top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Modelo Design - Escola de Arte

O que o último ataque viking ao País de Gales pode nos dizer sobre sua história medieval

Updated: Jan 26, 2023

Em 28 de outubro de 1209, os habitantes do bairro galês de Llanfaes, na foz do estreito de Menai, teriam visto seis dracares navegando em sua direção. Em um ato que lembra as guerras dos séculos anteriores, a cidade foi queimada pelos invasores hostis, mas esse seria o último ataque viking registrado no País de Gales.


O que o último ataque viking ao País de Gales pode nos dizer sobre sua história medieval
Capacete viking. Foto de Piqsels

Investigar o contexto histórico desse evento dramático revela uma teia de conexões políticas que se estendia pela Europa do Século XIII. Embora o ataque de 1209 possa, de certa forma, ser visto como o fim de uma era no País de Gales, não foi de forma alguma um evento isolado ou aleatório.


A 'Era Viking' – um termo não apreciado por muitos estudiosos, mas muito arraigado em nossa cultura para ser descartado – é muitas vezes considerado como terminado no Século XI. Esta é, no entanto, uma interpretação bastante anglo-cêntrica, vendo o fracasso da conquista de Harald Hardrada em Stamford Bridge em 1066 como o ato final das tentativas nórdicas de subjugar a Inglaterra.


Em outras partes da Grã-Bretanha e da Irlanda, os reinos dos governantes hiberno-nórdicos (que falam gaélico e nórdico) continuaram, assim como suas conexões com a Escandinávia, e isso é particularmente verdadeiro na zona do mar da Irlanda da qual Gwynedd fazia parte.


É neste contexto da política do Mar da Irlanda e das ligações políticas com a Escandinávia que devemos entender o último ataque viking ao País de Gales. Nossa fonte para o evento é o Oes Gwrtheyrn, uma crônica curta em língua galesa provavelmente escrita na Abadia de Aberconwy durante os cinco anos, ou mais, dos eventos descritos (esta crônica foi editada em um livro recente, As Crônicas Medieval do País de Gales e a Marcha: Novos Contextos, Estudos e Textos — The Chronicles of Medieval Wales).


A crônica observa que no ano de 1209, em 28 de outubro, seis navios de ataque chegaram a Llanfaes em Môn e queimaram a cidade, mas que os invasores acabaram sendo repelidos e seu líder morto. Este líder era Herlant Pic, ystiwart llys brenin Llychlyn, um 'mordomo da corte do rei da Noruega'.


Embora seja uma pequena vila hoje, Llanfaes, no Século XIII era o porto e a cidade mais importante de Gwynedd, a porta de entrada para o comércio do Mar da Irlanda. Isso foi até que, como resultado da conquista eduardiana de 1282, seus habitantes foram movidos à força de Môn para Niwbwrch, o 'Novo Bairro'. A abertura da crônica de 1209 é nossa primeira referência a Llanfaes como uma cidade, que apesar de sua destruição, viria se fortalecer ao longo das décadas seguintes. Mas, o que Herlant Pic, seus seguidores e seus navios invasores estavam fazendo lá? Para responder a isso, devemos nos voltar à Noruega.


A Noruega do Século XII passou por uma sangrenta e longa guerra civil, entre Baglar e Birkibeinar. Na primeira década de 1200, eles lutaram entre si até o impasse. Um tratado de paz em 1208 levou a uma expedição conjunta ao oeste um ano depois, contendo representantes de ambos os lados da guerra civil.


Parece que esta expedição teve vários objetivos: restabelecer a autoridade do rei norueguês sobre os reinos e assentamentos nórdicos em Orkney e nas Hébridas; um fim simbólico do conflito através do redirecionamento da agressão para além de suas fronteiras; e garantir fundos para esses antigos inimigos mútuos, invadindo lugares na Grã-Bretanha, Irlanda e outras ilhas ao redor.


Um exercício de formação de equipe e angariação de fundos. Uma campanha conjunta de antigos inimigos com objetivos mal definidos. O que poderia dar errado?


Tropas galesas

É por causa do último desses objetivos – o ataque – que podemos chamar essa campanha de 'Viking'. Inicialmente, notei a complexidade do termo 'Era Viking', e uma das razões para isso é que 'Viking' não é um termo étnico, mas usado para denotar invasões.


Nossa fonte nórdica para a expedição, Böglunga sögur, sagas das guerras civis norueguesas, descreve-a usando este termo viking. Além disso, diz-nos que partiram em doze navios e oferece uma lista dos homens envolvidos, que inclui dos Baglar o nome 'Erlendr Pikr'. Este apoiador de Baglar deve ser o mesmo homem registrado em nossa fonte galesa sob o nome Cambricizado Herlant Pic – então metade dos doze navios que partiram da Noruega chegaram a Llanfaes com Erlendr em outubro.


Publique seu livro pela Livros Vikings Editora

Sabemos que esta campanha atingiu seus objetivos políticos – os governantes de Orkney e da Ilha de Man foram para a Noruega prestar homenagem ao rei norueguês. Porém, Böglunga sögur continua nos dizendo que os participantes da expedição “saquearam as Hébridas e as ilhas vizinhas… [e] saquearam a ilha sagrada, que os noruegueses sempre consideraram sagrada; então caiu e se separou. E assim seus homens foram mortos em vários lugares. E aqueles que voltaram para a Noruega foram severamente repreendidos pelos bispos por sua pirataria”.


