• Livros Vikings

A VIDA E A MORTE DE SWEYN FORKBEARD E SEU IMPÉRIO VIKING

Sweyn I, também conhecido como Sweyn Tiugeskaeg (que significa 'Barbas'), foi um chefe viking que se tornou o governante da Dinamarca, Noruega e da Inglaterra. Seu nome, 'Forkbeard', é uma referência à sua longa barba em V. Embora Sweyn tenha governado a Dinamarca e a Noruega por décadas, ele só ganhou o controle da Inglaterra no final de sua vida, governando-a por pouco mais de um mês. De fato, embora ele tenha sido declarado o rei da Inglaterra, Sweyn Forkbeard nem viveu o suficiente para a coroação.



Logo após a sua morte, o império de Sweyn se desintegrou. Enquanto ele foi sucedido por um de seus filhos na Dinamarca, a Noruega e a Inglaterra retornaram aos governantes nativos. Os domínios de Sweyn, no entanto, seriam reunidos por outro de seus filhos, Cnut, o Grande. O império de Sweyn Forkbeard e de seu filho são frequentemente conhecidos pelos historiadores contemporâneos como o Império do Mar do Norte ou o Império Anglo-Escandinavo.


Acredita-se que Sweyn I tenha nascido por volta de 960 d.C. Seu pai era Harald I, também conhecido como Harald Bluetooth, já a identidade de sua mãe é desconhecida. Harald era membro da Casa de Gorm, uma dinastia dinamarquesa que foi criada por seu pai, Gorm, o Velho. Esta nova casa real era baseada em Jelling, na Jutlândia do Norte. Sob o governo de Harald, a Dinamarca foi unificada pela primeira vez. Embora Harald tenha o crédito pela unificação do país, o projeto começou realmente com o seu antecessor. Além disso, Harald também conquistou a Noruega e se converteu ao cristianismo. Como resultado deste último, o cristianismo começou a se espalhar por toda a Dinamarca e Noruega.


Uma das maiores pedras rúnicas de Jelling foi erguida por Harald Bluetooth em 970 d.C. para celebrar a conversão da Dinamarca ao cristianismo

Sweyn Forkbeard revoltou-se contra o seu pai, Harald Bluetooth

Pouco se sabe sobre a infância e os primeiros anos de Sweyn. Sua primeira aparição em registro histórico é bastante brutal. Segundo escritores medievais, Sweyn se revoltou contra o seu pai nos últimos anos da vida de Harald. Isso ocorreu por volta de 987 d.C. O cronista alemão, Adam de Bremen, alegou que a revolta de Sweyn foi uma reação pagã à crescente cristianização da Dinamarca. A alegação do cronista, no entanto, é um tanto duvidosa, pois não há indicação de que Sweyn fosse pagão. Além disso, Adam pode ter guardado rancor contra o rei dinamarquês, pois ele não era simpático à igreja de Hamburgo-Bremen.


O batismo de Harald Bluetooth — Detalhe da fonte batismal de Tamdrup Kirke na Dinamarca

A história da revolta de Sweyn também é contada em Heimskringla, de Snorri Sturluson (traduzido como "A Crônica dos Reis da Noruega"). Nesta versão da história, diz-se que Sweyn pediu ao pai uma parte da Dinamarca. Harald, que não tinha intenção de dividir seu reino, naturalmente negou o pedido ao seu filho. Portanto, Sweyn reuniu seus homens e relatou ao pai que iria realizar um ataque. Na verdade, ele estava se preparando para se revoltar. Quando os preparativos terminaram, Sweyn atacou o pai. Harald venceu a batalha, pois possuía um exército maior, mas foi ferido mortalmente e morreu pouco depois.


Em algumas versões da história, Harald foi derrotado, fugindo para os Wends, onde morreu por conta de seus ferimentos. Quanto a Sweyn, ele fugiu do campo de batalha, mas após a morte de seu pai, ele foi proclamado rei. O novo rei, no entanto, havia sido capturado por Sigvaldi, o chefe dos Jomsvikings. Sigvaldi forçou Sweyn a fazer as pazes com os Wends, antes de devolvê-lo à Dinamarca.


