• Livros Vikings

A HISTÓRIA DOS VIKINGS EM DERBYSHIRE

Gareth Williams é o curador do Museu Britânico e especialista em história e arqueologia viking e do castelo de Tutbury. Foi conselheiro em um caso recente sobre o desmembramento ilegal de um tesouro viking de "importância nacional (Inglaterra)".

Invasão viking da Inglaterra por Angus McBride — Fonte da Imagem: Pinterest

As moedas são "pequeníssimos textos" para o Dr. Gareth Williams, curador de moedas antigas, medievais e de materiais vikings do Museu Britânico. Elas estão cheias de pistas históricas sobre um período específico e podem ser lidas como em um livro. Historiador por profissão, ele diz que a alegria de trabalhar em um museu e não em um departamento universitário, é compartilhar o seu conhecimento com uma gama muito maior de pessoas — uma paixão pela comunicação, que ele compartilha com a esposa, Lesley Smith, curadora do castelo de Tutbury.

FONTE: Derbyshire Life

Ficamos em Tutbury no inverno, com a chuva caindo e a névoa envolvendo o antigo castelo. O Dr. Williams ganhou destaque por conta da grande coleção de joias de ouro vikings, um lingote de prata e moedas descobertas em 2015 por dois detectores de metais amadores em Herefordshire. Os pesquisadores George Powell e Layton Davies foram condenados e presos em novembro do ano passado, por não declararem a descoberta, conforme a lei exige; por tentarem vender itens do tesouro — apenas 30 moedas foram recuperadas, juntamente com as joias — e por negarem que haviam escondido as moedas avaliadas em milhões. O tesouro foi escondido de início, com toda a probabilidade, por um guerreiro viking, quando o seu exército se retirou para o reino anglo-saxão da Mércia, após a vitória de Alfredo, o Grande, no ano de 878 d.C. Tais tesouros eram geralmente enterrados por segurança e 'porque os vikings nem sempre confiam um no outro', sugere o Dr. Williams. "As alianças podiam mudar e os membros de um exército podiam, mais tarde, encontrarem-se no lado oposto, por isso valia a pena enterrar as suas riquezas, mesmo que fosse apenas da noite para o dia". Ele confessa alegremente que estava numa mistura de enorme entusiasmo e 'um pouco de irritação', quando soube do tesouro naquele verão de 2015: entusiasmo porque os relatórios iniciais sugeriam que era algo muito especial e irritação porque ele estava trabalhando em um livro sobre tesouros, e a última coisa que ele queria era algo que "pudesse perturbar tudo o que tinha na cabeça ...". Não fez isso. O que as moedas fizeram, ele se alegrou, foi estabelecer uma conexão clara entre dois reis, Alfred, o Grande, o Rei de Wessex (871-879 d.C.), e Ceolwulf II (874-879 d.C.), um dos reis menos conhecidos do reino independente da Mércia.

