• Livros Vikings

MEDO E ÓDIO — A ERA VIKING NA IRLANDA

Por volta de 795 d.C., o mosteiro de Derry (Doire) de São Columba ouviu a notícia de que grandes frotas vikings estavam se aproximando da Irlanda para saquear os tesouros de ouro e prata da Igreja Gaélica (ou Céltica) afim de levá-los em uma longa viagem à Escandinávia, em navios carregados com escravos capturados na região de Lough Foyle, que compunha o Reino de Aileach, cuja capital ficava no condado de Donegal.


Vikings rumo à terra por Frank Dicksee

Os vikings da Noruega, Suécia e Dinamarca estavam cruzando o Atlântico, vindos de suas terras frias; a força de invasão era de cerca de 100 navios que se acaloravam graças ao clima relativamente quente da área de Doire, com suas planícies ao redor de um antigo monastério. A Irlanda era a ilha dos santos e dos estudiosos, enquanto os vikings eram os bárbaros. Esse êxodo em massa da Escandinávia originou-se talvez pela pressão da população nos fiordes ou às grandes enseadas marítimas desses reinos do Norte. Os barcos tinham até 70 pés (21,33 m) de comprimento e os historiadores os atribuíram aos dinamarqueses.


Eles haviam remado pelo rio Foyle, onde havia fortificações ou duns antigos, governados por um rí (rei), que eram cristãos devotos. Do rio Foyle, seguiram ao interior e para a área das Montanhas Sperrin, com suas muitas florestas, onde havia muitos mais grupos de cristãos em mosteiros, certamente feitos de madeira. Mas, os dinamarqueses eram principalmente uma raça marítima e a maioria de seus assentamentos era ao longo da costa — primeiro em Doire, depois ao longo da costa de Antrim até Laharna ou Larne, que chamavam Larne Lough como o fiorde de Ulreck. Outros assentamentos foram estabelecidos em Strangford (fiorde) e em Carlingford (fiorde) de onde invadiam ao longo da costa sul da Irlanda.


Fazia 400 anos que São Patrício se estabelecera na Irlanda, mas os nórdicos ameaçavam a existência da igreja gaélica. Muitos locais dinamarqueses ao redor do Foyle receberam o nome de líderes dinamarqueses, após terem matado muitos cristãos ou capturarem escravos para venderem no Norte.


Entretanto, nas áreas de Derry e Foyle, os dinamarqueses jamais haviam sido derrotados até o Século XI na Batalha de Clontarf pelo rei supremo de Tara, que era um cristão convertido.


Faça parte do livro Mitologia Nórdica: uma coletânea de contos contemporâneos, saiba mais...


Os navios vikings podiam se mover rapidamente sobre as ondas, cada um composto por cerca de 30 guerreiros que lutavam contra os remos. Os barcos eram impulsionados por velas e remos, possuíam um ornamento pagão na proa e um capitão, As velas tinham grande variedade de cores. Os dinamarqueses em Foyle não apenas eram conquistadores, eles eram agricultores e colonos, alguns deles chegavam ao nível do gaélico nativo, que só podiam lutar com escudos de couro e espadas de pedra. As planícies ao redor de Derry ou Doire possuíam terras agrícolas ricas, juntamente com muitas igrejas pequenas e alguns mosteiros menores que os da fundação de São Columba. Os nórdicos ouviram em sua terra natal que havia grandes riquezas a serem conquistadas em reinos como o de Aileach e em outros lugares da Irlanda e da Grã-Bretanha, onde se estabeleceriam em Jorvick (York), sede da operação Viking nas ilhas britânicas.


“O vento está amargo hoje à noite / Atire os cabelos brancos ao oceano / Hoje à noite não temerei os ferozes guerreiros do Norte / Percorrendo o mar da Irlanda”

Poema anônimo, provavelmente oriundo de um mosteiro do norte por volta de 850 d.C.