Em Heimskringla, registra-se que Sweyn se casou com Gunhild, a filha de Burizleif, o Rei Wendish. O Heimskringla afirma que os filhos do casal eram Harald e Cnut. Embora Burizleif seja uma figura lendária, especula-se que seja baseado em uma pessoa real. Sweyn mais tarde se casou com Sigrid, a Altiva, viúva do rei sueco, Eric, o Vitorioso. Em algumas fontes, diz-se que Sweyn se casou com Sigrid após a morte de Gunhild. Em outras, diz-se que Sweyn repudiou Gunhild e se casou com Sigrid. Como resultado, Gunhild voltou a Wendland e só retornou à Dinamarca após a morte de Sweyn.


Os piratas vikings voltaram as suas atenções à Grã-Bretanha

Pouco depois de subir ao trono da Dinamarca, Sweyn estava de olho na Inglaterra. Já no final do Século VIII d.C., a Grã-Bretanha era o alvo favorito dos invasores vikings, pois os mosteiros, em grande parte indefesos, eram uma escolha fácil para eles. No século seguinte, os vikings começaram a estabelecer assentamentos na ilha, em vez de simplesmente invadir e roubar os seus habitantes. No final do Século IX d.C., grande parte da Inglaterra havia sido conquistada pelos vikings. Esta área ficou conhecida como Danelaw, e o domínio Viking durou até meados do Século X.


Em 954 d.C., Eric Bloodaxe, o último governante viking da Nortúmbria, foi expulso, marcando o fim da Danelaw. Nas décadas que se seguiram, a Inglaterra foi governada por reis nativos. Em 978 d.C., Aethelred II, cujo apelido era 'the Unready', que significa 'o, Desaconselhado' no inglês antigo, tornou-se o novo rei da Inglaterra. Isso foi cerca de uma década antes de Sweyn chegar ao poder.


Danegeld e a extorsão à Grã-Bretanha por Sweyn Forkbeard

Durante os anos 90, Aethelred ainda estava no trono inglês. De fato, ele continuou a governar até 1016. Esse também foi o começo da "Segunda Era Viking". Ao contrário dos vikings dos Séculos IX e X, Sweyn não estava inicialmente interessado em conquistar a Inglaterra. Em vez disso, ele preferiu realizar ataques à ilha.


Ao contrário dos vikings do Século VIII, os ataques de Sweyn foram realizados em escala muito maior. Estes eram normalmente organizados a líderes reais, e o objetivo era a extorsão. Os invasores de Sweyn não tinham como alvo monastérios isolados, mas o próprio estado inglês. Os ataques vikings foram tão devastadores que os ingleses concordaram em prestar homenagem aos vikings. Esse tributo, conhecido como Danegeld, era essencialmente dinheiro de proteção, e os vikings lucravam muito com ele. Em 991 d.C., por exemplo, os atacantes receberam 4.500 kg (9.921 libras) de prata em troca de deixarem a Inglaterra em paz.


Sweyn Forkbeard invade a Inglaterra

Sweyn Forkbeard e a invasão viking a Londres

Essa estratégia não foi totalmente bem-sucedida e, particularmente no norte da Inglaterra, os ataques vikings continuavam, ainda que os ataques fossem muito menores. Segundo as Crônicas Anglo-Saxônicas, em 994 d.C., o próprio Sweyn liderou um ataque fracassado à Inglaterra, tendo Londres como o seu objetivo final. O relato do ataque de Sweyn a Londres é o seguinte:


“Este ano chegaram Anlaf (Olaf Trygvasson, rei da Noruega) e Sweyne a Londres, na Natividade de Santa Maria, com quatrocentos e noventa navios. Cercaram as proximidades da cidade, cujas chamas queimavam; mas eles sofreram de um mal, que jamais imaginaram. A Santa Mãe de Deus naquele dia, em sua misericórdia, salvou os cidadãos, os livrando de seus inimigos”.


Apoie a Livros Vikings, saiba como...


