre as populações humanas de maneira semelhante ao DNA. Raciocinamos que coletar esses dados dos crânios anglo-saxões e compará-los com dados semelhantes das duas regiões de origem em potencial poderia lançar luz sobre a composição da população anglo-saxônica.


Nossa amostra anglo-saxônica compreendeu 89 indivíduos de cinco cemitérios dos condados ingleses de Cambridgeshire, Suffolk e Kent. Três dos cemitérios datam do início do período anglo-saxão (410-660 d.C.), enquanto os outros dois datam do período anglo-saxão médio (660-889 d.C.). Também coletamos dados sobre 101 esqueletos pré-medievais de dois locais do sul da Inglaterra e 46 indivíduos de vários locais da Dinamarca que datam da Idade do Ferro (800 a.C. - 399 d.C.).


Para obter os dados de referência, empregamos uma técnica chamada fotogrametria. Importamos 200 fotos de cada um dos 236 crânios (sem a mandíbula inferior) para um software criar um modelo 3D de alta resolução de cada crânio. Em seguida, usamos outro programa para coletar as coordenadas 3D de uma série de pontos de referência na base do crânio de cada indivíduo.


Localização dos marcos usados no estudo. Fornecido pela autora (Kimberly Plomp)

Indicações de ascendência mista

Depois de coletar os dados, usamos um conjunto de técnicas estatísticas denominadas morfometria geométrica (GM) para identificar as semelhanças e as diferenças na forma dos quatro grupos: primeiros anglo-saxões, anglo-saxões médios, pré-medievais britânicos e pré-medievais dinamarqueses.


Publique seu livro pela Livros Vikings Editora

Desenvolvido na década de 1980, o GM tem sido uma ferramenta importante no estudo da evolução humana, mas só recentemente foi adotado por bioarqueólogos. O GM permite que os padrões de variação na forma sejam investigados dentro de uma estrutura estatística bem compreendida, produzindo resultados numéricos e visuais de fácil interpretação. Em nossas análises de GM, os crânios anglo-saxões que compartilhavam mais semelhanças com os esqueletos britânicos pré-medievais foram considerados ancestrais locais, enquanto aqueles que eram mais semelhantes aos esqueletos dinamarqueses foram considerados ancestrais europeus continentais.


Os resultados que obtivemos sugeriram uma diferença substancial entre a amostra do período anglo-saxão inicial e o período anglo-saxão médio. Descobrimos que entre 66 e 75 por cento dos primeiros indivíduos anglo-saxões eram de ascendência europeia continental, enquanto entre 25 e 30 por cento eram de ascendência local. Em contraste, descobrimos que 50 a 70 por cento dos indivíduos do período anglo-saxão médio eram de ascendência local, enquanto 30 a 50 por cento eram de ascendência continental.


Embora nossas estimativas da porcentagem de anglo-saxões com ancestrais europeus continentais se enquadrem confortavelmente na faixa de estimativas derivadas de dados genéticos, elas contradizem o quadro pintado tanto pelos documentos históricos quanto pelas evidências isotópicas. Especificamente, nossas estimativas sugerem que houve maior persistência da população romano-britânica do que afirmam os documentos históricos, e um número maior de imigrantes do que a evidência isotópica indicou.


Uma das autoras, Kimberly Plomp, fotografando um crânio para demonstrar o estágio inicial da fotogrametria. Fornecido pela autora (Kimberly Plomp)

Achamos que essas discrepâncias podem ser explicadas com relativa facilidade. Provavelmente a incompatibilidade entre os nossos resultados e os documentos históricos se relaciona ao fato de que os documentos foram escritos muito depois — em alguns casos, várias centenas de anos depois — da migração e, portanto, são de precisão questionável.


Suspeitamos que a diferença entre os nossos resultados e dos isótopos possa ser consequência de um mal-entendido. Embora os isótopos de estrôncio e oxigênio sejam informativos sobre onde um indivíduo cresceu, eles não nos falam sobre a ancestralidade de uma pessoa. Portanto, é possível que alguns, senão todos, os indivíduos com assinaturas isotópicas locais fossem imigrantes de segunda geração —ou seja, seus pais se originaram na Europa continental, mas eles próprios nasceram e foram criados nas Ilhas Britânicas.


Língua e cultura, não genética

Existem várias explicações potenciais para a mudança na composição da população anglo-saxônica entre o período anglo-saxão inicial e o período anglo-saxão médio, mas achamos que o mais provável é que tenha havido um aumento no número de pessoas locais adotando uma identidade anglo-saxônica ao longo do tempo.


Isso pode ter ocorrido porque ser anglo-saxão era considerado um status superior ao de ser romano-britânico. Alternativamente, poderia simplesmente ter sido uma consequência de pessoas copiando umas às outras de forma aleatória. Esse processo, conhecido como “deriva cultural”, demonstrou ser capaz de dar conta de uma série de padrões culturais na história recente.


Aprenda sobre os vikings, lendo uma das obras da Livraria Livros Vikings

Independentemente da causa da mudança na composição, é claro, a partir de nossos resultados, ser um anglo-saxão era mais uma questão de idioma e cultura do que de genética.


Curiosamente, isso ecoa nos resultados obtidos no maior estudo de DNA viking publicado até hoje. Neste estudo, descobriu-se que vários indivíduos que foram enterrados como vikings eram de ascendência local, o que sugere que ser viking também era um fenômeno linguístico e cultural, e não genético.


Os anglo-saxões e vikings são frequentemente vistos em termos raciais, com a descendência biológica considerada um aspecto-chave de ambos os grupos. No entanto, os resultados de nosso estudo e o de DNA Viking indicam que a descendência compartilhada não era um requisito para ser um membro de nenhum dos grupos.


Em vez disso, parece que os anglo-saxões eram um grupo de indivíduos de diversas ancestralidades, que compartilhavam língua e cultura comuns. O mesmo vale para os vikings. Em outras palavras, os anglo-saxões e os vikings eram muito semelhantes às sociedades multirraciais contemporâneas do norte da Europa.


FONTE: The Conversation

COLLARD, M; DOBNEY, K; PLOMP, K. Ancient skulls show Anglo-Saxon identity was more cultural than genetic. The Conversation. Waltham, 07 de jul. de 2021. Disponível em: <https://theconversation.com/ancient-skulls-show-anglo-saxon-identity-was-more-cultural-than-genetic-163338>. Acesso em: 08 de jul. de 2021. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #dna #dnaviking #anglosaxão #genética #ancestrais #inglaterra #vikingsnainglaterra #dinamarca #vikingsdinamarqueses #livrosvikings