Dr. Gareth Williams — FONTE: Derbyshire Life

As narrativas sobreviventes, como a Crônica Anglo-Saxônica, elogiaram as façanhas de Alfred e deram a Ceolwulf uma má impressão, desprezando-o como "um rei tolo do vale, um nobre menor, um fantoche dos vikings", diz o Dr. Williams. "Nada é dito em lugar algum sobre o que aconteceu com ele". Mas, as moedas provam que na Mércia pelo menos, ele foi reconhecido adequadamente como um Rei, com controle sobre uma área estabelecida e as bênçãos da Igreja. Houve algumas dicas tentadoras de quais moedas tínhamos anteriormente e que talvez houvesse mais do que aparentava. Contudo, até agora, as moedas não sobreviveram em quantidades grandes o suficiente para nos dar uma imagem clara'', observou. A percepção estava prestes a mudar. Entre as 30 moedas recuperadas, estavam cinco muito raras — 'moedas do imperador', o verso de cada uma representando dois imperadores lado a lado. Três têm Ceolwulf na frente; as duas restantes representam Alfred. “A imagem dos imperadores é copiada dos designers das moedas romanas, o que não é incomum. Mas, eles claramente tinham muitas moedas para escolher e moedas com esse design provavelmente não foram uma coincidência'', comentou Williams. “Eles também fizeram suas moedas com qualidade de prata muito melhor do que anteriormente, então parece que eles estavam compartilhando o design e realizando uma nova moeda juntos. Isto foi seguido por outra cunhagem, não mais com os dois imperadores, mas novamente produzidas pelos dois reis juntos, com uma variedade de bustos diferentes, sugerindo que elas estavam sendo produzidas em vários lugares diferentes. E ambas são extremamente raras. Até 2015, tínhamos apenas um exemplar em nome de Alfred e outro de Ceolwulf”. Apoie a Livros Vikings, saiba como... Poucos meses após a descoberta do tesouro, outro do mesmo período foi encontrado perto de Waplington, em Oxfordshire, contendo mais duas do tipo imperador, entre outras. "Quando isso apareceu pela primeira vez e ficamos cientes da grande quantidade que faltava na descoberta de Herefordshire, nosso primeiro pensamento foi que essas poderiam ser as moedas que faltavam no primeiro tesouro, re-enterradas pelos detetives", lembra Williams. Porém, esse não foi o caso: o localizador seguiu os procedimentos corretos e manteve esse tesouro seguro até que os arqueólogos pudessem removê-lo para examinar. Tudo isso colocou uma nova perspectiva de como a Mércia e Wessex eram governadas no Século IX, na época em que a Inglaterra estava evoluindo para um reino unido. Os vikings deixaram Repton — local de sepultamento dos reis da Mércia, centro de uma dinastia real — em 878 d.C, e o assentamento de um grupo em Yorkshire é a substância do livro em que o Dr. Williams trabalhava desde 2004, com a publicação prevista para breve. Outros grupos foram para Wessex e para outros lugares. Os vikings estavam "muito adiantados em seu planejamento logístico e de suprimentos, aparecendo em locais no início do inverno, onde os suprimentos haviam sido armazenados, controlando a distribuição de alimentos e movendo suas frotas fluviais", sugeriu ele. Em 879 d.C., todas as menções escritas sobre Ceolwulf desapareceram e, na década de 890, quando a Crônica Anglo-Saxônica foi escrita — na corte de Alfred — Alfred estava encarregado da maior parte da Mércia — 'e se houvesse algo de positivo que eles pudessem dizer sobre ele, diriam', observou Williams, acrescentando: 'Você acha que vale a pena adquirir um reino vizinho, então isso sugere que talvez as circunstâncias em que ele o adquiriu não tenham sido tão positivas... Eu traí paralelos com Stalin retocou Trotsky na história da União Soviética. Na época da Crônica, Alfredo estava se promovendo como rei dos anglo-saxões, combinando os reinos de Wessex, uma grande parte da Mércia, e Kent, que seu avô havia conquistado. Torna-se-ia o reino da Inglaterra, com interesse em perpetuar essa história — que nós, como historiadores, aceitamos de maneira pouco crítica desde então. As realizações de Alfred no geral foram boas. Mas, a moeda mostra outro capítulo dessa história: que a Mércia estava trabalhando ao lado dele e até participou de algumas dessas vitórias; e que ele aproveitou a oportunidade de uma maneira pela qual as fontes mais lisonjeiras lhe davam o crédito". Ele adoraria encontrar outro manuscrito da Mércia ou independente que pudesse lançar mais luz sobre tudo isso. E, trabalhando como ele tem trabalhado ultimamente na cunhagem de Harold II, seu sonho seria a descoberta de um tesouro datado logo após a Batalha de Hastings, em 1066. 'Seria ótimo se tivéssemos um tesouro com moedas da Mércia Central, Derbyshire ou Staffordshire, por volta da época do Staffordshire Hoard”, disse ele. Esse tesouro, a maior coleção de tesouros de ouro e prata anglo-saxões, foi depositado no Século VII.