Embora os vikings não tivessem tomado Londres, eles não voltaram imediatamente para casa. Em vez disso, eles continuaram aterrorizando o resto da Inglaterra:


“Daí eles avançaram e fizeram o maior mal que qualquer exército poderia causar, queimaram, saquearam e mataram, não apenas na costa de Essex, mas também em Kent, Sussex e Hampshire. Em seguida, eles montaram seus cavalos, andando o mais longe que puderam e cometeram um mal indizível.


Por uma razão ou outra, Aethelred não recorreu à força militar para se livrar dos invasores vikings. Em vez disso, ele optou por pagá-los, como fizera no passado:


“Então o rei e seu conselho resolveram enviar e oferecerem-lhes tributos e provisões, com a condição de que desistissem da pilhagem. Termos que eles aceitaram; e todo o exército chegou a Southampton e lá se fixou durante o inverno; onde foi alimentado por todos os súditos do reino saxão ocidental”.


Em troca, Olaf se converteu ao cristianismo e prometeu nunca mais agir de maneira hostil contra a Inglaterra. Segundo as Crônicas Anglo-Saxônicas, Olaf cumpriu sua promessa. Pode-se notar que na entrada das Crônicas Anglo-Saxônicas para o ano de 994 d.C., Olaf foi retratado como o personagem principal, enquanto Sweyn desempenhava um papel secundário. Embora se diga que Olaf prometeu nunca mais atacar a Inglaterra, parece que Sweyn não fez tal promessa. Segundo algumas fontes, enquanto Sweyn estava invadindo a Inglaterra, Erik, o Vitorioso, aproveitou a oportunidade para ocupar a Dinamarca. No entanto, o rei sueco morreu logo depois e Sweyn conseguiu recuperar o seu trono.


Massacre do Dia de São Brice e a Retaliação de Sweyn

Sob Sweyn Forkbeard, os vikings continuaram a invadir a Inglaterra nos anos seguintes, e ele próprio lançou um ataque à ilha em 1003. O rei dinamarquês decidiu liderar o ataque pessoalmente como resultado de um incidente ocorrido no ano anterior. Na primavera daquele ano, Aethelred casou-se com Emma, irmã de Richard II, duque da Normandia. Isso pretendia selar a aliança entre a Inglaterra e a Normandia e poderia ter encorajado Aethelred a tomar uma posição mais dura contra os vikings.


OUÇA O SEXTO EPISÓDIO DA 2ª TEMPORADA DO VIKING CAST, O SIMARILLION DE J.R.R. TOLKIEN


Segundo as Crônicas Anglo-Saxônicas, em 1002, Aethelred recebeu notícias de que os dinamarqueses na Inglaterra estavam planejando assassiná-lo e dominar o seu reino. Ele, portanto, os isolou preventivamente e depois os massacrou no dia de São Brice (13 de novembro). Embora seja certo que alguns dinamarqueses foram mortos, a escala do massacre do dia de St. Brice não é clara.


Em alguns relatos, especula-se que um dos dinamarqueses que foram mortos durante o massacre foi Gunhild, a irmã de Sweyn. Se isso fosse verdade, teria intensificado o antagonismo de Sweyn em relação aos ingleses. Como alternativa, o massacre dos dinamarqueses em si pode ter aumentado a hostilidade de Sweyn. De qualquer forma, Sweyn invadiu a Inglaterra em 1003:


“Quando Sweyne viu que eles não estavam prontos e que todos se retiravam, ele levou então seu exército a Wilton; saqueando e queimando a cidade, Dali segui para Sarum; e na sequência voltou aos mares”.


Sweyn e a conquista da Noruega e da Inglaterra

Enquanto seus vikings estavam invadindo a Inglaterra, Sweyn conquistou a Noruega, que era governada pelo antigo parceiro de ataque de Sweyn, Olaf Trygvasson. Sweyn formou uma aliança com os suecos e os Earls de Lade, atacando Olaf. Na batalha de Svolder, em 1000, os noruegueses foram derrotados e Sweyn se tornou o novo governante da Noruega. A Inglaterra também ficaria sob o domínio dinamarquês, embora muitos anos após a conquista da Noruega por Sweyn.


