top of page
Patreon | Torne-se um Patrono
Modelo Design - Escola de Arte

MAIS FAZENDEIROS DO QUE GUERREIROS: A VIDA NA ERA VIKING

Os vikings, saqueadores e comerciantes da região escandinava, deixaram uma marca indelével na história, particularmente na Europa, enquanto invadiam, pilhavam e conquistavam.


Mais fazendeiros do que guerreiros: a vida na Era Viking
Crédito da Imagem: rawpixel.com
Publique seu livro pela Livros Vikings Editora.

Entre os Séculos VIII e XI, eles viajaram para o Mediterrâneo, Norte da África, Bulgária, Ásia Ocidental e foram os primeiros europeus a chegar à América (Terra Nova, Canadá). Em um exame histórico recente dos vikings, surgiu um foco crescente na compreensão da sociedade doméstica e do estilo de vida dos nórdicos de outrora, não apenas de suas viagens ao exterior.


Cotidiano viking na fazenda

Os vikings poderiam ter sustentado um império de quase quatro séculos apenas com saques e pilhagens? A resposta é um firme não. A sociedade nórdica foi organizada principalmente em torno da agricultura, com a maioria dos homens nórdicos sendo agricultores que cultivavam cevada, aveia, centeio, trigo e grãos. Algumas mulheres cuidavam de hortas ou de macieiras, embora fossem menos comuns. Arar, semear e a colheita estavam em ciclos estritamente sazonais.


A vida viking também incluía animais domesticados como porcos, ovelhas, cabras e galinhas, que serviam como ocupações secundárias. Os vikings eram cavaleiros adeptos, com restos de estábulos encontrados em toda a Escandinávia. Invernos severos significavam que os fazendeiros tinham que manter o gado dentro de casa durante o frio, para o qual feno suficiente tinha que ser cultivado e armazenado durante o resto do ano.


O cotidiano dos vikings poderia ser um tanto relaxante e pastoral (Imagem de Domínio Público)
O cotidiano dos vikings poderia ser um tanto relaxante e pastoral (Imagem de Domínio Público)

As famílias vikings se sustentavam com o que produziam na fazenda, junto com o que pudesse ser caçado, pescado ou coletado. As fazendas não eram grandes e amplamente espalhadas, mas tinham a capacidade de manter todos os membros bem alimentados, às vezes mesmo durante um ano de colheita fraca. Em um dia típico, duas refeições seriam feitas — a refeição do dia, ou 'dagmal', que seria servida uma hora depois de acordar e a refeição da noite, ou 'nattmal', feita após o dia de trabalho.


Comida viking: carne cozida na cerveja, servida com nabos e manteiga de avelã. Imagem do Grande Salão Viking de Stiklastadir, Trøndelag, Noruega (Vrangtante Brun / CC BY NC 2.0)
Comida viking: carne cozida na cerveja, servida com nabos e manteiga de avelã. Imagem do Grande Salão Viking de Stiklastadir, Trøndelag, Noruega (Vrangtante Brun / CC BY NC 2.0)

Durante o frio, o nattmal era um caldo de legumes ou peixe ou um ensopado preparado num caldeirão, que às vezes seria comido na manhã seguinte no dagmal com pão e frutas. As crianças comiam mingau, frutas secas, leitelho e pão, dependendo da disponibilidade sazonal e do status socioeconômico da família.


O interior de um típico Grande Salão Viking (Frederico Magonio/Adobe Stock)
O interior de um típico Grande Salão Viking (Frederico Magonio/Adobe Stock)

Vida doméstica viking

Como a maioria das famílias nórdicas era de agricultores, apenas uma minoria morava em cidades, com concentração no interior rural. As comunidades agrícolas geralmente viviam em casas semelhantes a salões de 3 a 30 metros de comprimento, em pequenas aldeias perto dos fiordes ou em vales desolados que ficavam mais para o interior. As fazendas eram geralmente colocadas no topo de uma colina com uma boa visão da área circundante para ver quem estava chegando — amigo ou inimigo.


Agricultores mais ricos viviam em grandes casas de até 76 metros de comprimento!


Normalmente, as casas vikings tinham apenas um cômodo, com uma abertura no teto para saída de fumaça. Devido a uma deturpação dos vikings na cultura popular, há uma sensação de que seus espaços eram grandes e luxuosos, mas isso só era verdade para alguns membros afluentes.


Uma reconstrução de um Grande Salão Viking (Jens Cederskjold / CC BY 3.0)
Uma reconstrução de um Grande Salão Viking (Jens Cederskjold / CC BY 3.0)

De fato, muitas famílias dormiam no mesmo quarto que seus animais, e somente se tivessem espaço suficiente, dividiriam o quarto em dois, os animais ficavam em um espaço separado.


