• Livros Vikings

CENÁRIO VIKING ATRAI CADA DIA MAIS VISITANTES ÀS ILHAS FAROÉ

Atualizado: 28 de Dez de 2019

A jornalista Kelly Smith do Minneapolis Star Tribune conta sua experiência nas Ilhas Faroé e fala sobre as suas impressões a propósito de uma das localidades cuja cultura viking ainda é bastante presente:


FONTE: Star Advertiser

Uma ilha gramada, com penhascos rochosos projetava-se do mar — sem uma árvore à vista.


Enquanto eu caminhava ao longo de uma trilha, vi as montanhas de outras ilhas ao longe cobertas de neve. Aves marinhas chiavam e voavam pelos céus azuis. Ao fundo, um forte farol vermelho e branco empoleirado — o objeto da minha caminhada — e o mar, que se estendia infinitamente pelo horizonte.


Eu sentia como se tivesse chegado ao final do mundo.


Mas, na verdade, era apenas a ponta mais distante da ilha de Kalsoy, uma das ilhas mais ao norte de Faroé.


Eu fui com aquele sentimento remoto de admiração, porém eu era apenas uma, dentre um número crescente de pessoas que procuram essas pequenas manchas no mapa entre a Escócia e a Islândia. Os viajantes vêm por suas vistas panorâmicas, cachoeiras, papagaios-do-mar e, paradoxalmente, para fugir das multidões.


Alguns anos atrás, as vistas deslumbrantes eram deixadas amplamente para os 50.000 habitantes das ilhas. Mas desde 2013, o número de turistas aumentou em média 10% ao ano, de acordo com o Visit Faroe Islands. Em 2018, um recorde, 120.000 pessoas visitaram as ilhas vulcânicas.


"O Instagram é provavelmente a maior razão pela qual as pessoas vêm", disse-me o agricultor Johannus Kallsgaro, de 25 anos, acendendo um cigarro. "Estamos em todo o Instagram".


Desde 1698, seus antepassados vivem em Trollanes, uma vila em Kalsoy, com apenas três famílias que, por gerações, vivem da criação de ovelhas e do rapel em falésias para coletar ovos de pássaros. A vila tornou-se acessível aos carros, quando os túneis foram escavados nas montanhas durante a década de 1980, porém permaneceu isolada, até que os turistas começaram a chegar, atraídos por imagens dramáticas dos picos das montanhas, e do farol. Agora Kallsgaro disse que sua terra outrora isolada recebe 20.000 visitantes por ano, forjando caminhos pela terra que antes não existiam.


Embora agora o agricultor seja um guia turístico de meio período, nem tudo foi um benefício para ele. Multidões lotam os seus campos estacionando carros; alguns andarilhos fazem bagunça e outros deixam o seu portão vermelho aberto, permitindo que suas ovelhas escapem. Se um caminhante se machuca, Kallsgaro chama um resgate de helicóptero, um serviço gratuito. (Um jornal local afirmou que os helicópteros resgataram 20 pessoas nas Ilhas Faroé em 2018, metade das quais eram turistas.)


As ilhas vulcânicas fazem parte do Reino da Dinamarca, mas são auto-governadas com sua própria bandeira, cultura, idioma e paisagem distinta — um paraíso isolado para visitantes, os quais podem descer na ilha por balsa, helicóptero ou carro, através de túneis submarinos. Com algumas exceções, eles oferecem acesso livre e sem restrições ao cenário. Mas em abril passado, as ilhas fecharam temporariamente para manutenção dos principais acessos. Alguns agricultores estão começando a impor taxas para que os turistas possam percorrer as suas terras.


Crescente popularidade

Embora o número de viajantes seja pequeno em relação a outros lugares (por exemplo, a Islândia supera 2 milhões de visitantes por ano), as pequenas Ilhas Faroé estão tentando acompanhar sua crescente popularidade. As ilhas, que abrangem uma área com metade do tamanho de Rhode Island, foram eleitas como o principal destino dos leitores da National Geographic Traveler de 2015.


Desde então, o Airbnb apareceu. Dois hotéis, incluindo o primeiro hotel de uma rede, o Hilton Garden Inn, estavam sendo construídos quando visitei a capital na primavera passada, Tórshavn (pronunciada como "Toesh-ow-n").


"É um pequeno ponto no mapa, mas há muitas coisas acontecendo aqui", disse David Whale, um britânico que é co-proprietário da Heimdal Tours.


Os visitantes são atraídos pelo ar fresco e pelas vistas espetaculares das montanhas e do Atlântico Norte, como um antídoto para uma vida acelerada, disse ele. "Você vem aqui e literalmente respira fundo."


De fato, existem apenas cinco semáforos e mais ovelhas do que os residentes nas 18 principais ilhas, conhecidas pelo tempo chuvoso e pelos ventos.


"Essa é a terra de 10.000 cachoeiras", disse Whale.


Fiz a minha viagem solo de uma semana antes do pico turístico de verão. Para economizar dinheiro e evitar dirigir sozinha por túneis estreitos e escuros de mão única, pulei o aluguel de carros, um desafio para passear em qualquer ilha. Ainda mais em um local com transporte público limitado e um setor de turismo emergente. (Porém há dois túneis submarinos bem iluminados e bidirecionais. Equipes estão construindo um terceiro, que está programado para abrir em 2020.)


Em vez disso, reservei passeios com duas empresas, que ofereciam excursões apenas em determinados dias, um desafio de agendamento. Eu também contava com balsas públicas, ônibus e um helicóptero, todos com horários e destinos limitados. Em uma parada, peguei carona com um americano, um casal irlandês e outros estranhos ao longo do caminho.