Em 1013, Sweyn liderou outro ataque à Inglaterra. Parece que o rei dinamarquês não liderava pessoalmente um ataque à ilha desde 1004. Esse ataque era diferente dos que ele havia conduzido anteriormente e logo se tornou uma conquista. De acordo com as Crônicas Anglo-Saxônicas:


“Antes do mês de agosto, veio o Rei Sweyne com sua frota para Sandwich; e rapidamente caminhou por Anglia Oriental até a foz de Humber e subiu ao longo de Trento, até chegar a Gainsborough. Então, logo, fez Earl Utred curvar-se a ele, assim como todos os nortistas, todo o povo de Lindsey, depois o povo dos Cinco Municípios e na sequência todo o exército ao norte da rua Watling.


Para garantir a lealdade dos nobres ingleses que haviam se submetido a ele, os reféns foram tomados pelos dinamarqueses. Esses reféns foram deixados com o filho de Sweyn, Cnut, em Gainsborough, a nova base dos Vikings. O rei dinamarquês virou-se para o sul, continuando sua conquista. Quando Sweyn chegou a Londres, descobriu que a população não se submeteria e, por isso, decidiu continuar em Bath, onde recebeu a submissão dos ocidentais antes de retornar a Gainsborough. A essa altura, Londres também se rendia. Aethelred foi forçado ao exílio e encontrou refúgio na corte de seu cunhado na Normandia. O rei exilado permaneceu por lá até a morte de Sweyn, que, de fato, não demorou muito para acontecer.


Morte súbita de Sweyn Forkbeard e a desintegração de seu império

No final de 1013, Sweyn estava no auge de seu poder e era o governante da Dinamarca, Noruega e da Inglaterra. Dito isto, em fevereiro do ano seguinte ele estava morto. A abertura das Crônicas Anglo-Saxônicas para o ano de 1014 declara: "Neste ano o rei Sweyne terminou seus dias em Candlemas, o terceiro dia antes de fevereiro de fevereiro" (o que significava o segundo de fevereiro). Curiosamente, o Heimskringla fornece mais detalhes sobre a morte de Sweyn: “aconteceu que o rei Svein morreu repentinamente durante a noite em sua cama; e é dito pelos ingleses que Edmund, o Santo, o matou, da mesma maneira que o Santo Mercúrio matou o apóstata Juliano.


Como resultado da morte súbita de Sweyn, o império que ele criou se desintegrou quase imediatamente. Na Inglaterra, Aethelred retornou do exílio e governou até a sua morte em 1016. Da mesma forma, o trono da Noruega foi devolvido a um governante nativo. No entanto, o filho de Sweyn, Cnut, mais tarde ressuscitaria o império de seu pai. Cnut governou a Inglaterra por muito mais tempo que seu pai, dando-lhe mais tempo para impressionar os ingleses, o que ele fez. Suas boas ações foram registradas por escritores ingleses da época e, como consequência, ele é hoje conhecido como 'Cnut the Great (Cnut, o Grande)'. Sweyn, por outro lado, só governou a Inglaterra por cerca de cinco semanas e não teve tempo para provar que seria um governante capaz. Por isso, ele ficou preso à alcunha (ainda bastante impressionante) 'Forkbeard'.


FONTE: Ancient Origins

MINGREN, Wu. The Life and Death of Sweyn Forkbeard and His Viking Empire. Ancient Origins. Dublim, 08 de jun. de 2020. Disponível em: <https://www.ancient-origins.net/history-famous-people/sweyn-forkbeard-0013827>. Acesso em: 08 de jun. de 2020 (Livremente traduzido pela Livros Vikings).


Seja uma das primeiras pessoas a receber a novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


#viking #vikings #eraviking #medieval #sweynforkbeard #cnutthegreat #inglaterra #vikingsnainflaterra #dinamarca #vikingsdinamarqueses #livrosvikings

112 visualizações

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0