FONTE: Derbyshire Life

‘As evidências sugerem que Derbyshire, Nottinghamshire e Leicestershire também estavam sob controle Viking, mas apenas um número muito pequeno de moedas sobreviveu e as sequências não são claras. Ter esse tesouro nos ajudaria a entender a cronologia e o relacionamento dos indivíduos de East Midlands daquele período”, disse ele. É uma conexão muito agradável que o maior tesouro de moedas já encontrado neste país esteja em Tutbury. Milhares de moedas foram descobertas no leito do rio Dove em 1832, quando o fluxo do rio estava sendo melhorado para abastecer uma fábrica de algodão. As estimativas da época colocavam o número em 300.000, e o tesouro data de 1322, após a Batalha de Burton Bridge. Sabe-se que três barris de ferro foram levados ao Priorado por segurança, enquanto Thomas de Lancaster recuava diante do exército de Eduardo II que se aproximava. Não é inconcebível, pensou o Dr. Williams, que os barris fossem rolados colina abaixo na água, para serem deixados lá até que as coisas se acalmassem. É evidente que ele adora resolver um mistério. Ele ama a história desde que era uma criança pequena que ia aos castelos durante as férias; ele credita a seu professor da escola secundária ter participado tão bem de suas aulas, e adorar ler a ficção histórica de escritores infantis como Henry Treece e Rosemary Sutcliffe. Ele leu história antiga e medieval na Universidade de St. Andrew, na Escócia, uma titulação que levou-o a um doutorado sobre os vikings e, mais tarde, um envolvimento próximo com a série de TV The Real Vikings. Ele é especialista do Museu Britânico há 23 anos e conhece o castelo de Tutbury há quase tanto tempo. Durante três semanas por ano, durante quatro anos, ele fez parte de uma equipe de arqueologia que escavava o local, e brincou: 'Eu vim para desenterrar o castelo e o Lesley também ... É uma coisa maravilhosa, um verdadeiro privilégio, ser associado a um lugar como este. Eu sempre quis meu próprio castelo e agora tenho um, embora não o possua e o compartilhe com a rainha ... '— uma referência a Lesley, famosa por seus impressionantes retratos fantasiada de figuras históricas em Tutbury, especialmente Elizabeth I. Por sua vez, o Dr. Williams pode ser encontrado em ocasiões vestido como um viking ou uma criança em idade escolar. Ele concluiu: Nós dois gostamos de compartilhar o nosso amor pela história com outras pessoas. Não adianta ter todo esse conhecimento, se você não o fizer. 'E ele confessou que ainda há dias em que ele vai ao castelo e é surpreendido. É um lugar bonito, cheio de atmosfera. Me fisgou quando cheguei aqui pela primeira vez, e é um prazer ver outros visitantes chegando aqui e sendo agarrados da mesma maneira'. FONTE: Derbyshire Life ASHWORTH, Pat. The history of Vikings in Derbyshire. Derbyshire Life. Derbyshire, 08 de abr. de 2020. Disponível em: <https://www.derbyshirelife.co.uk/people/the-history-of-vikings-in-derbyshire-1-6590517>. Acesso em: 08 de abr. de 2020. (Livremente traduzido pela Livros Vikings) Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais. #viking #vikings #eraviking #medieval #derbyshire #inglaterra #vikingsnainglaterra #livrosvikings

Parceiros:

Modelo Design é parceira da Livros Vikings
Denis Matyis é parceiro da Livros Vikings
Vila Viking Brasil é parceira da Livros Vikings
Walfenda é parceira da Livros Vikings
Hidromel Yggdrasill é parceira da Livros Vikings
O Mercado Viking é um parceiro Livros Vikings
UNIP Ourinhos é parceira da Livros Vkings
Nórdicos Estradeiros são um parceiro Livros Vikings

LIVROS VIKINGS

Av. Paulista 171, 4º andar, Bela Vista, São Paulo-SP, 01310-000

CNPJ: 35.663.864/0001-78 · IE: 128201172111

Prazo máximo de entrega: 30 dias (Brasil)

WhatsApp: +55 (11) 9-8263-4066

© 2019 por LIVROS VIKINGS. Orgulhosamente criado pela LV-SVO

Código de Defesa do Consumidor

  • RSS Livros Vikings
  • Spotify Livros Vikings
  • Deezer Livros Vikings
  • Facebook/livrosvikings
  • Instagram/livrosvikings
  • WhatsApp Livros Vikings
  • Livros Vikings no Google
  • Skoob Livros Vikings
  • Youtube Livros Vikings
  • LinkedIn Livros Vikings
0