• Livros Vikings

OS ESCOCESES QUE CONTINUAM PESCANDO COMO OS VIKINGS

Mas, não está claro se as gerações futuras manterão a tradição viva.


FONTE: Atlas Obscura

Quando em terra, o experiente pescador John Warwick leva uma vida normal. Mas quando “cai de cabeça” no Solway Firth, negocia caprichosamente com a maré, onde é conhecido como Young Slogger. Seu pai, Slogger, é o quinto pescador antes dele, e o apelido Warwick o identifica em uma linha de sucessão — não apenas um pescador, mas um haaf netter e, portanto, um guardião de tradições.


Os vikings foram os primeiros haaf netters. Muitos séculos atrás, quando chegaram a essa passagem estreita do mar da Irlanda, os marinheiros nórdicos desenvolveram um novo método de pesca mais adequado às marés locais. Em vez de lançar linhas a partir do conforto de um barco ou costa, eles entravam na água com uma viga de quatro metros de comprimento fixada a uma rede, cortada por um poste de 15 metros de altura. Cravando o poste na areia e mantendo a viga acima da água, os mocassins criavam uma estrutura semelhante a um gol de futebol que poderia prender salmões ou trutas desavisados na maré. Os moradores de Annan, uma cidade no sudoeste da Escócia, a qual abraça o Solway Firth, passaram a navegar desde então, enfrentando areia movediça e correntes para capturas ocasionais.


"Fui criado em uma família de pescadores", diz Warwick. "Meu pai era um haaf netter e seu pai antes dele."


Durante séculos, a maioria das pessoas que carregavam as vigas vinham de famílias de pescadores de longa duração, como a de Warwick. Hoje, no entanto, a tradição está prestes a desaparecer, porque há apenas um pequeno e reduzido número de entusiastas ainda praticando o comércio antigo (e agora, devido aos regulamentos recentes, apenas para o esporte). À medida que se aproxima o início da próxima temporada de haafing, as apostas não poderiam ser maiores. Se a próxima geração não assumir o manto, "o Solway (em breve) será abandonado", diz Allan Warwick, primo de John.


Enquanto os vikings decidiam que o Solway irregular exigia seu próprio método de pesca, ninguém sabia exatamente por que eles desembarcaram no mar. Na verdade, os netters modernos admitem que o método não é particularmente eficiente ou eficaz. Warwick e seus colegas ficam de pé por horas, enquanto a água fria bate em suas extremidades e os peixes nadam de cabeça para baixo em todas as direções. Quando Warwick tem a sorte de arrumar um peixe, ele rapidamente levanta a rede da água para garantir a captura. É uma janela de oportunidade muito menor do que ele teria durante a pesca contemporânea, quando um anzol pode manter um peixe protegido. De fato, um praticante de pesca pode prender brevemente um peixe sem percebê-lo, se o peixe deslizar para dentro e para fora da rede sem pastar nas fibras.


É a antecipação e as longas probabilidades que dão emoção ao haafing. "O cabo (mar) é uma droga (vício)", diz George Renwick, que persegue fielmente as redes de haaf desde que um colega o apresentou ao esporte em 2000. Você se sente "um pouco trêmulo" ou "com uma grande coisa esfregando as pernas" e todo o aborrecimento e a tensão são instantaneamente submersos.


Embora possa ser fácil perder a noção do tempo entre doses sucessivas de adrenalina, uma das principais habilidades do haafing é saber quando encerrar o dia. Mudanças repentinas de maré, por exemplo, podem empurrar Renwick e Warwick para águas mais profundas. Em uma de suas primeiras saídas, Warwick, que não sabia nadar, teve que usar sua trave como dispositivo de flutuação, enquanto lutava para voltar às águas rasas. As mudanças de maré também podem alterar a textura da areia, travando as redes no lugar. "A areia é como gosma", diz Tony Turner, e em algum momento "todo mundo ficou preso na lama" (Duas vezes, se você é George Renwick).


Faça parte do livro Mitologia Nórdica: uma coletânea de contos contemporânea, saiba mais...


Mas o fascínio da rede de haaf se estende além do desafio físico. Allan Warwick descreve o Solway Firth como um cenário épico e etéreo, povoado por focas e botos, brilhando com o nascer e o pôr do sol resplandecentes. Ele viu veados nadando do outro lado da fronteira — do lado escocês até o inglês — como se estivesse dentro de um livro de histórias para crianças. As imagens e os sons evocam a longa história das redes de haaf e o que Warwick chama de "o elo com o passado", que, acima de tudo, o obriga a permanecer ativo. A palavra "haaf" significa "canal" ou "mar" em nórdico antigo, e a lenda sugere que os raios têm 16 pés de comprimento porque os remos dos vikings também tinham. Uma pedra conhecida como "Pedra do Altar" cravada nas areias rasas, é usada como marcador e ponto de referência desde a era medieval.


"Eu perdi a chance de pescar com o meu pai", diz Warwick, cujo pai (apelidado de "moda passageira") faleceu quando Allan era jovem. Mas os dois nomes agora estão gravados na Pedra do Altar, a mesma vista pelos vikings.


Por séculos, o significado de haaf netting tem sido principalmente simbólico, ligado não apenas aos vikings, mas ao nacionalismo escocês. Devido à sua proximidade com a Inglaterra, Annan foi reverenciada como uma espécie de baluarte contra "nossos antigos inimigos", a exemplo de como o Rei James V da Escócia chamou seus vizinhos do sul em uma carta de 1538. Essa carta concedia "aos cidadãos do Burgh de Annan o direito de pescar no rio Solway", como agradecimento por seus sacrifícios nas lutas militares contra os ingleses. (De fato, também existe uma tradição semelhante nas redes de haaf do lado inglês do Solway.) Esses direitos foram renovados em uma carta de 1612, concedida por James VI. Para John Warwick, há uma ironia particular em assistir o declínio das redes de haaf neste momento, com o movimento de independência da Escócia sendo reenergizado por um grande referendo de 2014 e novamente pelo Brexit.


Grande número de desafios recentes tornou difícil sustentar a orgulhosa tradição. Citando as preocupações ambientais, o governo escocês agora restringe os pescadores à pesca de captura e liberação (esportiva), que impede alguns dos pescadores menos comprometidos. Aqueles que continuaram, reconhecem que o Solway é diferente agora, com os recém-chegados substituindo o salmonete pelos arenque e pepino — um desenvolvimento que as fazendas de peixes por eles são culpados.


Outros obstáculos são geracionais. Em um mundo cada vez mais globalizado, menos pessoas nascidas em Annan ou em outras cidades como essa se sentem compelidas a ficar. John Warwick cita seu filho, que vive na Espanha e "trabalha com computadores", como exemplo. Uma nova exposição local no Devil's Porridge Museum tem como objetivo documentar e divulgar a tradição, e Warwick está planejando alguns programas de divulgação para os mais jovens, assim que a temporada de pesca começar em maio. Porém, ele sabe que está lutando contra a maré. Haafing veio dos vikings, mas é uma "tradição viva", diz Warwick. Não é para ser lembrada "como algo que aconteceu no passado".


FONTE: Atlas Obscura

TAUB, Matthew. These Scots Still Fish Like the Vikings. Atlas Obscura. Nova Iorque, 11 de fev. de 2020. Disponível em: <https://www.atlasobscura.com/articles/scottish-viking-fishing>. Acesso em: 12 de fev. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #pesca #pescaria #pescaviking #escócia #vikingsnaescócia #livrosvikings

27 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0