• Livros Vikings

O QUE AS MULHERES REALMENTE FAZIAM NA ERA VIKING

Atualizado: Abr 30

As mulheres da Era Viking desfrutavam de mais igualdade e liberdade do que quase todas as outras mulheres de seu tempo. De guerreiras a agricultoras, eis os papéis das mulheres vikings.

FONTE: Life in Norway

Alguns artigos recentes destacaram a igualdade de gênero na Era Viking. Mas enquanto as mulheres detinham um certo nível de poder, ainda havia grandes diferenças nos papéis de homens e mulheres. Mulheres na Era Viking As lendas das valquírias e as sagas que falam das donzelas de escudo são há muito questionadas por especialistas. Em 2017, um estudo de DNA de um túmulo de guerreiro viking afirmou que o falecido era na verdade uma mulher. Embora tenha sido refutado, muitos ainda acreditam nas sagas. Hoje, as mulheres norueguesas desfrutam de posições de poder nos negócios e na política, mas como eram exatamente as coisas durante o tempo dos vikings? A maioria das pessoas conhece a lenda das valquírias e já ouviu falar de supostas guerreiras vikings conhecidas como as donzelas de escudo.

Apoie a Livros Vikings, saiba como...

Mas como era a vida das mulheres vikings? Elas realmente se juntavam aos ataques? Reunimos as pesquisas mais recentes, além das suposições baseadas em sagas e outros registros para responder. Tudo pronto? Então vamos mergulhar nos detalhes. O guerreiro de Birka: homem ou mulher? Conhecida como a primeira cidade da Suécia, Birka tem uma importância histórica e cultural tão forte que o assentamento da ilha de Björkö está incluído na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.