A 'ilha sagrada' aqui é Iona, a grande abadia de St Columba na costa de Mull. A expedição saiu do controle, levando à pilhagem de um mosteiro e lutas internas? Seja qual for o motivo, parece certo de que foi depois desse ataque a Iona e da divisão da expedição que Erlendr Pik seguiu para o sul, para Llanfaes.


Existe o potencial de oferecer uma explicação política mais complexa para esses eventos. Erlendr Pikr estava do lado Baglar nas guerras civis norueguesas, e o rei conciliador da Noruega na época, Ingi Bárðarson, era da facção rival, Birkibeinar. O lado de Erlendr Pikr da expedição de 1209, portanto, teve muito menos a ganhar com o fato de que os governantes de Orkney e das Hébridas concordaram em se submeter ao rei norueguês, até recentemente inimigo dessa facção. Mais interessado em pilhagem do que em tributo, esta é provavelmente a razão pela qual metade dos doze navios da expedição desceu para atacar Llanfaes em outubro – o crescente porto de Gwynedd provou ser um alvo tentador agora que o Homem e as Hébridas fizeram as pazes com a Noruega.


Esta pode ser uma explicação suficiente para o ataque a Llanfaes, mas também existem outros fatores. Quando os noruegueses chegaram a Llanfaes, o governante de Gwynedd, Llywelyn ab Iorwerth, acabara de acompanhar o rei John da Inglaterra em campanha para a Escócia. Embora a relação política de John e Llywelyn se deteriorasse significativamente nos dois anos seguintes, em 1209 a relação entre o príncipe de Gwynedd e o rei inglês ainda era forte.


O próprio rei João esteve envolvido nas guerras civis norueguesas, tendo dado forte apoio ao lado de Birkibeinar. Ele enviou milho, dinheiro e até mercenários galeses de seu senhorio em Glamorgan para ajudar o antecessor de Ingi Bárðarson, o rei Sverre da Noruega, contra seus inimigos Baglar. Essas tropas mercenárias galesas são até mencionadas como uma força distinta em uma saga nórdica contemporânea, Sverris Saga.


Uma das principais razões para o apoio de João aos Birkibeinar na Noruega foi o apoio que seu grande rival, Filipe Augusto da França, deu ao outro lado nessas guerras, os Baglar. Como tantas vezes em guerras civis, potências maiores apoiaram seus próprios lados, tendo o interesse em perpetuar o conflito.


Não é implausível sugerir que, ao atacar um atual aliado próximo do rei John, Llywelyn ab Iorwerth, em 1209, Erlendr Pikr e os Baglar estavam se lembrando do apoio que John e suas próprias tropas galesas haviam dado aos seus rivais na Noruega anos antes. O próprio Llywelyn também estava envolvido na política do Mar da Irlanda 0151 os governantes de Gwynedd possuíam terras ao redor de Dublin que herdaram de seu ancestral Gruffudd ap Cynan, ele próprio nascido na cidade hiberno-nórdica de Dublin.


Lealdades políticas

O ataque que esses homens fizeram a Iona parece, de certa forma, um retrocesso à Era Viking – este antigo mosteiro foi invadido por vikings várias vezes durante o Século IX. No entanto, também pode haver mais. A própria Iona havia sido atacada alguns anos antes, em 1204, não por vikings, mas pelo bispo e monges de Derry e outros mosteiros em Ulster. Eles se opuseram à refundação de Iona como uma abadia beneditina, suplantando o mosteiro de estilo antigo que fazia parte de uma família monástica fundada por São Columba no Século VI. Nesse período, os mosteiros reformados estavam substituindo os mosteiros mais antigos no País de Gales e na Irlanda.


Isso fazia parte de um processo de reforma da Igreja em toda a Europa, mas muitas vezes andava de mãos dadas com a disseminação da influência política e cultural anglo-normanda. Em resposta a esses ataques, o abade de Iona pode ter viajado para Roma, pois garantiu a proteção do Papa para o novo mosteiro de Iona. Embora o ataque a Iona em 1209 possa ter chocado os bispos noruegueses, foi pouco mais do que havia sido feito alguns anos antes pelos clérigos irlandeses, e pode ter tido motivos semelhantes.


O ataque a Llanfaes em 1209 provou ser o último ataque viking no País de Gales. Mas, em vez de um retrocesso isolado a uma era distante e bárbara, esses eventos violentos faziam parte de redes de lealdades políticas e conflitos que se estendiam pela Grã-Bretanha, Escandinávia e Europa.


Compreender esses eventos no contexto revela algumas das complexidades e conexões do País de Gales medieval e da Europa. Enquanto os habitantes de Llanfaes provavelmente ficaram aterrorizados com o aparecimento de navios vikings no horizonte, seus próprios horizontes não eram estreitos.


FONTE: Nation Cymru

JONES, Owain. What the last Viking raid on Wales can tell us about the complexities and connections of our medieval history. Nation Cymru. Cardiff, 20 de mar. de 2022. Disponível em: <https://nation.cymru/culture/what-the-last-viking-raid-on-wales-can-tell-us-about-the-complexities-and-connections-of-our-medieval-history/>. Acesso em: 20 de mar. de 2022. (Livremente traduzido pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


コメント

5つ星のうち0と評価されています。
まだ評価がありません

評価を追加
Livros Vikings na Google News
bottom of page