Modelo Design - Escola de Arte
Modelo Design - Escola de Arte

AFINAL, COMO OS VIKINGS SE ALIMENTAVAM?

O conteúdo a seguir é oriundo do NEVE (http://neve2012.blogspot.com/)


O que os nórdicos antigos comiam e bebiam?


FONTE: Vila Viking Brasil — Fotografia: Desiree Baptista

Os hábitos alimentares – que envolvem desde o cultivo de vegetais, criação de animais, o processamento destes até chegar à mesa – sempre despertaram a curiosidade e o paladar. Conhecer os alimentos bem como o seu modo de preparo é atualmente uma das grandes curiosidades que leva desde jornalistas e até o mais renomado especialista a buscar as informações mais precisas e, também, aventurar-se a “reconstituir” os pratos apreciados pelos povos do passado.


A Arqueologia Experimental da Alimentação em alguns centros de pesquisa como, por exemplo a UCD School of Archaeology's Centre for Experimental Archaeology and Material Culture, no campus da University College Dublin, Irlanda, que além de outras pesquisas trabalha com a reconstituição da alimentação nórdica antiga. Contamos hoje com a publicação de livros especializados como o An Early Meal, de Daniel Serra, totalmente dedicado à alimentação na Era Viking. Mas, mesmo com os experimentos, a publicação de artigos científicos e de popularização, ainda restam muitas dúvidas pois a mídia, o cinema e a literatura de fantasia muitas vezes fazem “adaptações” um tanto quanto errôneas e aí vemos preparações de pratos que não existiam em determinadas épocas.


1. O uso do “Apple bacon” na Era Viking


Um prato que nos últimos tempos ganhou destaque nos eventos reconstrucionistas tanto nacionais como internacionais foi o æbleflæsk - conhecido também como “apple bacon”, que nada mais é do que carne de porco defumada e salgada refogada com maçãs ácidas e, em algumas variações também pode levar cebolas e alho-poró. Esse prato tem a sua origem nas zonas rurais dinamarquesas do século XVIII. Durante os rigorosos invernos os camponeses não podiam de maneira alguma abandonar seus afazeres, precisando de muitas calorias para trabalhar e suportar o frio. A solução? Fazer uma refeição deliciosa e quente misturando dois ingredientes que eram abundantes no inverno: maçãs e bacon! Esse prato tornou-se popular em toda a Dinamarca e foram acrescentados ingredientes conforme o paladar de quem o consumia. Se em uma região havia muitas cebolas, elas eram incorporadas, se havia muito alho-poró era ele que se mesclava à carne de porco e às maçãs. No século XIX muitos camponeses migraram para as cidades em busca de uma vida melhor e na bagagem trouxeram essa receita e a popularizaram. Esse prato ainda hoje é muito consumido principalmente no inverno e é uma presença constantes nas mesas no almoço do dia de Natal. Portanto os nórdicos da Era Viking não eram apreciadores dessa iguaria, pois viveram alguns séculos antes dela ser inventada!


2. “Arroz com amêndoas”


Um prato doce que é típico das festas natalinas em toda a Escandinávia e que leva canela, açúcar, amêndoas, leite e arroz em sua preparação e que começou a se popularizar no século XIX! Portanto, os nórdicos da Era Viking não consumiam esse tipo de alimento, mas, infelizmente esse prato aparece no menu de muitos restaurantes que querem servir a “autêntica comida viking”, tanto aqui no Brasil como no exterior. Um erro doce, mas ainda assim um erro!


3. O hidromel era a bebida mais consumida entre os vikings!


Essa frase foi publicada em uma recente reportagem em site e revista brasileira e é um outro equívoco. Em festivais, feiras, mercados e banquetes, tanto os nacionais como os estrangeiros, o hidromel é presença obrigatória! Existem os mais variados sabores que misturam frutas e ervas bem como méis de diferentes floradas, armazenados em barris e envelhecidos. Há hidromel para todos os gostos! Mas é preciso lembrar que essa bebida na Era Viking era cara e destinada somente aos mais ricos e em ocasiões especiais como a comemoração das vitórias em batalha, a celebração de alianças entre famílias ou chefes guerreiros. A Edda Poética descreve como Odin, depois de passar três dias deliciando-se com a bebida e os beijos e carícias de Gunnlod, metamorfoseou-se em águia roubando o precioso licor da beldade para levá-lo para os outros deuses. As gotas que caíram do bico da águia sobre a cabeça de alguns afortunados lhes concedeu a dádiva de escreverem a boa poesia. Já o que saiu pela cloaca, deu origem aos péssimos poetas. O hidromel possuía um caráter sagrado e, aliado a sua difícil produção, tornou-se uma bebida atribuída às divindades e aos seus eleitos. O hidromel não era abundante na Era Viking como outra bebida, a cerveja.


Faça parte do livro Mitologia Nórdica: uma coletânea de contos contemporâneos, saiba mais...


A cerveja pode ser definida grosseiramente como um fermentado rápido de cereais e ervas com uma baixa graduação alcoólica para ser consumida no cotidiano substituindo assim, o consumo de água pura que poderia transmitir doenças. O consumo de cerveja – fosse ela elaborada com os mais diversos cereais ou mesmo ervas ou raízes – era uma maneira de hidratar-se sem adoecer, daí a explicação para o seu consumo por todas as pessoas, dos mais novos aos mais velhos, dos mais abastados aos mais pobres. Do aristocrata ao servo todos consumiam cerveja no dia-a-dia: para acompanhar as refeições, para saciar a sede depois de lavrar o campo, durante o tempo que durava colheita ou nos barcos, enquanto se faziam as viagens. A cerveja foi, portanto, a bebida mais consumida na Era Viking. Uma outra bebida também muito consumida que visava aproveitar as frutas, principalmente peras e maçãs, que não serviam mais para o consumo era a sidra que nada mais é do quem fermentado do suco dessas frutas. Muitas vezes a sidra era consumida aquecida principalmente durante o inverno.


4. A canela era usada pelos nórdicos da Era Viking


Um outro item que também merece destaque no que diz respeito à alimentação é o uso da canela. Essa especiaria não era consumida pelos nórdicos antigos! A canela passou a fazer parte da dieta escandinava somente a partir do século XVI quando o comércio de especiarias do Oriente já estava definitivamente consolidado em toda a Europa. E, foi entre os séculos XVII e XVIII que surgiu uma receita que até hoje é presença obrigatória tanto no café da manhã como nos lanches da tarde: o kanelsnegl (em dinamarquês, kanelbulle em sueco, em norueguês skillingsboller, korvapuusti e em finlandês). Trata-se de um pãozinho não muito doce que leva farinha, açúcar, manteiga e, claro muita canela em sua preparação e é muito apreciado por pessoas de todas a idades e é delicioso!Uma dica: os melhores kanelsnegl da Dinamarca são feitos em uma confeitaria que funciona no mesmo local desde o final do século XIX em Lejre e, os segundos melhores são feitos em Ribe, em uma padaria que funciona desde o século XVIII. A receita do kanelsnegl tem forte influência da culinária alemã e adentrou os receituários escandinavos entre os séculos XVII e XVIII, portanto é uma receita da Idade Moderna.Recentemente alguns reconstrucionistas dinamarqueses divulgaram um vídeo com a receita do kanelsnegl como sendo uma comida da Era Viking. Alguns especialistas fizeram uma correção imediata, solicitando a retirada do material online bem como uma retração que foi imediatamente feita desfazendo assim possíveis equívocos.