O sol estava brilhando no oceano azul safira quando subi a bordo de uma balsa na ilha de Vagar (pronuncia-se “vogar”), indo para Mykines (pronuncia-se “Me-ch-ness”), a ilha mais a oeste.


O barco passou por montanhas polvilhadas de neve, enquanto a bandeira vermelha, branca e azul das Ilhas Faroé vibrava com o vento frio da popa. Outros turistas e eu observamos Drangarnir, pilhas icônicas no mar, com um topo inclinado e um buraco em forma de porta no meio, e a ilhota de Tindholmur, com seus cinco picos agudos acima de nós. Ao longe, a cachoeira Mulafossur mergulhou de um penhasco no oceano, próximo às montanhas e à pequena vila de Gasadalur. (No dia anterior, eu tive a visão de perto dessa cena mágica, mais ninguém à vista.)


A balsa geralmente navega duas vezes por dia em cada sentido, mas o mau tempo pode detê-la, como um americano que eu conheci descobriu e ficou preso da noite para o dia.


A maioria dos visitantes paga a taxa de US$ 15 para caminhar por conta própria. (O dinheiro arrecadado é destinado para proteger a vida e a natureza icônica das aves da ilha.) Mas, cerca de uma dúzia de nós se juntou a Heini Heinesen, 67 anos, cujo pai foi o último faroleiro. O aposentado em forma, com barba grisalha, andava com uma bengala de madeira, levando-nos por caminhos não marcados, enquanto conversava sobre história e clima. Ele parou como se estivesse pensando profundamente.


“O que você ouve? Apenas a natureza — ele disse em voz silenciosa e reverente. "É lindo."


Ele apontou para fulmars brancos e cinza voando e grandes gansos mergulhando no mar. Na colônia de papagaios-do-mar, o som de milhares de pássaros encheu o ar. Uma placa pedia "viroing" (respeito) pelos pássaros, e Heinesen nos apressou.


Oito pessoas vivem o ano todo em Mykines, mas a ilha agora atrai 15.000 visitantes por ano, disse ele. Ele teme que as pessoas destruam a colônia de papagaios-do-mar e sugeriu limitar o número de passageiros da balsa ou restringir os passeios pela área, durante o ninho. "Nós apenas temos que controlar mais", disse ele.


De acordo com o Visit Faroe Islands, dois terços dos residentes viam o turismo como “positivo” em 2018, mas a maioria deseja legislação relacionada ao acesso à natureza. A agência de turismo tem um novo plano para preservar suas terras e disse que defenderá uma "taxa de preservação da natureza" para os visitantes.


Em Klaksvik, a segunda maior cidade (5.000 pessoas), me senti culpada ao embarcar no meu primeiro passeio de helicóptero.


Alguns moradores lamentam o uso de helicópteros subsidiados pelo governo (minha viagem de 15 minutos custa US$ 32), que é um transporte vital para os residentes. No entanto, o conselho de turismo e os guias orientam pelo uso do helicóptero. Sem carro, era um caminho eficiente de volta a Tórshavn, na ilha de Streymoy, planando sobre o mar, aldeias e moinhos de vento.


Cultura e tradições

De volta à capital (20.000 pessoas), eu ostentava tapas faroenses na Barbara Fish House com dois nova-iorquinos, devorando mexilhões, sopa de peixe, lagostins, salmão defumado e cervejas locais. A cervejaria dinamarquesa Mikkeller abriu ao lado de uma casa de madeira com telhado de grama e 500 anos de idade.


Nas proximidades, Tinganes, prédios vermelhos do governo com telhados de grama, que ficam em uma área que já foi da assembleia geral dos vikings. Evidências de raízes irlandesas e vikings estão espalhadas pelas ilhas — dos cemitérios vikings a Kirkjubour, um assentamento da Era Viking.


As Ilhas Faroé também são conhecidas por caçar baleias-piloto. Um guia disse que cerca de mil baleias das centenas de milhares de baleias da região são mortas por ano e a carne é compartilhada entre os habitantes locais — mais sustentável do que transportar alimentos de lugares distantes, disse ele. Eles também dependem de ovelhas e peixes, além de batata e ruibarbo.


Após uma excursão a Saksun, um vale com vista à uma lagoa azul-turquesa em Streymoy, passamos por peixes secos pendurados em prédios, anéis de fazendas de salmão e plantações de batata na praia. Depois de ser borrifada com a neblina na Fossa, a cachoeira mais alta, comemos panquecas delicadas com geleia de ruibarbo. Cada vila por qual passamos, por menor que fosse, tinha dois marcos: uma igreja e um campo de futebol.


Quando voltamos para Tórshavn, o motorista da excursão comeu pedaços de baleia seca como se fossem batatas fritas. Nuvens cinzentas cruzavam o céu, quando passávamos por remadores que atravessavam o lago — carneiros pontilhavam os campos.


Fiquei maravilhada com as cachoeiras nas encostas e espero que as Ilhas Faroé encontrem o equilíbrio certo entre proteger sua paisagem e receber visitantes, que vão ver exatamente isso.


FONTE: Star Advertiser

SMITH, Kelly. Faroe Islands draw more visitors for the picturesque Nordic scenery. Star Advertiser. Minneapolis, 08 de dez. de 2019. Disponível em: <https://www.staradvertiser.com/2019/12/08/travel/faroe-islands-draw-more-visitors-for-the-picturesque-nordic-scenery/>. Acesso em: 08 de dez. de 2019. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #ilhasfaroé #dinamarca #vikingsdinamarqueses #LivrosVikings

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

PUBLIQUE

EDITAL

BIOGRAFIA

BLOG VIKING

CONTATO

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0