Modelo Design - Escola de Arte
Modelo Design - Escola de Arte

A VIDA E A MORTE DE SWEYN FORKBEARD E SEU IMPÉRIO VIKING

Sweyn I, também conhecido como Sweyn Tiugeskaeg (que significa 'Barbas'), foi um chefe viking que se tornou o governante da Dinamarca, Noruega e da Inglaterra. Seu nome, 'Forkbeard', é uma referência à sua longa barba em V. Embora Sweyn tenha governado a Dinamarca e a Noruega por décadas, ele só ganhou o controle da Inglaterra no final de sua vida, governando-a por pouco mais de um mês. De fato, embora ele tenha sido declarado o rei da Inglaterra, Sweyn Forkbeard nem viveu o suficiente para a coroação.



Logo após a sua morte, o império de Sweyn se desintegrou. Enquanto ele foi sucedido por um de seus filhos na Dinamarca, a Noruega e a Inglaterra retornaram aos governantes nativos. Os domínios de Sweyn, no entanto, seriam reunidos por outro de seus filhos, Cnut, o Grande. O império de Sweyn Forkbeard e de seu filho são frequentemente conhecidos pelos historiadores contemporâneos como o Império do Mar do Norte ou o Império Anglo-Escandinavo.


Acredita-se que Sweyn I tenha nascido por volta de 960 d.C. Seu pai era Harald I, também conhecido como Harald Bluetooth, já a identidade de sua mãe é desconhecida. Harald era membro da Casa de Gorm, uma dinastia dinamarquesa que foi criada por seu pai, Gorm, o Velho. Esta nova casa real era baseada em Jelling, na Jutlândia do Norte. Sob o governo de Harald, a Dinamarca foi unificada pela primeira vez. Embora Harald tenha o crédito pela unificação do país, o projeto começou realmente com o seu antecessor. Além disso, Harald também conquistou a Noruega e se converteu ao cristianismo. Como resultado deste último, o cristianismo começou a se espalhar por toda a Dinamarca e Noruega.


Uma das maiores pedras rúnicas de Jelling foi erguida por Harald Bluetooth em 970 d.C. para celebrar a conversão da Dinamarca ao cristianismo

Sweyn Forkbeard revoltou-se contra o seu pai, Harald Bluetooth

Pouco se sabe sobre a infância e os primeiros anos de Sweyn. Sua primeira aparição em registro histórico é bastante brutal. Segundo escritores medievais, Sweyn se revoltou contra o seu pai nos últimos anos da vida de Harald. Isso ocorreu por volta de 987 d.C. O cronista alemão, Adam de Bremen, alegou que a revolta de Sweyn foi uma reação pagã à crescente cristianização da Dinamarca. A alegação do cronista, no entanto, é um tanto duvidosa, pois não há indicação de que Sweyn fosse pagão. Além disso, Adam pode ter guardado rancor contra o rei dinamarquês, pois ele não era simpático à igreja de Hamburgo-Bremen.


O batismo de Harald Bluetooth — Detalhe da fonte batismal de Tamdrup Kirke na Dinamarca

A história da revolta de Sweyn também é contada em Heimskringla, de Snorri Sturluson (traduzido como "A Crônica dos Reis da Noruega"). Nesta versão da história, diz-se que Sweyn pediu ao pai uma parte da Dinamarca. Harald, que não tinha intenção de dividir seu reino, naturalmente negou o pedido ao seu filho. Portanto, Sweyn reuniu seus homens e relatou ao pai que iria realizar um ataque. Na verdade, ele estava se preparando para se revoltar. Quando os preparativos terminaram, Sweyn atacou o pai. Harald venceu a batalha, pois possuía um exército maior, mas foi ferido mortalmente e morreu pouco depois.


Em algumas versões da história, Harald foi derrotado, fugindo para os Wends, onde morreu por conta de seus ferimentos. Quanto a Sweyn, ele fugiu do campo de batalha, mas após a morte de seu pai, ele foi proclamado rei. O novo rei, no entanto, havia sido capturado por Sigvaldi, o chefe dos Jomsvikings. Sigvaldi forçou Sweyn a fazer as pazes com os Wends, antes de devolvê-lo à Dinamarca.


Em Heimskringla, registra-se que Sweyn se casou com Gunhild, a filha de Burizleif, o Rei Wendish. O Heimskringla afirma que os filhos do casal eram Harald e Cnut. Embora Burizleif seja uma figura lendária, especula-se que seja baseado em uma pessoa real. Sweyn mais tarde se casou com Sigrid, a Altiva, viúva do rei sueco, Eric, o Vitorioso. Em algumas fontes, diz-se que Sweyn se casou com Sigrid após a morte de Gunhild. Em outras, diz-se que Sweyn repudiou Gunhild e se casou com Sigrid. Como resultado, Gunhild voltou a Wendland e só retornou à Dinamarca após a morte de Sweyn.


Os piratas vikings voltaram as suas atenções à Grã-Bretanha

Pouco depois de subir ao trono da Dinamarca, Sweyn estava de olho na Inglaterra. Já no final do Século VIII d.C., a Grã-Bretanha era o alvo favorito dos invasores vikings, pois os mosteiros, em grande parte indefesos, eram uma escolha fácil para eles. No século seguinte, os vikings começaram a estabelecer assentamentos na ilha, em vez de simplesmente invadir e roubar os seus habitantes. No final do Século IX d.C., grande parte da Inglaterra havia sido conquistada pelos vikings. Esta área ficou conhecida como Danelaw, e o domínio Viking durou até meados do Século X.


Em 954 d.C., Eric Bloodaxe, o último governante viking da Nortúmbria, foi expulso, marcando o fim da Danelaw. Nas décadas que se seguiram, a Inglaterra foi governada por reis nativos. Em 978 d.C., Aethelred II, cujo apelido era 'the Unready', que significa 'o, Desaconselhado' no inglês antigo, tornou-se o novo rei da Inglaterra. Isso foi cerca de uma década antes de Sweyn chegar ao poder.


Danegeld e a extorsão à Grã-Bretanha por Sweyn Forkbeard

Durante os anos 90, Aethelred ainda estava no trono inglês. De fato, ele continuou a governar até 1016. Esse também foi o começo da "Segunda Era Viking". Ao contrário dos vikings dos Séculos IX e X, Sweyn não estava inicialmente interessado em conquistar a Inglaterra. Em vez disso, ele preferiu realizar ataques à ilha.