Os vikings da atual Noruega construíam suas casas de madeira, embora lama, pedra e uma mistura desses materiais fossem mais comuns nas casas de fora da Noruega. Quando os vikings noruegueses tiveram acesso ao que é chamado de tecnologia de construção de aduelas, as paredes tornaram-se pranchas verticais colocadas lado a lado, com as extremidades afundadas no chão. Ao longo dessas paredes, eram colocados bancos para sentar ou dormir, cobertos com peles ou panos. A lareira fornecia calor e luz, embora às vezes também fossem usadas lamparinas alimentadas com cera ou gordura.


Aprenda sobre os vikings lendo uma das obras da Livraria Especializada Livros Vikings.


Para água, as famílias mais abastadas tinham dutos diretos para dentro da casa, dirigidos de um rio ou lagoa para um pequeno canal que passava por baixo da casa. Este canal era coberto por lajes de rocha e para aceder à água bastava levantar uma das lajes. Normalmente havia uma casa de banho separada, que era acessada todos os sábados, o dia normal do banho. Os que moravam perto da costa também tinham ancoradouros, chamados 'naust' para navios e barcos menores.


Em termos de tamanho, uma aldeia escandinava geralmente consistia de 15-50 fazendas. Havia um punhado de cidades com comerciantes e artesãos que eram um pouco maiores; no entanto, em termos de população, apenas de 1 a 2% da população viviam nessas cidades.


A geografia desempenhou um papel importante na distribuição da população. As aldeias mais remotas eram geralmente caracterizadas por fiordes, montanhas, florestas e outras topografias desafiadoras. Lá, como a agricultura e o assentamento eram muito difíceis, também vulneráveis ​​às extremidades da natureza, fazendas solitárias também eram comuns. A entorno da maioria dos assentamentos apresentava cemitérios; o enterro de um antepassado criava maior reivindicação sobre a terra que era trabalhada por seus descendentes.


Os cavalos eram usados ​​como transporte terrestre, tanto para humanos quanto para mercadorias. Carroças também foram bem utilizadas. No entanto, durante o inverno, nas áreas sob geada permanente, eram usados ​​esquis, além de trenós puxados por cavalos, que tinham calçados especiais para atravessar tanto a neve quanto os corpos d'água congelados.


Um sapato de neve (raquete) feito de bétula da Era Viking para cavalos (Espen Finstad /secretsoftheice.com)
Um sapato de neve (raquete) feito de bétula da Era Viking para cavalos (Espen Finstad /secretsoftheice.com)

Mulheres da Era Viking: Casamento e Status

Os teóricos sociais muitas vezes comentam que o progresso de uma sociedade é julgado pela forma como suas mulheres são tratadas. A maioria das mulheres vikings eram donas de casa. Não só estavam encarregadas das responsabilidades domésticas 24 horas por dia, mas quando os seus maridos ou filhos partiam para expedições, elas também tinham que assumir o controle das responsabilidades públicas. Isso pode ser uma variedade de responsabilidades em torno da fazenda com relação à semeadura e colheita, ou em unidades de produção, como as têxteis.


Embora vejamos alguma igualdade na sociedade viking em questões de gênero, existiam certas desigualdades gritantes. Por exemplo, os homens eram os únicos permitidos no tribunal; acreditava-se que a palavra de uma mulher era verdadeira no pior dos cenários. Além disso, como em outras sociedades patriarcais, uma mulher era considerada parte de 'sua família' até se casar e depois se tornava parte de 'outra família' após o casamento.


Quando um homem pedia a mão de uma mulher em casamento, os pais também se envolviam. Eles olhavam para a história das sagas e, consequentemente, entregavam a filha ao proponente. Praticamente não lhe foi dado nenhum arbítrio para exercer seus direitos no amor ou decidir um parceiro. As sagas nórdicas encorajavam as mulheres jovens a competir pelo marido mais 'elegível' — não é surpresa que essas sagas tenham sido escritas por homens!


Embora as mulheres vikings pudessem se divorciar por certos motivos, a infidelidade não era um deles. Os homens podiam trazer várias amantes para casa, enquanto a infidelidade feminina era severamente punida. Se um homem batesse em uma mulher três vezes, ela poderia pedir o divórcio. Se ele a deixasse e fosse para outra cidade, ela poderia pedir o divórcio alegando solidão. No entanto, deve-se notar que as mulheres vikings podiam se casar com outro homem.




Estes são alguns dos vislumbres que temos da vida e dos tempos da Era Viking — uma sociedade baseada na agricultura e não nos aventureiros impetuosos e das pilhagems associados a eles na cultura popular.


FONTE: Ancient Origins

PANDEY, Sahir. Everyday Viking Life: More Farmers Than Fighters. Ancient Origins. Dublin, 21 de set. de 2022. Disponível em: <https://www.ancient-origins.net/history-ancient-traditions/viking-life-0017296>. Acesso em: 21 de set. de 2022. (Livremente traduzido e adaptado pela Livros Vikings)


Seja uma das primeiras pessoas a receber as novidades do Mundo Viking, assinando a nossa Newsletter ou adicionando-nos em seu WhatsApp... Siga-nos nas Redes Sociais.


Livros Vikings na Google News
bottom of page