FONTE: Life in Norway

Em nenhum lugar o status dos nórdicos como grandes comerciantes pode ser melhor visto do que em Björkö. Comerciantes vinham aqui de toda a Europa — e possivelmente além — para trocar objetos de valor. Prata árabe, miçangas do leste europeu, cerâmicas, tecidos raros e cálices de vidro são alguns dos itens descobertos aqui. No entanto, Birka tornou-se ainda mais famosa em 2017, quando foi publicado um estudo de DNA da escavação de 1889. Os restos que supostamente eram de um guerreiro desde 1889, passaram comprovadamente a ser femininos. O estudo concluiu que os itens enterrados com a mulher provam que ela era uma guerreira de alto escalão. Um dos itens era um jogo de tabuleiro estratégico relacionado ao xadrez. Os pesquisadores pensaram nisso como evidência de seu pensamento estratégico, pois esses jogos geralmente eram encontrados apenas em sepulturas de guerreiros. O Washington Post estava entre a mídia global para relatar o estudo: “O guerreiro era, de fato, uma mulher. E não apenas qualquer mulher, mas uma mulher guerreira viking, criada como a antiga Brienne de Tarth de Game of Thrones. No entanto, as críticas ao estudo vieram rapidamente. A professora de estudos vikings Judith Jesch foi uma crítica particularmente voraz. Entre outros pontos, ela argumentou que ossos de outras sepulturas poderiam ter sido misturados, e a associação de peças de um jogo com o status de guerreiro é uma especulação prematura. Ela também afirmou que os pesquisadores não consideraram outras razões pelas quais o corpo de uma mulher pudesse ter sido colocado no túmulo de um guerreiro. Pesquisa revela igualdade "notável" A maioria dos estudiosos concorda com a visão de Jesch de que o "et viking" significa que não haveria mulheres guerreiras. No entanto, as mulheres compartilhavam direitos iguais em muitos aspectos na sociedade. Elas poderiam possuir terras, iniciar processos de divórcio, servir como clérigas e administrar um negócio. No entanto, sua esfera de influência era doméstica. A sociedade escandinava moderna é conhecida por sua marcha em direção à igualdade de gênero. Das leis de licença parental a uma alta proporção de mulheres nos parlamentos, os países nórdicos são vistos como um modelo a ser seguido em todo o mundo. No entanto, pesquisas recentes sugerem que essa sociedade pode não ser tão moderna, afinal. A sociedade viking poderia muito bem ter promovido a igualdade de gênero há mais de mil anos, numa época em que os meninos eram “preferidos” em grande parte da Europa. Na revista Economics & Human Biology, os pesquisadores argumentaram que os homens e as mulheres da Era Viking experimentavam igualdade "notável". Eles também sugeriram que essa sociedade pode até ter ajudado a contribuir para a igualdade na Escandinávia de hoje. As descobertas arqueológicas ajudaram os pesquisadores da Universidade de Tubingen a traçar a igualdade nutricional e, por conseguinte, de saúde entre homens e mulheres durante a Era Viking. Eles fizeram isso analisando os dentes e os esqueletos de restos humanos que datam de mais de um milênio. Esses dados foram comparados com outros de todo o continente, usando o Projeto História Global da Saúde. O conjunto de dados de toda a Europa inclui referências a esqueletos humanos de mais de 100 locais dos últimos 2.000 anos. Os cientistas descobriram que coisas como o esmalte dos dentes e o comprimento do fêmur eram relativamente iguais entre homens e mulheres. Em uma sociedade desigual, eles esperariam ter encontrado danos permanentes ao esmalte dos dentes em crianças doentes ou desnutridas. A condição é conhecida como hipoplasia linear do esmalte. “Nós levantamos a hipótese de que, se meninas e mulheres recebessem menos comida e cuidados do que os membros masculinos da sociedade, elas teriam mais danos. A extensão em que os valores diferem entre homens e mulheres também é uma medida de igualdade dentro da população”, afirmou a pesquisadora Laura Maravall. O que as mulheres vikings usavam? Poder-se-ia pensar que as roupas vikings eram feitas apenas por praticidade, sem graça e sem vida, para combinar com as terras muitas vezes sombrias e cinzas em que viviam. De fato, os especialistas não acreditam nisso. Pensa-se que muitas de suas roupas eram brilhantes e coloridas. A roupa era antes de tudo funcional. O fator mais importante era o calor. As roupas prováveis incluíam uma camada básica de roupa íntima de linho que se estendia do ombro até o tornozelo. No topo, um vestido de alça de lã, mas comprimento menor. As duas camadas seriam presas juntas nas correias por broches de ferro ou bronze. Mulheres vikings em casa O estudo da Universidade de Tubingen também sugere uma ligação entre a igualdade rural nos tempos vikings e uma especialização na criação de animais. O professor Jörg Baten explicou que os homens lidavam com as lavouras devido à necessidade de maior força física, acrescentando: “criar animais permitiu que as mulheres contribuíssem bastante com a renda familiar. Isso provavelmente elevou sua posição na sociedade”. As mulheres também eram responsáveis por suas propriedades, muitas vezes trabalhando por meses seguidos enquanto os homens de uma comunidade ficavam fora. O centro da vida cotidiana era o Grande Salão, uma acomodação comprida de um quarto, com bancos para dormir e assentos ao redor de uma lareira central. Normalmente, a responsabilidade da mulher teria sido cuidar da casa e de seus moradores. Isso poderia incluir parentes idosos, visitantes políticos ou de negócios e, em muitos casos, filhos adotivos. As mulheres vikings eram praticantes contadoras de histórias. De fato, essa tradição oral continuou por séculos até que as histórias foram capturadas por escrito nas sagas islandesas do início da Idade Média. “Essas mulheres dos países nórdicos podem ter popularizado os mitos sobre as Valquírias: eram fortes, saudáveis e altas”, diz Jörg Baten. Mas, a imagem nas cidades escandinavas era diferente. “As cidades suecas de Lund e Sigtuna — onde hoje é Estocolmo — e em Trondheim, na Noruega, desenvolveram um sistema de classes no início da Idade Média. As mulheres de lá não tinham a mesma igualdade que suas irmãs do campo. ” Mulheres na literatura viking e na mitologia nórdica Assim, embora as mulheres tivessem muitos direitos iguais aos dos homens, sua influência era principalmente doméstica. Era improvável que se juntassem aos homens em batalha. Dito isto, por que a literatura e a mitologia nórdica estão cheias de mulheres lendárias fazendo exatamente isso? As sagas islandesas, especialmente a obra de Snorri Sturluson (1179-1241 d.C.) — um escritor islandês que transformou contos orais em obras escritas — só foram feitas algumas centenas de anos após a Era Viking. Os historiadores os consideram não confiáveis, pois frequentemente se relacionam com eventos místicos que não têm evidências arqueológicas. No entanto, eles refletem a admiração nórdica por mulheres fortes que vão aonde querem e fazem as coisas. Valquírias Claro, é impossível falar de mulheres vikings sem mencionar as valquírias. Qualquer pessoa com interesse passageiro na mitologia nórdica certamente encontrará essas figuras femininas que escolhem quem chegará ao Valhalla após sua morte. Elas são os espíritos ajudantes de Odin que são mais frequentemente retratados como donzelas elegantes que transportam os mortos para o Valhalla. Seu lado mais sinistro é muitas vezes esquecido, mesmo que seu nome signifique; quem escolhe os mortos! FONTE: Life in Norway NIKEL, David. Viking Women: What Women Really Did in the Viking Age. Life in Norway. Oslo, 26 de abr. de 2020. Disponível em: < https://www.lifeinnorway.net/viking-women/>. Acesso em: 28 de abr. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings) Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp. Siga-nos nas Redes Sociais. #viking #vikings #eraviking #medieval #mulherviking #vikingwoman #shieldmaiden #noruega #vikingsnoruegueses #livrosvikings

540 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0