Esses pagãos de cabelos escuros e claros, com mantos e escudos, pretendiam roubar a Igreja e seus muitos mosteiros. A Irlanda não era um país muito populoso, o que tornava muito mais fácil a tarefa dos vikings em relação à conquista. Do rio Foyle, o feroz capitão viking Turgesius avançou para saquear muito do que hoje é o Condado de Londonderry ou Derry.


A Irlanda não estava sozinha no itinerário nórdico, pois invadiam tão longe quanto Constantinopla (Mecklesburg) no Século IX, que possuía muita riqueza e capital; e do que restou do império romano no leste da Europa, Roma Ocidental caiu para os bárbaros no Século V, com os ataques dos hunos e godos.


Os monges de Aileach e Doire queriam preservar e esconder suas riquezas dos dinamarqueses, portanto construíram torres redondas de pedras, pois o mosteiro de Derry havia sido invadido várias vezes. Ao ouvirem um ataque, os monges de Doire subiam em suas torres, carregando as suas riquezas com eles. Os dinamarqueses enfiaram os monges nas espadas e montaram uma estátua para Odin no mosteiro, quebrando ou queimando estátuas de Cristo e da Virgem Maria; eles também profanaram os altares das igrejas de Doire.


FONTE: Derry Journal

Mas os cristãos nunca puderam respeitar os vikings, embora, ao longo dos séculos, muitos deles tenham se tornado cristãos. Turgesius foi morto por afogamento em Lough Owel por alguns dos gauleses que conseguiram chegar ao topo como vikings, um destino semelhante à espera de outros nórdicos. Embora os monges das Ilhas Foylelands tenham sido sobrecarregados pelas guerras contra os dinamarqueses, eles ainda foram capazes de escrever belos manuscritos ou livros nos mosteiros gaélicos durante o Século VIII, como a idade do broche de Tara, o cálice de Ardagh e o Livro de Kells, três tesouros do mundo.


Metalúrgicos batem seus cálices de bronze, prata e ouro, cruzes e muitas outras obras em curvas de arame de ouro entalhados com linhas. As cores dos penmen eram produzidas em esmalte, e o pedreiro cobria o eixo com curvas pintadas sobre ele. A placa dessas pequenas cruzes teria sido mantida unida por pregos. Assim, no extremo do mundo, em uma Europa que estava se recuperando da queda de Roma, o reino de Down vivia uma grande era de arte e aprendizado — a ilha fora de santos e estudiosos. Durante tempos de paz, os estudiosos chegaram aos bancos Foyle para aprender tudo sobre a igreja gaélica. Na igreja do que hoje é o condado de Down, os monges mantiveram vivo o espírito cristão e viajaram à Europa para levar a palavra para a corte do imperador alemão Carlos Magno no Século IX.


O povo das planícies de Foyle sempre viveu na esperança de que os vikings fossem derrotados e que a fé da Igreja Gaélica durasse para sempre na Ilha Esmeralda e além. Embora os gauleses não fizessem nenhum esforço conjunto para combater os nórdicos, os chefes gaélicos locais conseguiram interceptar seus ataques assassinos e revidar sem piedade. As torres redondas da Irlanda são os principais restos do cristianismo gaélico na ilha e ainda dominam a paisagem, geralmente conectada a um mosteiro ou sozinhas. Elas são uma homenagem à arquitetura desde os tempos antigos, mas não está claro quando deixaram de ser locais de refúgio. Para encerrar, a tradução para o gaélico de “torre redonda” é entupimento.


Hoje, há um pouco de sangue viking nas veias irlandesas.


FONTE: Derry Journal

SHEANE, Michael. Fear and loathing... Derry in the Viking age. Derry Journal. Londonderry, 17 de jan. de 2020. Disponível em: <https://www.derryjournal.com/retro/fear-and-loathing-derry-in-the-viking-age-1-9204550>. Acesso em: 17 de jan. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings).


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adiciona-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #irlanda #vikingsnairlanda #livrosvikings

78 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0